Vantagens do elevador residencial

Vantagens do elevador residencial

O elevador residencial possui várias vantagens no seu uso, indo desde maior conforto e comodidade para pessoas com mobilidade reduzida, até a possibilidade de vencer desníveis que, sem ele, seriam intransponíveis.

Os esforços para tornar o elevador residencial mais confiável e seguro fizeram dessa tecnologia mais eficiente e segura, e hoje, com os modelos oferecidos pela JE Elevadores, a limitação de mobilidade dentro de casa já é coisa do passado.

Quer conhecer um pouco mais sobre o elevador residencial? Entender suas principais vantagens? Separamos 5 vantagens principais neste artigo. Continue lendo para conhecê-las!

1 – Conforto em casa

O elevador residencial traz uma grande vantagem com o conforto das pessoas com mobilidade reduzida em casa.

Muitas vezes tido como algo secundário, o conforto diz respeito à qualidade de vida das pessoas. Você pode ter algum tipo de limitação de mobilidade e ainda assim ser plenamente capaz de subir escadas, mas a tarefa pode ser difícil e desconfortável, principalmente para idosos.

Com o elevador residencial, o que era para ser difícil se torna simples e corriqueiro, e a qualidade de vida dá um salto com o conforto que ele oferece.

2 – Segurança para os moradores

Ainda falando sobre as escadas, a pessoa com mobilidade reduzida pode até subi-las sem muito esforço e sem um desconforto muito grande, mas é difícil garantir sua segurança em caso de quedas.

Para resolver essa situação, o elevador residencial possui guardas na lateral interna, e pode ser parado a qualquer momento da sua trajetória caso o passageiro sinta-se inseguro com o seu funcionamento.

A maior questão da segurança é a nossa incapacidade de prever acidentes, o que no caso da pessoa com mobilidade reduzida, torna-se ainda mais potencializado. Assim, o bom mesmo é seguir a velha máxima: é melhor prevenir do que remediar.

Do lado externo, possui uma chave geral, na qual bloqueia o equipamento e mantém as portas fechadas. Ela serve para travar a máquina para que outras pessoas não tenham acesso, como exemplo, crianças.

3 – Liberdade para ir onde quiser

Para muitas pessoas que não possuem o elevador residencial instalado, as mais simples tarefas podem ser bem complicadas. Até mesmo sair de casa ou visitar a cozinha pode ser difícil, caso a casa possua muitas escadas.

Com o elevador residencial, você tem a sua liberdade garantida, podendo ir para onde você quiser, na hora que você quiser, com sua segurança e conforto garantidos.

4 – Custos reduzidos e manutenção garantida

Muita gente nem mesmo cogita a instalação de um elevador residencial em casa pensando nos custos, que cogitam ser altos demais para o orçamento da família.

Isso também é verdade em condomínios, que muitas vezes preferem deixar pra lá as possibilidades para a acessibilidade –  que são, na verdade, obrigatórias – por conta do preço.

Porém, os custos de instalação de um elevador residencial não são nem de longe tão altos assim. Muita gente acha que por ser um elevador a instalação vai chegar às dezenas de milhares, e a manutenção será altíssima. Essa forma de pensar é pouco prática.

O elevador residencial tem seus custos, mas seu preço é justo, e de forma alguma alto demais. Além disso, muitas empresas oferecem pacotes de instalação com manutenção já incluída, que deve ser feita periodicamente. Assim, você só gasta uma vez, e já desfruta das vantagens do elevador residencial imediatamente após a sua realização.

5 – O elevador residencial pode ser instalado em qualquer lugar

Um dos melhores pontos do elevador residencial é a sua praticidade de instalação e suas dimensões compactas, que cabem em qualquer lugar e ainda oferecem o tamanho exato para proporcionar uma viagem tranquila e confortável ao passageiro.

O elevador residencial pode ser encaixado em lugares onde não há movimento intenso de pessoas na casa, para garantir a segurança de todos e a comodidade. Isso é muito aproveitado em lojas, que por se utilizarem muitas vezes de estruturas alugadas, não puderam elaborar o projeto de acessibilidade no momento da obra.

