Escolha uma Página
Acessibilidade em condomínios: como tratar essa questão

Acessibilidade em condomínios: como tratar essa questão

Quando falamos em acessibilidade em condomínios, logo nos vem à mente as adaptações feitas para contemplar pessoas cegas e cadeirantes, não é? Mas para realmente entender essa questão, precisamos buscar um questionamento que vai um pouco além disso, e estabelecer o que realmente é a mobilidade reduzida.

A mobilidade reduzida em si é exatamente o que o seu nome implica. Ter uma limitação ao se locomover tanto permanente quanto temporária. Assim, uma pessoa que sofreu um acidente e está de muletas também tem a mobilidade reduzida, assim como os idosos, as gestantes e até mesmo as crianças menores.

A acessibilidade em condomínios abrange todas essas pessoas, não só as que precisam do auxílio de uma cadeira de rodas para se locomover ou que são cegas. Um dos nossos maiores problemas é justamente não perceber essa questão, e postergar as obras por conta da baixa quantidade de cadeirantes no condomínio.

O problema é que um dia alguém irá precisar da acessibilidade em condomínios. Essa é a visão que o síndico deve ter, e pela qual deve pautar os seus esforços na criação de um ambiente seguro para todos.

O que regula a acessibilidade em condomínios?

O maior guia para a acessibilidade em condomínios, com toda a certeza, é a NBR 9050. Essa norma técnica da ABNT garante, em forma de lei, que todos os novos prédios devam ser construídos seguindo os preceitos de acessibilidade. Mas ela ainda vai além: prédios antigos também precisam ser adaptados.

Dessa forma, todo e qualquer local que não acate as diretrizes de acessibilidade em condomínios vai contra uma determinação legal, e está sujeito à sanções. É responsabilidade dos síndicos levar a questão para o proprietário e realizar as alterações necessárias.

Mas precisa ir para assembleia?

Não necessariamente. Embora a obra vá acarretar custos que provavelmente serão inseridos na taxa condominial, não é necessária a sua aprovação em assembleia.

Isso porque a acessibilidade em condomínios é, como dissemos, garantida por lei. Isso faz com que o trâmite para a sua aplicação não se sujeite à aprovação por assembleia de condôminos, algo que facilita bastante a obra e agiliza o seu início.

Mas é interessante levar o assunto para discussão, mesmo que a decisão já esteja tomada. Os condôminos podem não ter o que opinar nessa questão legal, mas ainda assim precisam saber que a obra irá começar. Isso vai garantir ao síndico maior tranquilidade ao executá-la.

Se por acaso alguém for contra a acessibilidade em condomínios, não há o que fazer a não ser registrar em ata a voz dissonante. Assim, o síndico deixa registrado que houve oposição, mas que ele se manteve firme no seu propósito.

O que a acessibilidade em condomínios garante?

São vários os pontos que a NBR 9050 estipula para garantir a acessibilidade em condomínios. Basicamente, o que se propõe é um ambiente livre de obstáculos para qualquer pessoa que possa se prejudicar com eles.

Um dos recursos mais famosos é a rampa de acessibilidade, mas engana-se quem pensa que só os cadeirantes se beneficiam delas. Pessoas que estão no fim da gravidez não podem fazer esforço abdominal, algo que as escadas oferecem como ônus. Outro exemplo? Idosos, que por vários motivos, podem ter problemas nas pernas que os fazem não ter tanta força assim.

A rampa de acessibilidade é o mínimo a ser oferecido. Uma forma de inovar e até de economizar no projeto é substituindo-a por elevadores de acessibilidade, que são mais garantidos, fáceis de instalar e acabam saindo mais baratos.

Algumas das principais estipulações da NBR 9050 são:

  • Rampas de acessibilidade;

  • Corrimãos em qualquer desnível vencido por escadas ou rampas;

  • Piso tátil;

  • Vaga na garagem maior e próxima dos elevadores ou do hall;

  • Portas largas para a passagem de cadeirantes;

  • Banheiros adaptados.

Dentre várias outras.

Condomínios antigos precisam mesmo de obras?

Essa é fácil de responder: sim, estruturas antigas precisam sim se adequar o quanto antes e apresentar recursos de acessibilidade em condomínios.

