Escolha uma Página
Acessibilidade e o poder da diversidade e inclusão nas empresas

Acessibilidade e o poder da diversidade e inclusão nas empresas

A acessibilidade e o poder da diversidade são dois assuntos que vem ganhando espaço no dia a dia das empresas. Em março deste ano, a Revista Exame divulgou o Guia Exame de Diversidade: diversos e melhores. O trabalho mostrou a realidade de 109 empresas que promovem a inclusão de mulheres, negros, pessoas com deficiência e LGBTI+.

Apesar de serem recentes, as iniciativas do estudo estão estruturadas em quatro pilares de diversidade e equidade — étnico-racial, LGBTI+, mulheres e pessoas com deficiência — Trata-se de uma iniciativa em parceria com o Instituto Ethos, que há 20 anos ajuda empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável.

No entanto, por que pensar na acessibilidade e na diversidade? Como as empresas foram avaliadas neste Guia e como se destacaram? Por que você deve investir em acessibilidade? Essas são algumas perguntas que vamos responder ao longo deste artigo. Acompanhe!

Mini E-book: Qual a responsabilidade da arquitetura no projeto de acessibilidade

Por que pensar na acessibilidade e na diversidade?

Muitas empresas têm pensado em várias alternativas em relação a acessibilidade. Um grande exemplo é o Banco Santander, que despontou como a empresa do ano, na primeira edição do Guia Exame de Diversidade. É que além de oferecer mais oportunidades às pessoas com deficiência, o banco tem grupos de discussão que envolvem pessoas negras e com deficiência.

A diversidade é uma das bases de fomento à inovação e que deve alimentar o propósito das empresas. Portanto, promover a inclusão de negros e mulheres é, segundo o Guia da Exame, uma meta para os 150 principais executivos do País. Ainda sobre o Banco Santander, em 2018, a instituição abriu vaga para 620 jovens entre os quais 70% eram meninas e 55% negras.

Oferecer espaço para todos os jovens é uma das formas de reter esses talentos. Já em relação a diversidade sexual, as iniciativas do banco começaram em 2018, mas o tema já era tratado de maneira natural. Entretanto, a instituição cria um ambiente em que cada pessoa se encontra e desenvolve o melhor de si mesma.

No entanto, apesar das iniciativas do banco serem recentes, elas estão estruturadas nos quatro pilares de diversidade que toda empresa deve seguir: ético-racial, LGBTI+, mulheres e pessoas com deficiência.

Como as empresas foram avaliadas no Guia da Exame?

O Guia avaliou as empresas por meio de uma metodologia própria que teve como base a adaptação de uma série de guias temáticos desenvolvidos pelo Ethos e seus parceiros: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), Coalizão Empresarial para Equidade Racial e de Gênero, Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, Movimento Mulher 360 e Rede Empresarial de Inclusão. As melhores empresas são as que mais se aproximaram da equidade e da inclusão nos quatro temas avaliados.

Como as empresas foram avaliadas no Guia da Exame?

Entre elas, classificaram-se as que tiveram nota maior que 7, nas questões qualitativas, e que durante a etapa de apuração, apresentaram dados quantitativos para serem avaliados. Com base nisso, foram calculadas as notas médias de cada categoria. No Brasil, as empresas que dão atenção à questão da diversidade se encontram em diferentes graus de maturidade.

No estudo, foi possível perceber algumas tendências entre as melhores empresas. O tema em que elas estão mais avançadas é o das mulheres, no que diz respeito à sua presença na força de trabalho e em programas de desenvolvimento de carreira e liderança.

Pessoas com deficiência é o segundo tema em que as companhias inscritas estão em estágio mais adiantado. A lei prevê, no mínimo, 5% de Pessoas com Deficiência (PCDs) em empresas com mais de 1000 funcionários.

Em seguida, segue-se o de diversidade étnico-racial, em que também há cotas. Neste caso, há admissão de jovens pretos e pardos e universidades. Por fim, há promoção dos direitos do grupo LGBT+. Nesse pilar, apenas 15 das 36 empresas destacadas no Guia obtiveram notas acima da média.

Como as organizações se destacaram?                           

No entanto, a avaliação deixou claro que as oportunidades são ainda mais restritas para travestis e transexuais, que vivem à margem da sociedade. É que grande parte deles está na prostituição, segundo estimativas. Por outro lado, a análise feita pelo Guia revelou que as empresas que mais se destacaram por promover a diversidade no Brasil apresentaram diferenças significativas entre os setores de atividade.