Ele também pode ser instalado em qualquer local que precise de uma conexão para as pessoas com mobilidade reduzida na casa, ligando quartos à cozinhas, banheiros, salas de televisão e onde mais for necessário.

Você não precisa de um espaço muito grande para a instalação, sendo que as dimensões de 1,50m por 1,50m já são suficientes para uma experiência adequada. Com isso, o elevador residencial se mostra uma ferramenta não só em prol da acessibilidade, mas acessível ele próprio.

Viu só as vantagens que um elevador residencial pode te oferecer na sua casa? Para mais informações sobre sua instalação e cuidados, além de dúvidas quanto a possibilidade de montá-lo na sua casa, entre em contato com a JE Elevadores!

E se você quiser saber mais sobre a acessibilidade no Brasil, não deixe de seguir o nosso blog, ok?

Até a próxima!

Projeto de acessibilidade na arquitetura

Projeto de acessibilidade na arquitetura

Entender o projeto de acessibilidade na arquitetura requer um pensamento mais amplo, diferente do que é feito em grande parte das adaptações para pessoas com mobilidade reduzida em estruturas como prédios públicos, áreas residenciais e estabelecimentos comerciais.

Isso se torna evidente inclusive durante esse próprio parágrafo: note que usamos a palavra “adaptação”, que na realidade das pessoas com mobilidade reduzida se traduz em tornar um ambiente muitas vezes intransponível para elas em um com as mínimas condições de locomoção. Esse não deveria ser o objetivo do projeto de acessibilidade na arquitetura.

Pode parecer que estamos falando contra a causa do projeto de acessibilidade, mas na verdade é o contrário. Quer saber mais sobre esse debate? Então continue a leitura!

O projeto de acessibilidade na arquitetura foca na mobilidade

O que muitos profissionais de arquitetura e da engenharia falham em perceber é que não devem haver adaptações para atender as condições mínimas de locomoção das pessoas com mobilidade reduzida: na verdade, todo o design da estrutura deve ser pensada de forma a propiciar essas condições.

Uma andorinha só não faz verão, assim como uma única rampa de acesso não é o suficiente para que o projeto de acessibilidade seja satisfatório. E o espaço dos corredores? E o tipo de piso utilizado? Será que ele é propício para o trânsito com bengalas, muletas ou cadeiras de roda?

O projeto de acessibilidade, quando bem pensado, procura resolver todas as dificuldades das pessoas que podem vir a frequentar aquela localidade, mas não de forma pontual: é necessário ter uma grande abrangência para garantir não apenas condiçõe básicas, mas o conforto de todas as pessoas, com mobilidade reduzida ou não.

E é aí que entra um conceito interessante, que procura ir além da concepção do projeto de acessibilidade: o desenho universal. Continue lendo para descobrir o que ele é!

O que é o Desenho Universal?

Ao final da segunda guerra mundial, a população americana que apresentava mobilidade reduzida cresceu consideravelmente, principalmente devido aos ferimentos de guerra. Quando esses veteranos voltaram para casa, descobriram que grande parte das estruturas não contemplava o uso de muletas, bengalas ou cadeiras de rodas, e não havia nenhum tipo de auxílio de locomoção para pessoas cegas pela rua.

Assim, nessa época foi criado o Desenho Livre de Barreiras, que mais tarde passou a se chamar o Desenho Universal. O Brasil abraçou essa iniciativa com o seu boom de crescimento urbano nos anos sessenta, e hoje em dia o Desenho Universal é o principal norteador do projeto de acessibilidade na arquitetura.

A própria ABNT se baseou nos seus preceitos para a elaboração da NBR 9050, que regula o projeto de acessibilidade na engenharia. Porém, mesmo com os esforços feitos, as recomendações do Desenho Universal não são todas seguidas à risca.

uso equitativo, flexibilidade no uso, uso simples e intuitivo, informação perceptível, tolerância ao erro, baixo esforço físico e tamanho e espaço para aproximação e uso.