Muita gente acha que a lei só se aplica para novas construções, e isso se dá em partes por conta da fiscalização, que realmente é muito mais eficaz durante a construção. Na verdade, dependendo do regime de incorporação, o projeto nem mesmo é aprovado se não houver acessibilidade.

Já em estruturas mais antigas, a fiscalização demora mais, o que faz com que proprietários acabem “deixando pra lá” a acessibilidade em condomínios ou evitando obras custosas. Esse é um erro bem triste, mas nem por isso incomum.

Se o seu condomínio não é adaptado, ele precisa ser o quanto antes. A dificuldade muitas vezes se mostra na adequação à estrutura do prédio, que possui restrições fiscais ou simplesmente estruturais, relacionados à viabilidade técnica dos recursos de acessibilidade.

Realizando o estudo de viabilidade técnica

Em muitos casos, pode ser inviável mudar toda a estrutura sem danificar o prédio através dos métodos convencionais de construção. Fazer portas mais largas, por exemplo, em prédios mais antigos pode colocar em risco a integridade de toda a parede, dependendo da sua idade.

É nesse ponto que entra o estudo de viabilidade técnica em conjunto com a acessibilidade em condomínios. Várias empresas – como a JE Elevadores – realizam esse estudo como prioridade, buscando analisar qual é a melhor forma de incluir a acessibilidade naquele condomínio em particular.

A acessibilidade em condomínios valoriza o empreendimento

Uma das maiores vantagens que a acessibilidade em condomínios oferece é a valorização da estrutura como um todo. No mundo em que vivemos, onde os avanços sociais e de minorias são sempre pauta, ter um ambiente acessível conta muitos pontos em valorização.

Isso sem contar com as futuras fiscalizações. Não compensa ter um prédio não acessível, tanto pelos moradores que o empreendimento perde, quanto pelas multas que ele pode sofrer no futuro. Assim, seguindo a lógica do mercado, ele se valoriza com muito mais certeza e todos saem ganhando.

Trabalhar a acessibilidade em condomínios, como você pode ver, não é coisa de outro mundo. Na verdade, é basicamente uma série de preocupações a se tomar que se mostra em uma vida mais simples e segura pra todo mundo.

Agora que nós já falamos sobre os condomínios, que tal continuar a conversa falando sobre hotéis e lugares turísticos? Vamos juntos!

5 motivos para adquirir a plataforma de acessibilidade

5 motivos para adquirir a plataforma de acessibilidade

A plataforma de acessibilidade só tem vantagens. Não há desvantagens em instalar uma em qualquer lugar, sendo que em estabelecimentos comerciais, a única desvantagem seria o preço. Isso cai por terra quando você pensa no aumento de público que você terá, que logo paga o investimento que nem é tão alto.

Hoje em dia, em um mundo onde cada vez mais a cidadania e a inclusão imperam, ter uma plataforma de acessibilidade já está ficando cada vez mais comum. Se adequar-se hoje já é importante, em um futuro próximo será mais ainda.

Os ganhos com a plataforma de acessibilidade são inegáveis, e para provar, elaboramos este artigo. Aqui, trazemos cinco argumentos para te convencer que vale – e muito! – a pena investir em uma plataforma de acessibilidade. Vamos lá?

1 – Aumento do seu público

Hoje em dia, as empresas que não incluem uma plataforma de acessibilidade na entrada e nas dependências do seu estabelecimento perdem clientes para as que já possuem o equipamento.

A lógica é simples: se o seu negócio não é inovador demais, é bem provável que na sua cidade existem vários concorrentes seus. Desses concorrentes, quem não possui a plataforma de acessibilidade está em desvantagem em relação a quem tem.

Simples assim. Para aumentar o seu movimento, instale uma plataforma de acessibilidade e permita que o público portador de mobilidade reduzida aproveite-se do ambiente como todo mundo!

2 – Valorização do imóvel

Instalar uma plataforma de acessibilidade no imóvel instantaneamente aumenta o seu valor de revenda.

Pense por um momento em prédios baixos na sua cidade, de até três andares. A maior parte deles não possui nenhum tipo de apoio para pessoas com mobilidade reduzida, ainda que esteja previsto na NBR 9050 que eles devem ter.