Para você ter ideia, nos ambientes predominantemente masculinos, geralmente  fabris, é menor o número de empresas que se classificaram entre as melhores. Os setores de agronegócio, auto indústria, bens de capital, eletroeletrônico, construção civil, mineração e siderurgia tiveram cada um apenas uma representante entre as melhores.

Uma delas é a empresa de alimentos Cargill, onde as ações afirmativas, como a inclusão de funcionários negros e trans no programa jovens aprendizes, começam a gerar efeitos positivos, especialmente após a criação do comitê de diversidade em 2016. Outro bom exemplo é a Schneider Electric, do setor eletroeletrônico.

Em 2011, com o apoio da então presidente Tania Cosentino, a subsidiária multinacional francesa criou um grupo para ampliar as oportunidades de carreira para mulheres. Em 2014, o movimento ganhou força quando a companhia assumiu compromissos globais junto à ONU Mulheres, braço das Nações Unidas focado na promoção da igualdade de gênero.

Então, uma meta foi estabelecida. Até 2020, 30% dos cargos de liderança seriam ocupados por mulheres. Em busca desse objetivo, a empresa criou ações para desenvolver líderes e suas equipes. Em uma delas, adotou a regra de que, em todo processo seletivo, pelo menos uma mulher deve estar entre os candidatos finalistas para qualquer vaga.

Entre as companhias que se destacam por suas práticas de diversidade, é possível identificar um caminho em comum. O primeiro passo para a maioria das empresas é realizar a coleta de informações para traçar o retrato social que existe internamente. Já o próximo passo é envolver os funcionários nos processos e ouvir as suas necessidades. Nessa etapa, muitas companhias criam os grupos de afinidade.

Já organizações como Natura, John Deere e Santander foram consideradas empresas que possuem força de vontade para cumprir a cota de PCDs estabelecida por lei. Cerca de 15% dos funcionários que trabalham no centro de distribuição de cosméticos da Natura, localizado em São Paulo, tem alguma deficiência. A empresa está preparada para empregar até 30% do quadro com essa característica.

A John Deere, fabricante de tratores, começou a estruturar políticas de aceleração para PCDs. Um exemplo é a meta traçada para que 50% dos funcionários com deficiência realizem um programa de desenvolvimento até 2022.

Já o banco Santander, criou um aplicativo em fevereiro de 2017, para os funcionários com deficiência, para poder traçar o seu perfil, entender as suas necessidades e mapear as oportunidades para ascensão na carreira.

Por que as empresas precisam pensar na acessibilidade?

Para cumprir com a lei

A Lei nº 8.213, criada em 1991, conhecida como Lei de Cotas, determina que toda empresa com 100 funcionários ou mais é obrigada a preencher o seu quadro com 2% a 5% de pessoas portadoras de deficiência. Assim, para você saber todos os itens que deseja seguir é necessário fazer uma consulta no documento.

Para acolher as pessoas

A empresa que pratica a acessibilidade faz com que os seus funcionários se sintam motivados. No entanto, o benefício não para por aí, pois, clientes e público que visitam o estabelecimento também se sentem acolhidos. Quer um exemplo? As pessoas com mobilidade reduzida. Para que elas consigam se deslocar em um determinado ambiente, é necessário um espaço adequado e sem obstáculos.

Nesse sentido, não adequar o ambiente de trabalho às pessoas com deficiência pode ainda ser visto como uma forma de discriminação. Afinal, todo colaborador têm direito à possibilidade de trabalhar com autonomia, sem a necessidade de pedir auxílio de outras pessoas que estão ao seu redor, não é verdade?

E como facilitar a vida desses funcionários? Adquirir um elevador de acessibilidade não é um gasto e sim um investimento para o seu negócio. Afinal, além de você tratar as pessoas com respeito, você também vai atrair clientes para a sua empresa, pois eles terão a certeza que a sua organização se importa com o próximo.

Viu como a acessibilidade e o respeito a diversidade são importantes para as organizações? Agora que você já sabe, que tal promover ações que melhoram a acessibilidade dos seus colaboradores e que incluem todas as pessoas na sua empresa? Pense nisso!

Quer ler mais conteúdos como esse? Acesse o nosso próximo post e saiba se os escritórios estão preparados para a acessibilidade corporativa!

[Infográfico] Quer saber mais sobre os modelos de elevadores de acessibilidade? | JE Elevadores

Acessibilidade na construção civil: entenda sobre a NBR 9050

Acessibilidade na construção civil: entenda sobre a NBR 9050

Quando falamos na construção em geral, na arquitetura, na engenharia e também nos profissionais da área é importante conhecer a NBR 9050. Além disso, você deve saber porque é tão importante falar sobre essa norma. No entanto, a NBR 9050 torna a vida mais fácil para pessoas com mobilidade reduzida, o que prioriza a cidadania e a reforça através da mobilidade.