O projeto de acessibilidade que se pauta inteiramente no desenho universal apresenta sete guias principais. São elas:

  • Uso Equitativo: o entendimento que todos devem ser capazes de se movimentar sem barreiras;

  • Flexibilidade no uso: a criação de várias opções para as mais variadas limitações;

  • Uso simples e intuitivo: é a facilidade de usar as soluções do projeto de acessibilidade de forma intuitiva, sem precisar de instruções para entender como a estrutura funciona;

  • Informação perceptível: é a sinalização adequada das opções de mobilidade dentro do projeto de acessibilidade;

  • Tolerância ao erro: a possibilidade de errar sem ter riscos à integridade física do usuário;

  • Baixo esforço físico: é a opção de não ter que realizar muito esforço para utilizar um item do projeto de acessibilidade;

  • Espaço para aproximação e uso: diz respeito ao espaço suficiente para se locomover e utilizar as soluções de acessibilidade;

 

A tecnologia no projeto de acessibilidade

Hoje em dia, já fizemos muitos avanços no campo tecnológico capazes de oferecer grandes vantagens ao projeto de acessibilidade. Uma delas é o elevador de acessibilidade.

Podendo ser inserido em qualquer estrutura e em espaços reduzidos, o elevador de acessibilidade é capaz de vencer desníveis com facilidade e, principalmente, sem muitos gastos para o proprietário.

Incluir o elevador no seu projeto de acessibilidade, na época em que vivemos, não é apenas uma questão de querer inserir a pessoa com mobilidade reduzida: é um esforço cidadania e respeito, principalmente pelas facilidades que ele traz sem custos ou manutenção elevada.

Se quiser saber mais a respeito dessas soluções para o seu projeto de acessibilidade, não deixe de conhecer a JE Elevadores. Somos especialistas no assunto e trabalhamos todos os dias para oferecer o melhor para o seu projeto de acessibilidade.

E para mais conteúdo relevante como esse, não deixe de seguir o nosso blog, ok? Até a próxima!

Elevador para cadeirante nas empresas

Elevador para cadeirante nas empresas

Elevador para cadeirante é um dos grandes diferenciais que a sua empresa pode oferecer para os seus clientes com mobilidade reduzida, e isso traz impactos diretos na sua lucratividade e na eficiência dos seus negócios.

Ter um elevador para deficiente físico hoje em dia já está se tornando padrão, principalmente pelos proprietários estarem atingindo o entendimento de que eles são necessários e trazem ganhos reais para a empresa. Além disso, eles são exigidos por lei, e a fiscalização anda se tornando cada vez mais presente.

Quer saber quais são as vantagens de possuir um elevador para cadeirante no seu estabelecimento? Como esse elevador para cadeirante e outras pessoas com mobilidade reduzida agrega valor ao seu negócio? Então continue a leitura para saber mais!

Elevador para cadeirante atrai mais clientes

Pense por um momento em uma situação hipotética: um mundo onde a maioria dos estabelecimentos fosse completamente inacessível para grande parte das pessoas pelo mundo.

Agora imagine que uma loja resolveu instalar um meio de acesso fácil e seguro nas suas dependências: o que você acha que aconteceria?

Aconteceria exatamente o que acontece no caso do elevador para deficiente físico: uma melhora nos negócios devida ao aumento na procura das pessoas com mobilidade reduzida.

Isso é o que aponta uma pesquisa recente do Data Senado, que perguntou para pessoas com mobilidade reduzida o que é mais atrativo para elas em ambientes de lazer no dia a dia ou nos finais de semana. A maioria, cerca de 45%, respondeu que ambientes adaptados, com elevador para cadeirante, rampas, etc., são mais atraentes, sendo que a minoria, 22%, pensa fundamentalmente no preço.

Isso torna claro que as pessoas com mobilidade reduzida estão procurando principalmente as condições de se aproveitarem de um ambiente como todo mundo, e que o preço é um fator importante, mas o que decide mesmo com quem elas vão fechar o negócio é a adaptabilidade.