Oferecer um imóvel com plataforma de acessibilidade, então, significa oferecer um imóvel mais atraente para futuros proprietários. A locação pode ser feita por mais pessoas e não há nenhum problema com a lei, o que faz o imóvel se valorizar muito.

3 – Conformidade com a lei

E já que estamos falando da lei, precisamos destacar esse ponto. A plataforma de acessibilidade garante que você não terá multas pela não aplicação da NBR 9050 no seu estabelecimento comercial ou prédio residencial.

Essa não conformidade, no fim, traz multas pesadas para o negócio. Evitá-las é bem simples, e o investimento nas plataformas, que é pequeno, não chega nem perto do valor que você terá que pagar caso seja multado.

4 – Fidelização de clientes

Além de aumentar seu público, você está fidelizando clientes quando decide instalar uma plataforma de acessibilidade no seu negócio. Muito mais do que simplesmente atrair pessoas que nunca mais vão voltar, seus clientes com mobilidade reduzida vão preferir você.

Isso não tem preço. Ter um bom relacionamento com clientes é fundamental para a saúde de qualquer negócio, e pode ter certeza: clientes satisfeitos vão te recomendar para outros!

5 – A plataforma de acessibilidade promove a cidadania

Além de tudo isso que dissemos no artigo, há o motivo mais óbvio: a plataforma de acessibilidade promove a cidadania.

Ao criar um espaço onde todos podem frequentar com facilidade, você está dando um salto em direção ao rumo que o país deve tomar. A inclusão é um esforço necessário, e você passa a ser parte ativa dele somente com uma simples plataforma de acessibilidade.

E se nós dissemos simples, pode ter certeza: para a pessoa com mobilidade reduzida esse passo já facilita e muito sua vida. A falta de estabelecimentos e locais comuns com uma plataforma de acessibilidade é uma realidade preocupante no Brasil. Faça parte da mudança e aja em prol da cidadania!

A plataforma de acessibilidade, como você pode ver, tem muito mais vantagens do que pontos negativos. Na verdade, além do investimento mínimo, fica até difícil em pensar em algo de ruim que elas trazem.

Para que tudo fique ainda melhor, o ideal é trabalhar com uma revendedora que entende do assunto e sabe o que está vendendo. A JE Elevadores é autoridade em plataformas elevadas de acessibilidade, oferecendo qualidade e segurança.

Gostou da plataforma e não sabe como começar? Então entre aqui e coloque as medidas necessárias e peça um orçamento!

Plataforma de acessibilidade: conheça os benefícios de possuir em sua casa

Plataforma de acessibilidade: conheça os benefícios de possuir em sua casa

A plataforma de acessibilidade em casa traz muitos benefícios para as pessoas com a mobilidade reduzida. Na verdade, é seguro dizer que são só benefícios, sem pontos negativos, já que esse elevador é fundamental para garantir a mobilidade total em casa.

Por si só, esse já é o maior dos atrativos. Ter a liberdade de locomoção que uma plataforma de acessibilidade em casa pode trazer a motivação da maioria das pessoas que adquirem uma.

Mas dúvidas são comuns, e precisam ser respondidas. Faz muito barulho? Será que é segura? E o impacto no projeto? Neste artigo vamos responder todas elas e mostrar os benefícios de ter uma plataforma de acessibilidade em casa. Vamos juntos?

Faz barulho?

Essa preocupação é bem comum, especialmente em casas familiares. Muitas vezes as pessoas que as utilizam podem ter hábitos erráticos, gostar de acordar de madrugada para um lanche ou, simplesmente passar um tempo maior na sala nos finais de semana. Será que a plataforma de acessibilidade em casa vai acordar todo mundo?

Se essa é a sua preocupação, pode ficar tranquilo. A plataforma de acessibilidade em casa é absolutamente silenciosa, se instalada em local apropriado, não vai atrapalhar o sono de ninguém quando for ativada, mesmo de madrugada.

Assim, a liberdade de movimentos está garantida tanto pelo equipamento, quanto pela sua discrição.

Precisa mexer muito no projeto?