Entretanto, se você deseja saber um pouco mais sobre a NBR 9050 e porque ela é tão importante para a acessibilidade na construção civil, continue com a gente e leia o nosso artigo.

O que é a NBR 9050?

A NBR 9050 faz parte de uma série de regulamentações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Essa norma respalda arquitetos, engenheiros, construtores, pedreiros e profissionais da área de acessibilidade em relação aos parâmetros técnicos que devem ser seguidos na hora de construir.

Quando o assunto é planejar a construção, o mobiliário, as áreas e os equipamentos urbanos, as restaurações e instalações de edificação é importante se atentar à NBR 9050, já que ela é a grade reguladora da verdadeira democratização dos espaços.

No entanto, nas especificações da NBR 9050, a acessibilidade na construção civil é um ponto chave para nortear o que deve ser consideração na hora de construir ou edificar um espaço.

[e-book] Acessibilidade na construção civil: importância dos projetos e a responsabilidade

O que a atualização da NBR 9050 representa?

Em outras versões, a Norma NBR 9050 não detalhava vários aspectos importantes para acessibilidade na construção civil, deixando lacunas no entendimento do consenso geral a serem considerados no ambiente de construção.

Com a atualização da NBR 9050, feita em 2015, as pessoas com dificuldade de locomoção passaram a frequentar locais que antes, eram inacessíveis para elas. Isso se deu graças a um estreitamento da lei e à adição de novos parâmetros a serem considerados.

Essa mudança influencia nas melhores práticas, e portanto, irá proporcionar maior acessibilidade na construção civil, nos espaços físicos em geral, no transporte, na informação e na comunicação. Principalmente em serviços de uso público, tanto no ambiente rural quanto no ambiente urbano.

Onde há possibilidade de um indivíduo estar, deve haver condições para que todos também possam estar. A versão de 2004, que estava em vigor até a modificação, não trazia a incorporação da utilização de transportes na informação e comunicação ou em sistemas tecnológicos aplicados em espaços de livre acesso. Agora, a atualização lida com esses pontos se alia a tecnologia e a acessibilidade.

Em suma, não é mais considerado somente o projeto arquitetônico do lugar, mas sim, suas características particulares, sua condição singular para aplicar a NBR 9050 e transformar o local em um ambiente alcançável por todos.

Quais as principais mudanças na NBR 9050?

Ampliação da acessibilidade

Foi acrescentada na NBR 9050 a utilização de transportes, a informação, os sistemas e as tecnologias, o que não fazia parte do escopo.

Mobiliários em rotas acessíveis

Em relação às calçadas, a nova norma inclui a existência de mobiliários em rotas acessíveis. Isso tem a ver com um maior detalhamento sobre os puxadores e as maçanetas, visando às pessoas cegas.

Símbolos e desenhos

Também foram acrescentados símbolos e desenhos representando obesos, grávidas, idosos, indivíduos com bebê de colo, cegos com ou sem cão-guia e aqueles com mobilidade reduzida como uso obrigatório.

Informações sobre a sinalização sonora

Há, ainda, informações sobre a sinalização sonora, como a colocação de sinais em áreas de resgate, focando em rotas de fuga que se adaptem às pessoas com cadeiras de rodas.

Rampas nas calçadas

As calçadas devem ter rebaixamento para a instalação de rampas, considerando um limite de 6%.

Quais os ambientes de uso coletivo devem ser adaptados para quem tem a mobilidade reduzida?

  • Portarias;
  • Garagens;
  • Halls de acesso;
  • Salas e salões;
  • Praças;
  • Banheiros;
  • Piscinas;
  • Saunas;
  • Academias;
  • Quadras esportivas.

É importante que as construções tenham calçadas projetadas com rampas e piso tátil de alerta para possíveis obstáculos. Portas, corredores e elevadores também precisam ter as dimensões adequadas para facilitar a locomoção das pessoas, principalmente dos cadeirantes.

Quem fiscaliza o cumprimento da NBR 9050?

A NBR 9050 é fiscalizada pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA). O documento que atesta o atendimento à norma é a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) vinculada ao projeto. Entretanto, os órgãos municipais de licenciamento para obras também podem realizar essa vistoria, amparados por leis federais e municipais.

Porém, vale destacar que o arquiteto ou engenheiro que assinam o projeto da edificação são os grandes responsáveis pelo cumprimento das exigências da NBR 9050. Os CREAs geralmente possuem materiais que orientam os profissionais sobre o tema, para evitar o desrespeito aos princípios de acessibilidade universal por desconhecimento das normas. A promoção da acessibilidade é uma lei regulamentada pelo Decreto 5.296,  de 2004. Já a Lei de Inclusão, de 2015, veio para complementar essa legislação.