Pessoas com deficiência querem a mesma experiência

Ainda nessa mesma pesquisa, uma ótima pergunta foi posta às pessoas com mobilidade reduzida: você prefere realizar atividades específicas para pessoas com deficiência nos momentos de lazer ou quer ter a oportunidade de poder aproveitar do mundo como todos?

A resposta não é de surpreender: cerca de 70% das pessoas disseram que preferem a integração total, a possibilidade de poder fazer o que todos fazem, algo que, inclusive, é assegurado na Declaração Universal dos Direitos Humanos e reforçado por lei.

A solução é clara: com o elevador para cadeirante, um gesto simples, essas pessoas passam a ter a possibilidade de usufruir da cidade com mais tranquilidade e aproveitamento.

Esse número, traduzido para a linguagem dos negócios, é um grande indicador da necessidade de inserir o elevador para deficiente físico no seu estabelecimento. Com essa simples mudança, você insere o cadeirante na vida cotidiana e aumenta seu fluxo de clientes e sua lucratividade.

Elevador para cadeirante em todos os estabelecimentos ainda não é uma realidade

Corroborando com essas informações sobre elevador para cadeirante, a mesma pesquisa perguntou também como está a situação da acessibilidade, levando em conta rampas para acesso, elevador para cadeirante, etc., e os resultados também não surpreendem: a grande maioria dos entrevistados, 67%, diz que apenas uma minoria dos estabelecimentos comerciais estão adaptados

Além desses 67%, cerca de 19% afirmam que absolutamente nenhum prédio comercial pelos quais eles já passaram possuía alguma forma de auxílio à mobilidade, como é o caso do elevador para deficiente físico.

Isso mostra que o cenário é alarmante: o elevador para cadeirante é simplesmente não existente na vida de quase 20% da população com mobilidade reduzida. Pensando nisso, é fácil entender o grande apelo comercial do elevador para deficiente físico, não é?

Investir em um elevador para cadeirante é muito mais do que um dever de cidadania, como você pode ver: é um ótimo negócio, que tem o potencial para trazer muitos clientes para o seu estabelecimento.

Mas se você quer o elevador para cadeirante no seu negócio, é fundamental que você contrate a melhor empresa para realizar o serviço. Nisso, a JE Elevadores se sobressai.

Entre em contato com a gente e visite nosso site para conhecer nossa linha exclusiva de elevador para cadeirante e pessoas com mobilidade reduzida! E para mais informações como essas, não deixe de seguir o nosso blog, ok?

Até a próxima!

Elevadores residenciais: tire todas as suas dúvidas!

Elevadores residenciais: tire todas as suas dúvidas!

Os elevadores residenciais hoje em dia fazem a vida das pessoas ficarem muito melhor em suas casas. Eles proporcionam facilidade de deslocamento e acessibilidade onde mais importa: no lar.

Mas a decisão de se optar por elevadores residenciais deve ser feita com cuidado, e não deve haver dúvidas sobre o seu funcionamento.

Pensando nisso, neste artigo vamos esclarecer as principais questões sobre os elevadores residenciais. Continue a leitura para ter todas as suas perguntas respondidas!

1 – Qualquer casa pode ter elevadores residenciais?

Com o advento de novas tecnologias, os elevadores residenciais hoje em dia são muito mais práticos de montar e instalar, pois dispensam o fosso e a caixa de máquinas.

Dessa forma, tudo o que você precisa é de um espaço reduzido, com cerca de um metro e meio, e pronto! Você já pode instalar um dos modelos mais populares de elevadores residenciais, que comporta até três pessoas ou um cadeirante com um acompanhante.

O mais interessante dos elevadores residenciais é que eles não precisam ser instalados enquanto a casa é construída. Por possuírem uma estrutura própria, a instalação é fácil e rápida, e pode ser feita na maioria das casas com alterações mínimas.

2 – Elevadores residenciais são caros?

Para responder essa pergunta, precisamos entender o contexto da instalação do elevador. O valor pode assustar inicialmente, mas a abordagem mais recomendada para avaliar os preços dos elevadores residenciais deve levar em consideração o custo benefício.