Quando o assunto é elevador, muita gente imagina que as alterações no projeto arquitetônico para acomodá-los é bem grande, e, elas não estão erradas. Elevadores comuns necessitam de poço e casa de máquinas, e isso acaba saindo caro na hora de construir.

Porém, a plataforma de acessibilidade não apresenta esses problemas. Podendo ser instalada em espaços livres de no máximo 2 metros quadrados e não necessitando de poço ou casa de máquinas, o impacto no projeto é mínimo.

E se eu quiser instalar do lado de fora?

A plataforma de acessibilidade em casa não precisa estar necessariamente instalada dentro da casa. É possível instalar plataformas panorâmicas para o passageiro apreciar a vista enquanto sobe ou desce tranquilamente.

Tudo isso porque a plataforma de acessibilidade, opera de forma independente da estrutura da casa, valendo-se da sua própria para operar de forma otimizada e segura.

E falando em segurança…

A plataforma de acessibilidade em casa é segura?

É garantido: ter uma plataforma de acessibilidade em casa não apresenta riscos para os passageiros nem para as outras pessoas em casa.

Toda a estrutura é extremamente sólida, podendo ser mantida na casa por anos e anos sem nenhum problema com o nível ou, com as fundações. E para viajar na plataforma de acessibilidade em casa a segurança é ainda melhor.

Com sistema de parada de pânico, acionamento pelo exterior em caso de parada inesperada, sistema para impedir a parada em casos de queda de energia, freios de emergência e, guarda completamente isolada, a segurança do passageiro vem em primeiro lugar. Por isso, não há o que dizer: a plataforma de acessibilidade em casa é muito segura.

É fácil de operar?

Essa pergunta também é completamente natural. Garantir a facilidade na operação da plataforma de acessibilidade em casa, é garantir que todos possam viajar normalmente, independente das suas limitações.

Com um sistema simples de acionamento por botões e, a possibilidade de operar o equipamento pelo lado de fora, caso seja necessário, a dificuldade não é um problema que a plataforma de acessibilidade vai apresentar.

Na verdade, seu trabalho é deixar tudo muito mais fácil para a pessoa com mobilidade reduzida. Essa é a sua missão, e através da engenharia bem pensada, a operação é absolutamente simples.

Ter uma plataforma de acessibilidade em casa é fundamental para residências com pessoas com mobilidade reduzida por qualquer motivo. Instalá-la, significa melhorar a qualidade de vida dessas pessoas, e fazer com que elas possuam muito mais independência no seu dia a dia.

Essa é, no fim das contas, a missão da acessibilidade, não é?

A JE Elevadores oferece a plataforma de acessibilidade em casa que você está procurando. Dê uma olhada nesse link e confira o que nós temos para te oferecer. Caso se interesse, não deixe de entrar em contato conosco!

Ah, e para mais informações como essas sobre plataformas, elevadores e acessibilidade em geral, não deixe de consultar o nosso blog, ok? Até a próxima!

Rampa de acessibilidade: necessidade em estabelecimentos comerciais

Rampa de acessibilidade: necessidade em estabelecimentos comerciais

A vida de pessoas com mobilidade reduzida muitas vezes se torna mais difícil do que ela deveria ser pela resistência de outras pessoas em cumprir com regulamentações básicas de mobilidade nos seus estabelecimentos.

Uma dessas regulamentações é a rampa de acessibilidade, que permite o acesso de pessoas com necessidades especiais de mobilidade em estabelecimentos comerciais e locais de uso comum na cidade.

Pensando nisso, neste artigo iremos tratar da necessidade de se instalar uma rampa de acessibilidade e falar um pouco sobre a importância dessa estrutura no dia a dia da pessoa com mobilidade reduzida. Vamos lá?

Por que instalar uma rampa de acessibilidade?

Primeiramente, o esforço para se instalar uma rampa de acessibilidade diz respeito à necessidade de se reforçar valores de direitos humanos. Todos somos livres e iguais perante à nossa constituição, e devemos usufruir do nosso direito de visitar qualquer espaço utilizado por outras pessoas.

Precisando de uma Rampa de acessibilidade? Solicite-nos um orçamento!