Por que deve retomar o conceito de desenho universal para a construção civil?

O conceito surgiu na década de 1960, nos Estados Unidos, quando foi questionada a padronização feita pelo homem em projetos de ambientes. Hoje, o tema é tão importante que está exposto como obrigatório em cursos universitários da área de construção e suas vertentes.

O objetivo é incluir produtos que são acessíveis para todas as pessoas, sem se importar com as suas características individuais e habilidades. Desse modo, qualquer um poderia usufruir plenamente de mercadorias e ambientes, independentemente da situação em que se encontra.

O desenho universal valoriza o desenvolvimento do cidadão, que pode mudar conforme a fase da vida (a postura e o tamanho, por exemplo). Foi a partir disso que a ideia começou a ser utilizada em todos os setores, inclusive na construção. A nova versão da NBR 9050 usa muito desse conceito em suas revisões.

A construção civil é um setor fundamental e de interesse o desenvolvimento sustentável de cidades e espaços de convivência. A acessibilidade na construção civil é essencial para o pleno exercício da cidadania e as diretrizes que guiam os empreendimentos favoráveis a essa realidade se encontram na NBR 9050.

Entretanto, essa norma veio para embasar as construções do futuro. Seguir essa determinação é cumprir o que manda a legislação do País, garantir uma obra de sucesso e estimular uma sociedade mais humana e inclusiva.

Como usar os elevadores para a acessibilidade na construção civil?

O uso de elevadores como forma de acessibilidade é um exemplo concreto e eficaz de democratização do espaço público. Se pautando na NBR 9050, a instalação dos elevadores para acessibilidade em espaços inacessíveis para as pessoas com mobilidade reduzida, como por exemplo, em espaços com piscinas que geralmente contemplam as dificuldades de locomoção, é socializar o espaço a todos, sem exceção.

Precisando de um elevador de acessibilidade? Peça já seu orçamento com a JE Elevadores

Portanto, alinhar a Norma NBR 9050 à melhor alternativa para uma acessibilidade da construção civil 100% segura é o caminho certo para que as pessoas com mobilidade reduzida percorram, e é isso o que os elevadores de acessibilidade oferecem.

Como você pode ver, é importante cumprir com a NBR 9050 e assim garantir a acessibilidade na construção civil para as pessoas que têm a mobilidade reduzida. Por isso, fique atento e cumpra a norma! Tenha um clube, uma academia o qualquer outro espaço adaptado!

Gostou do nosso artigo? Quer saber um pouco mais a respeito da acessibilidade na construção civil? Baixe o nosso mini e-book e saiba qual é a importância da engenharia civil na acessibilidade e quais as responsabilidades!

Por que é importante investir em acessibilidade em ambientes comerciais

Por que é importante investir em acessibilidade em ambientes comerciais

Promover a acessibilidade nos ambientes comerciais. Talvez esse seja um dos segredos para você que é investidor ou empresário ter sucesso em seu negócio. Você deve saber que precisa ser diferente para atender todas as pessoas que procuram por seus serviços ou que desejam frequentar a sua empresa, seja sua academia com hidroginástica ou sua casa de shows com piscina.

Além de atender o cliente com mobilidade reduzida, você ainda vai cumprir a lei de acessibilidade para pessoas com deficiência. Por isso, saiba que a Constituição Federal, por meio das Leis Federais de Acessibilidade 10.048/ 2000 e 10.098 / 2000 e o Decreto-Lei 5296/04 garantem a acessibilidade e a livre locomoção à pessoa com deficiência dentro do território nacional.

No entanto, cada município, por meio dos seus decretos locais, poderá fazer um detalhamento dessas leis definindo sanções legais pelo seu descumprimento. Além de atender as pessoas e cumprir com as leis, você já parou para pensar por que deve investir em acessibilidade? Esta é uma pergunta que responderemos ao longo deste artigo. Veja:

[e-book] Por que investir em acessibilidades? Neste e-book você vai descobrir! | Baixar Grátis | JE Elevadores

Para atrair e conquistar clientes

Quando você tem uma loja ou uma academia que oferece acessibilidade para quem tem mobilidade reduzida, você atrai mais clientes para o seu estabelecimento comercial.

É que as pessoas valorizam cada vez mais as empresas que pensam em todos os consumidores, principalmente naqueles que precisam de um atendimento mais personalizado.

Portanto, além de sua empresa ter uma boa estrutura e sinalização adequadas para quem se move com equipamentos auxiliares como muletas, alerte sobre os desníveis do piso e ajude seus clientes.