Se alguém na sua casa precisa do auxílio de elevadores residenciais para se locomover com conforto e segurança, então a instalação de elevadores residenciais é absolutamente necessária.

Portanto, o preço se justifica pela sua utilidade. A pergunta a se fazer não é sobre o quanto você irá gastar com elevadores residenciais, mas sim o quanto você precisa deles para melhorar a vida de quem você ama. Quanto mais ele for usado, melhor será o custo benefício.

3 – Elevadores residenciais consomem muita energia?

Os elevadores residenciais podem ser ligados na sua rede padrão de 230V que funcionarão sem problemas, e não gastam tanta energia quanto pode parecer quando estão em funcionamento.

E o melhor de tudo é que na sua função stand-by, os elevadores residenciais gastam ainda menos energia, chegando a níveis mínimos de consumo, quase imperceptíveis. Ou seja, você praticamente só gasta uma quantidade considerável de energia quando os elevadores residenciais estão funcionando.

Pode ficar tranquilo: o impacto que os elevadores residenciais tem na sua conta de luz é bem menor do que a maioria das pessoas assume que vai ser.

4 – Os elevadores residenciais são seguros?

A segurança deve ser a sua preocupação principal ao instalar elevadores residenciais, já que quem irá se utilizar deles é a sua família e entes queridos.

Mas não precisa se preocupar: os elevadores residenciais são muito seguros, desde que você escolha o fornecedor certo. Existem padrões nacionais que regulam a segurança do elevador, e ele é considerado há anos o meio de transporte mais seguro do mundo.

Os elevadores residenciais de fornecedores idôneos possuem enclausuramento total para evitar quedas, sistemas de freios de emergência e sistemas de válvula de recuo para que ninguém fique preso caso a energia acabe.

Portanto, desde que o seu fornecedor seja confiável, não há com o que se preocupar! Também fique de olho nas peças utilizadas, se são todas novas e certificadas pela fabricante, e não deixe de perguntar para o montador em casos de dúvidas na instalação e no uso dos elevadores residenciais.

5 – Quando devem ser feitas as manutenções?

Para que a segurança dos elevadores residenciais seja preservada, é importante que as manutenções sejam feitas periodicamente, dentro do período estabelecido pelo fabricante.

As manutenções dos elevadores residenciais devem ser feitas no mínimo de 2 em 2 meses, para que nenhum problema possa surgir com o desgaste natural do equipamento.

Também é muito importante que somente uma equipe autorizada trabalhe nessas manutenções, de preferência a recomendada pelo fabricante ou pela distribuidora. Terceiros podem interferir nos mecanismos intrincados de segurança dos elevadores residenciais e torná-los inseguros.

Viu só? Os elevadores residenciais são mais fáceis de lidar do que a maioria das pessoas imagina, e trazem muito mais qualidade de vida para os nossos familiares que precisam de uma ajuda a mais para se locomover pela casa.

Esperamos que você tenha conseguido tirar suas maiores dúvidas sobre os elevadores residenciais. Quer saber mais sobre acessibilidade e soluções para melhorar a locomoção em casa e no seu negócio? Venha conhecer nosso blog!

Acessibilidade: 5 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida

Acessibilidade: 5 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida

Calçadas sem rampas, escadas, acesso ao transporte coletivo são alguns dos desafios enfrentados diariamente por quem tem mobilidade reduzida. Atividades das mais simples podem se tornar um sacrifício, principalmente no Brasil, onde as leis de acessibilidade são recentes e ainda pouco adotadas em espaços públicos.

Contudo, existem algumas alternativas que podem tornar a vida de idosos e portadores de deficiência física melhor. No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais obstáculos enfrentados e o que vêm sendo feito para que eles sejam superados! Acompanhe conosco:

1. Acesso ao transporte público

O direito de ir e vir é garantido a todos na Constituição. Contudo, quando pensamos em portadores de deficiência física e pessoas com dificuldade de locomoção não é bem isso que vemos.

O transporte público é um dos principais desafios enfrentados. Mesmo em cidades onde parte da frota já possui veículos adaptados para receber pessoas em cadeiras de rodas, o sistema ainda apresenta diversos outros problemas.