A pessoa com mobilidade reduzida precisa ser levada em consideração na concepção de um projeto, pois só assim tem sua igualdade garantida perante a sociedade.

Para além da preocupação dos direitos humanos que parte de nós mesmos, a lei brasileira estabelece esses mesmos parâmetros. De acordo com o Decreto 5.296, que regulamenta a Lei 10.048 (8 de novembro de 2000), a acessibilidade em estabelecimentos comerciais através de rampas de acesso, elevadores e outras soluções é obrigatória.

Portanto, instalar uma rampa de acessibilidade no seu estabelecimento é uma questão de conscientização, um esforço empático para com as pessoas com mobilidade reduzida e um requerimento legal. Instalá-la é uma ação necessária para você e para toda a sociedade.

Melhores práticas para a acessibilidade

Ao instalar uma rampa de acessibilidade, você precisa, antes de tudo, conhecer suas necessidades e os obstáculos que as pessoas com mobilidade reduzida poderão enfrentar ao entrar no seu estabelecimento. Dessa forma, você consegue vencer os desníveis de forma prática e otimizada para a realidade dessas pessoas.

Confira nos próximos tópicos alguns comentários sobre a viabilidade da rampa de acessibilidade, os cuidados que você deve tomar e as melhores alternativas para o seu estabelecimento.

Conhecer os tipos de rampa de acessibilidade

É importante que você saiba qual é o tipo ideal de rampa de acessibilidade para o seu estabelecimento, para que você consiga suprir todas as necessidades de locomoção da melhor maneira.

Uma rampa de acessibilidade fixa, daquelas construídas com concreto e tijolos, tem várias limitações, sendo que as vezes é completamente inviável instalá-las: seja por questões de custo ou simplesmente por ser impossível encaixá-la no local de forma que ela, quando pronta, seja segura para que um cadeirante transite por sua superfície.

Nesses casos, o melhor a se fazer é optar por um elevador hidráulico ou eletromecânico. Veja o porquê:

Rampa de acessibilidade ou elevador – Qual é melhor?

Em alguns casos, como os que citamos acima, é impraticável a instalação de uma rampa de acessibilidade. Nessas condições, o melhor a se fazer é optar por um elevador ou plataforma hidráulica/eletromecânica.

Para um desnível muito alto, um elevador sendo operado por alguém de confiança acaba com os seus problemas com facilidade e segurança. Através de um sistema hidráulico ou eletromecânico, o usuário vence o desnível sem precisar fazer qualquer esforço.

Para o caso de escadas no interior de estabelecimentos onde o espaço é reduzido, também é possível instalar uma pequena plataforma de elevação ou até mesmo embutir o elevador na escada, através de um sistema que iça o usuário na própria estrutura.

Para tirar todas as suas dúvidas, compare bem: conheça os modelos e peça opiniões ao seu arquiteto ou responsável pelo projeto do seu estabelecimento. Assim, você opta pela rampa de acessibilidade ou pelo elevador com consciência e procurando sempre garantir a mobilidade para todos.

Especificações técnicas

As plataformas de acessibilidade possuem alguns requerimentos técnicos de instalação segundo as normas de cada estado, que por sua vez são reguladas pela ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. São elas:

Elevadores públicos devem possuir dimensões mínimas de 0,90m, X 1,40m, enquanto as privadas, que só içam um usuário por vez, 0,80m X 1,25m.

  • Os elevadores devem possuir projeção do seu percurso sinalizada no piso, e não podem obstruir escadas.

  • As portas não poderão ser abertas se o desnível entre a plataforma e o piso forem superiores a 7,5cm.

  • Só pode ser usado para vencer desníveis de 2,00m em ambientes coletivos e 4,0m em ambientes particulares, sendo que pode vencer até 9,0m se possuir caixa enclausurada.

  • Podem vencer desníveis verticais ou inclinados.

Está com dúvidas sobre a rampa de acessibilidade ou elevadores? Venha nos consultar!

Não deixe também de conhecer o nosso blog. Trazemos as maiores novidades sobre a acessibilidade aplicada a estabelecimentos e residências.

Acessibilidade na construção civil: importância dos projetos e a responsabilidade