Para respeitar todas as pessoas

Promover a acessibilidade em ambientes comerciais também é uma maneira de respeitar todas as pessoas, como os cadeirantes. Você sabia que a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) prevê que o espaço de uma cadeira de rodas é equivalente a um perímetro de 0.80 por 1,20 m? Portanto, a área de circulação para os seus clientes deve respeitar essa medida e prever espaço suficiente para as manobras.

Para ofertar as melhores vagas de estacionamento

Você deve pensar na acessibilidade para ambientes comerciais e ofertar as melhores vagas de estacionamento para os portadores de deficiência. Essas vagas devem estar localizadas em área próxima à entrada do seu estabelecimento, e devem oferecer acesso direto ao local, de forma acessível. Também não se esqueça de sinalizar essas áreas.

Para oferecer uma rota acessível

Também é importante pensar na acessibilidade para oferecer uma rota sinalizada, que conecta os ambientes externos ou internos de espaços e edificações, e que possa ser utilizada de forma autônoma e segura por todas as pessoas, inclusive para você com mobilidade reduzida.

A rota acessível também precisa levar em conta a parte externa. Para isso, instale rampas e possibilite que o cadeirante tenha acesso ao seu ambiente comercial.

Para ter portas de acesso ideais

Todas as portas dos estabelecimentos comerciais devem ter no mínimo 0,80 m de altura e largura mínima de 2,10m. Além disso, as maçanetas devem ser instaladas em altura entre 0,90 m a 1,10 m e devem poder ser operadas em um único movimento, sem exigir muito esforço.

Para contar com sanitários adequados

A acessibilidade em ambientes comerciais também é importante para você portador de necessidade especial contar com sanitários acessíveis.

Eles devem ser instalados junto às rotas acessíveis e integrados às demais instalações sanitárias. Caso estejam isolados, você empresário deverá instalar um botão de emergência para o caso da pessoa cair quando estiver no banheiro.

Para adequar seus estabelecimentos de grande porte

Outra importância da acessibilidade é que ela ajuda adequar os estabelecimentos de grande porte. Para esses, a recomendação é que sejam disponibilizados telefones que recebam e transmitam mensagens (TDD) para comunicação de deficientes auditivos.

Já os equipamentos, como os elevadores de acessibilidade, devem estar indicados conforme o Símbolo Internacional de Acesso (SAI).

Para ter ambientes comerciais adequados para quem tem mobilidade reduzida

Os estabelecimentos comerciais com elevadores de acessibilidade devem instalar nesses equipamentos sistemas de proteção e reabertura de portas, para os casos de obstrução durante o seu fechamento.

O sistema deverá proteger o espaço entre 5 cm e 120 cm, contados a partir do piso do elevador, e conter, no mínimo, 16 feixes de luz interruptores. Os elevadores também devem ter espaço para os cadeirantes manobrarem com suas cadeiras de roda.

Para gerar mídia espontânea da sua empresa

Você sabia que ao investir em acessibilidade você gera mídia espontânea para o seu negócio? A imprensa gosta de empreendimentos inovadores. Talvez a sua empresa possa ser até manchete de um grande jornal. Já imaginou que bom seria para o seu negócio?

Viu como que investir em acessibilidade em ambientes comerciais é importante? Agora que você já sabe, que tal adquirir equipamentos para sua academia ou casa de shows para poder diversificar o seu público? Pense nisso e ofereça um bom espaço para quem tem mobilidade reduzida!

Quer investir em acessibilidade para eventos? Baixe o nosso e-book sobre o assunto e fique bem informado!

Acessibilidade: dicas para estruturar um programa de inclusão sustentável

Acessibilidade: dicas para estruturar um programa de inclusão sustentável

A acessibilidade é um tema que vem sendo debatido por muitas empresas. A inclusão de pessoas com deficiência, além da obrigatoriedade legal, passou a fazer parte da rotina das organizações que cumprem com o seu papel social.

Atualmente, espera-se que as empresas busquem maneiras de se envolver com a sociedade e por meio de ações responsáveis, melhorem a qualidade de vida das pessoas e promovam a inclusão sustentável.

O direito a acessibilidade também passou a ser uma exigência dos consumidores. Hoje, as pessoas vêem com outros olhos a empresa que cumpre a Lei de Cotas, implantada em 1991 e respaldada pela Lei Brasileira de Inclusão, que propõe a inclusão sustentável, ou seja, que não contratam apenas por causa da lei e sim, entendam que todas as pessoas são capazes de agregar valor a uma organização. A acessibilidade, portanto, ajuda no posicionamento da sua marca no mercado.