Além de muitas vezes ter que esperar mais de uma hora pelo ônibus adaptado, os portadores de deficiência ainda precisam lidar com motoristas mal treinados e passageiros impacientes em ter que esperar a subida do cadeirante.

Apesar da acessibilidade já ser lei, ainda é preciso investir em políticas públicas que melhorem o sistema de transporte coletivo. Veículos com piso mais baixo, por exemplo, que dispensem o uso dos elevadores e utilizem rampas de acesso poderiam tornar a vida do motorista e do cadeirante muito mais simples.

2. Movimentação na cidade

Além da dificuldade de ir e vir até os lugares, ainda há os problemas de acesso dos locais em si. Restaurantes e espaços públicos nem sempre são adaptados para receber pessoas com dificuldade de locomoção. Além da falta de rampas, como esses locais querem construir banheiros pequenos para aproveitar melhor o espaço com mesas e cadeiras, é raro encontrar cabines adaptadas para pessoas em cadeiras de rodas.

Alguns aplicativos já existem para que os locais públicos sejam classificados de acordo com sua acessibilidade, facilitando a vida do deficiente, como o O Wheel Map. O app mostra em um mapa todos os estabelecimentos da cidade, classificando-os entre verde (perfeitamente acessível para deficientes), amarelo (acessível mas ainda com alguns problemas) e vermelho (nada acessível).

O grande problema é que, por se tratar de um app colaborativo, muitos estabelecimentos ainda estão na cor cinza, ou seja, ainda não foram classificados e estão aguardando as notas dos usuários.

3. Locomoção dentro de casa

Quem acha que as dificuldades enfrentadas por quem tem dificuldade de locomoção estão só nos locais públicos está bem enganado. Se locomover dentro de casa também pode ser um desafio, principalmente em construções com escadas.

É preciso adaptar os ambientes para tornar a vida de deficientes mais fácil, aumentando a largura das portas e instalando corrimões nos banheiros. Além disso, as novas tecnologias permitiram que essas pessoas pudessem contar com maiores facilidades, como a instalação de um elevador de acessibilidade dentro de casa.

Existem diversos modelos que permitem a adaptação mesmo em residências já construídas, fornecendo uma ótima alternativa aos deficientes.

4. Acesso a piscinas

Mesmo entrar em piscinas pode ser um grande desafio para quem não tem 100% da mobilidade. Normalmente, o acesso a essas é feito por escadas, o que dificulta muito a vida de deficientes e pessoas com dificuldade de locomoção, principalmente no caso de quem não possui força nos braços.

Além do obstáculo em si, ainda é preciso pensar no quesito segurança, visto que nesses casos uma pessoa com deficiência poderia facilmente se afogar. É por isso que hoje muitos locais com piscinas públicas estão passando a investir em elevadores para piscinas, que além de ajudar o cadeirante a entrar sem problemas, ainda aumenta a segurança do mesmo dentro da água.

5. Preconceito e acessibilidade atitudinal

Por último, ainda há o desafio cultural e social enfrentado por quem tem dificuldade de locomoção. Apesar do aumento no número de pessoas que se declararam deficientes no Censo de 2010 do IBGE, o que pode significar uma aceitação maior da população, eles ainda enfrentam muitos preconceitos diários que agravam ainda mais os demais obstáculos.

Enquanto a acessibilidade dos espaços e construções é lei, a atitudinal, que tem a ver com o comportamento das pessoas sem deficiência, ainda é um grande problema. Carros parados em frente às rampas das calçadas ou em vagas destinadas aos deficientes são só alguns deles. Os passageiros do transporte coletivo sem paciência também, e é preciso não só investir em mais políticas que tornem espaços e ônibus mais acessíveis, mas que torne a cabeça das pessoas mais aberta e empática aos problemas do deficiente físico.

E você, o que acha? Quais obstáculos enfrenta diariamente e qual acha que seria a melhor solução para resolvê-lo? Comente abaixo e compartilhe conosco!