Só para ter uma ideia, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o censo de 2010 registrou que 24% da população brasileira tem alguma deficiência. Isso equivale a mais de 45 milhões de pessoas. De acordo com a RAIS 2016, aproximadamente 430 mil pessoas tinham emprego formal, o que corresponde a menos de 1% dos vínculos empregatícios.

No entanto, a questão é que muitas vezes essa baixa participação não é devido ao desinteresse dos profissionais com deficiência de ingressarem no mercado de trabalho, mas pela ausência de uma política de inclusão sustentável nas empresas.

[e-book] Por que investir em acessibilidade para eventos? | Baixar grátis | JE Elevadores

Mas como promover a acessibilidade das pessoas com deficiência e estruturar um programa de inclusão sustentável? Isso é o que você vai saber a partir de agora com as nossas dicas. Confira!

1. Conscientize as pessoas sobre a acessibilidade

Alguns rótulos e paradigmas geram muito preconceito. E isso acontece por falta de informação. Então, é preciso que você conscientize os seus colaboradores sobre a importância da acessibilidade das pessoas com mobilidade reduzida. Promova palestras, faça panfletos sobre o assunto. Divulgue a importância da acessibilidade.

2. Promova a inclusão sustentável

Para promover a inclusão sustentável é necessário ter em sua empresa um ambiente onde todos possam compartilhar as suas experiências. Pessoas com ou sem deficiência devem transitar neste espaço e desenvolver o trabalho com total autonomia.

Isso é, portanto, fundamental para inclusão. No entanto, para que tudo isso aconteça é necessário garantir a acessibilidade arquitetônica e tecnológica na sua empresa.

3. Invista na acessibilidade

Muitos empresários pensam que é caro promover a acessibilidade. Isso é um erro. Como também é errado imaginar que um ambiente acessível elevará os custos da sua organização e só atingirá as pessoas com deficiência. Quer um exemplo de que isso não é verdade?

As rampas facilitam a circulação da pessoa com deficiência de locomoção, certo? Mas também são ideais para as mulheres que usam salto.

As rampas servem para você, que precisa usar uma mala com rodinhas e passar pelos corredores ou andares da sua empresa. Além disso, quem utiliza equipamentos de limpeza e carrinhos de mercadorias também agradecem  por essa forma de acessibilidade.

4. Compre equipamentos que promovam a inclusão

Quando falamos de acessibilidade tecnológica logo pensamos nos computadores. Grande parte deles já possuem a acessibilidade com ampliação de textos, softwares de voz para deficientes visuais e tradutores de Libras (Língua Brasileira de Sinais) para seu site. Ao adotar uma linguagem simples, você facilita o entendimento das pessoas com deficiência.

Outro equipamento que facilita a inclusão é o elevador de acessibilidade da JE Elevadores. Ele garante que a pessoa com mobilidade reduzida e tenha acesso aos departamentos da sua empresa e também faz com que os seus próprios clientes com essa mesma mobilidade consigam ter acesso aos serviços que você oferece.

Além disso, os elevadores de acessibilidade oferecem total segurança para quem precisa utilizá-los.

5. Promova ações de retenção

Algumas ações de retenção são necessárias para entender como está a qualidade da empregabilidade da pessoa com deficiência na empresa. Um bom e simples exemplo é o acompanhamento formal dos contratados.

Esta ação deve ser iniciada desde o primeiro mês da contratação profissional. Também é necessário você saber o que os funcionários pensam e como avaliam a empresa. Só assim você conseguirá melhorar o nível de inclusão sustentável.

Agora você já sabe como promover a acessibilidade na sua organização, não é verdade? Coloque as nossas dicas em prática e elabore seu programa de inclusão sustentável!

Você quer ler mais sobre acessibilidade? Acesse o nosso próximo post e entenda a importância dos desenhos universais!

Saiba tudo sobre a feira Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade

Saiba tudo sobre a feira Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade

A acessibilidade garante toda e qualquer pessoa com mobilidade reduzida transitar por espaços públicos e ou privados, sem que sejam encontradas barreiras que impossibilitem o convívio ou o trânsito social em áreas de acesso, circulação ou permanência.

Por ser algo tão importante, muitas pessoas investem em negócios, como a venda de elevadores de acessibilidade ou procuram por equipamentos que lhes dão qualidade de vida.

Por isso, participar de feiras como a Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade é tão importante. No evento, você confere as novidades que existem no mercado e as atividades sociais e culturais voltadas à reabilitação e acessibilidade.

Mas o que realmente é esta feira? Neste post, vamos falar um pouco sobre o assunto. Por aqui, você vai saber tudo sobre o evento. Ficou interessado? Então, acompanhe!

[ Infográfico ] Quer saber mais sobre os modelos de elevadores de acessibilidade? Então baixe nosso material gratuitamente | JE Elevadores

O que é a Reatech?

A Reatech é a Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade. Ela é organizada e promovida pela Cipa Fiera Milano.

O evento é considerado o principal do setor na América Latina e reúne cerca de 300 expositores dos segmentos de agências de emprego voltadas para pessoas com necessidades especiais e mobilidade reduzida.

Também participam da feira instituições financeiras, fabricantes de cadeiras de rodas e de elevadores de acessibilidade, e departamentos de recursos humanos.

Pela feira, você encontra estandes de indústrias farmacêuticas e dos segmentos de animais treinados, veículos adaptados para portadores de necessidades especiais, fabricantes de aparelhos auditivos, equipamentos especiais, materiais hospitalares, higiene pessoal , próteses e órteses, terapias alternativas, turismo e lazer.

Quando e onde o evento vai acontecer?

Este ano acontece a 16ª edição da Reatech. A feira será realizada entre os dias 13 e 16 de junho (13 e 14, das 13h às 20h, e 15 e 16, das 10h às 19h) em um dos novos pavilhões do São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, em São Paulo, para atender as necessidades de seus expositores e visitantes.

Serão quatro dias de evento repletos de atividades sociais como: equoterapia, teste drive de carros adaptados, quadras poliesportivas, seminários, workshops e oficinas com profissionais renomados.

Qual é a importância da feira internacional de acessibilidade?

Além de você que é investidor conhecer as novidades do mercado, a feira possibilita a troca de experiências. A Reatech 2019 também é a oportunidade que você tem de incrementar a sua participação com oportunidades de merchandising, que aumentarão a sua visibilidade na feira e farão com que sua empresa tenha se destaque dos concorrentes.

Quais as oportunidades que o evento traz?

A feira ajuda a posicionar a marca e/ou produto do expositor, pois quem visita o evento é um público qualificado e interessado na realização de negócios e parcerias no setor de reabilitação, inclusão e acessibilidade.

A Reatech também ajuda a fidelizar clientes e a fazer frente aos principais players de mercado presentes no maior e mais importante evento da América Latina do segmento.

Com a feira, o expositor tem a chance de mostrar o seu trabalho para os investidores e conhecer novos fornecedores. Além disso, confere as tendências do mercado, os lançamentos e modelos de negócios recentes. Já para quem apenas participa, a Reatech oferece as principais soluções em produtos e tecnologias embasadas em estudos, pesquisas e inovações.

A feira proporciona ao seu público visitante a chance de se atualizar e aprimorar o conhecimento profissional. O evento também pode ser focado nas mais atuais tendências de mercado e essa é a oportunidade para você que é consumidor, conhecer e experimentar os produtos e serviços. A Reatech também ajuda os investidores a fecharem negócios com empresas de vários segmentos.

Quais as expectativas para 2019?

Para este ano, a feira contará com 35 mil metros quadrados de área de exposição. Ao todo, 300 expositores e 53 mil profissionais do setor são esperados pela organização.

Como você pode ver, a Reatech é uma feira internacional de tecnologias em reabilitação, inclusão e acessibilidade que você não pode deixar de conferir. Portanto, participe! Faça a sua inscrição no site do evento!

E você, gosta de promover feiras como a Reatech? Baixe o nosso e-book e veja a importância de investir em acessibilidade para eventos!  

Acessibilidade pode ajudar a melhorar o posicionamento da sua marca

Acessibilidade pode ajudar a melhorar o posicionamento da sua marca

A acessibilidade pavimenta o caminho do futuro. Não dizemos isso à toa e nem porque temos os direitos das pessoas com deficiência sempre como preocupação máxima. Nós dizemos com conhecimento de causa: o mundo vem caminhando em um avanço tecnológico sem par nos últimos anos.

Tecnologia facilita a vida e permite maior inclusão com menos esforço. Essa é a base da acessibilidade, sua fundação, mas o maior motivo que vai levá-la como pauta fundamental para o futuro é outro.

A acessibilidade é rentável. E tudo o que é rentável se torna tendência e logo se consolida como modelo universal da sociedade. É assim que vivemos, e enquanto o mundo vibrar nessa frequência, é assim que vamos viver.

E os sinais já estão aí. Investimentos em infraestrutura se tornando cada vez mais comuns, leis sendo cada vez mais reforçadas e fiscalizadas e marcas apostando alto na acessibilidade como ferramenta publicitária.

Neste artigo, vamos explorar essa última parte: como a acessibilidade na publicidade ajuda a melhorar o posicionamento da sua marca. Vamos saber mais?

[infográfico] Modelos e aplicações da plataforma e elevador de acessibilidade | Baixe gratuitamente | JE Elevadores

Investimento em acessibilidade na publicidade só cresce

O investimento em acessibilidade na publicidade cresce a cada momento que passa. São pessoas com deficiência em comerciais, empresas especializadas em soluções de mobilidade fazendo suas campanhas de marketing digital, grandes eventos que vão se tornando acessíveis, etc.

Talvez a maior prova de que a acessibilidade na publicidade vive uma era de ouro é justamente o fato de que conseguimos notar isso.

Nossos leitores que cresceram nos anos 80 podem confirmar: quantos comerciais estrelaram pessoas com deficiência nessa época? Em quantas novelas elas eram retratadas de uma maneira que não fosse exagerada, caricata ou até ofensiva?

A Avon vem saindo na frente em recursos simples, mas efetivos: a inclusão de audiodescrição e libras em seus comerciais já é uma realidade para os seus canais digitais, como o Youtube, Instagram e Facebook. A hashtag #PraCegoVer, inclusive, já é usada no Facebook há alguns anos por outras grandes marcas.

Mas os esforços não param só no lado do consumo. Um comercial que apresenta acessibilidade na publicidade é claramente lucrativo por abraçar um público de 45 milhões de brasileiros imediatamente.

A questão é a inclusão: quando grandes marcas usam modelos, atores e atrizes com deficiência, o esforço de vendas também produz um resultado diferente, a representatividade.

Deixando dinheiro na mesa: a acessibilidade na publicidade precisa de atenção

Ainda levando pelo lado comercial; que é a língua que mais faz sentido para grandes empresários e que – lamentavelmente – ainda fala mais alto do que a representatividade por dever de cidadania; não investir em acessibilidade na publicidade é deixar dinheiro na mesa.

Sem eufemismos, é deixar de ganhar dinheiro.

O e-commerce é o segmento que mais cresce no varejo brasileiro, e é também o mais confortável para pessoas com deficiência comprarem. Há a possibilidade de comprar sem sair de casa, o que reduz esforço e aumenta a autonomia.

Mas quantos sites estão adaptados? Se você procurar em e-commerces pequenos agora mesmo e até em alguns grandes, vai constatar que infelizmente não são muitos, e isso é péssimo.

Esse é outro caso de deixar a acessibilidade na publicidade de lado – e consequentemente o dinheiro também. Quem faz o layout de um site aplicando conceitos de experiência do usuário é uma agência de publicidade.

Hoje, se não ficar explícito que você precisa de recursos de acessibilidade, poucas irão te oferecer o serviço.

Tudo isso faz com que empresas percam dinheiro todo o dia. Os 45 milhões de pessoas com deficiência que sempre falamos aqui no blog citando o IBGE representam quase um quarto da nossa população.

É muita gente sem conseguir entender comerciais e até como comprar em lojas. E nesse caso, nem adianta falar de representação: ainda estamos longe de chegar a esse nível, com raras exceções.

Como melhorar o posicionamento da sua marca com a acessibilidade na publicidade

A acessibilidade na publicidade toma inúmeras formas e se apresenta de acordo com o seu segmento, como você se comunica e como você vende. O posicionamento em si é o termo dado para o quanto uma marca é associada a algo na mente dos clientes.

Elaboramos o artigo inteiro para chegar nessa conclusão: você pode – e deve – se posicionar como uma marca preocupada com a sua responsabilidade social.

Os clientes vão reconhecer esse “marketing do bem” e associar sua empresa como uma desejável e próxima da população.

Se você tem uma loja física, por exemplo, e investe principalmente em panfletos, não há como adaptar essa mídia. É necessário pensar em outras para atingir mais público, como comerciais de TV com presença de intérpretes de Libras, spots de rádio, etc.

O espaço físico também está relacionado com a acessibilidade na publicidade. É um “braço” do marketing, chamado de merchandising, que cuida dessa área. Para saber mais sobre como adaptar seu espaço físico, dê uma olhada no nosso artigo sobre o tema.

Para finalizar nossa conversa com chave de ouro, veja algumas últimas recomendações gerais sobre como trabalhar bem a publicidade acessível:

  • Se você tem um site ou blog, procure uma ferramenta de áudio marketing, como o Vooozer;

  • Comerciais adaptados realmente não saem caros. Invista!

  • Adote uma política geral de acessibilidade que vai desde o layout até o atendimento.

Quer saber mais sobre o assunto? Vamos começar com o básico. Sua loja é adaptada? Saiba mais sobre o que a NBR 9050 exige no próximo artigo!