Acessibilidade arquitetônica: qual a relação com o elevador de acessibilidade?

Acessibilidade arquitetônica: qual a relação com o elevador de acessibilidade?

Entender o que é acessibilidade arquitetônica é um grande passo para a compreensão da acessibilidade em si. O intuito desse conceito é garantir a facilidade, simplicidade e igualdade de acesso a diferentes espaços, sejam eles urbanos ou não, internos e externos, públicos ou privados. 

Deseja conhecer mais sobre o assunto? Então, continue a leitura para conhecer as principais informações quanto a esse tipo de arquitetura e o papel do elevador de acessibilidade nesse contexto.

Boa leitura!

O que é acessibilidade arquitetônica?

A acessibilidade arquitetônica é o conceito que visa assegurar a independência e o direito de ir e vir às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida

Portanto, seja no espaço público ou privado, a ideia aborda a necessidade de atender às condições arquitetônicas mínimas capazes de promover autonomia e segurança a essa parcela da população.

Segundo um artigo, acessibilidade é o mesmo que a “possibilidade e a condição de alcance para a utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida”, conforme a Lei 10.098 e pelo Decreto 5.296.

Nesse sentido, visando contribuir com a prática, a Norma Técnica de Acessibilidade a Edificações, Mobiliário, Espaços e Equipamentos Urbanos (NBR 9050, 2015) foi criada. 

Ela visa estabelecer critérios e parâmetros para garantir a acessibilidade em projetos, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliários, espaços e equipamentos urbanos. 

Logo, a acessibilidade arquitetônica nada mais é do que, de fato, a garantia da liberdade de circulação e de locomoção das pessoas. A arquitetura precisa garantir o conforto e a segurança em instalações de uso público, privado e/ou uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural.

Importante ressaltar que, segundo o Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência, uma pessoa com mobilidade reduzida é “aquela que tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentação, permanente ou temporária, gerando redução efetiva da mobilidade, da flexibilidade, da coordenação motora ou da percepção, incluindo idoso, gestante, lactante, pessoa com criança de colo e obeso”.

E no Brasil, os idosos são mais de 10% do total de habitantes, representando 22,2 milhões. Além disso, o país conta com mais de 18 milhões de pessoas com deficiência. 

Leia também: 3 principais pilares sobre a norma de acessibilidade

Qual a relação do Design Universal com a acessibilidade arquitetônica?

Design universal

Uma das maneiras de garantir a acessibilidade arquitetônica é através do Design Universal. Com ele, é possível desenvolver projetos arquitetônicos, urbanos e de produtos mais igualitários.

O conceito surgiu no contexto histórico do Estados Unidos em que, entre as décadas de 70 a 90, aconteceu um aumento na população de idosos e pessoas com deficiência. 

Nesse período, as legislações foram alteradas para eliminar a discriminação e assegurar os direitos básicos a essa parcela da população, segundo um estudo

Sendo assim, o Desenho (ou Design) Universal é responsável pela criação de ambientes e produtos com o intuito de serem usados pelo maior número de pessoas possível

Ele conta com 7 princípios que são usados como referência para todos os projetos arquitetônicos. São eles, de acordo com o mesmo estudo:

  • Equiparação nas possibilidades de uso: atende a todos os grupos. Ou seja, os objetos, produtos e espaços podem ser utilizados, igualitariamente, por pessoas com diferentes capacidades;
  • Flexibilidade do uso: atende pessoas com diferentes habilidades, diversas preferências e adaptáveis a qualquer uso;
  • Uso simples e intuitivo: fácil de entender, independente da experiência, conhecimento, habilidades de linguagem ou capacidade de concentração do usuário;
  • Informação perceptível: comunica, de maneira eficaz, ao usuário as informações necessárias, independentemente das condições ambientais ou da capacidade sensoriais;
  • Tolerância ao erro: torna mínimo os riscos e as implicações adversas de ações involuntárias ou acidentais;
  • Mínimo de esforço físico: estabelece a utilização de forma confortável e eficiente, com o mínimo ou baixo esforço físico e de fadiga;
  • Dimensionamento de espaços para acesso e uso de todos os usuários: tamanho e espaço apropriado para a aproximação, alcance, manipulação e uso, independentemente do tamanho do corpo do usuário, postura ou mobilidade.

Dessa maneira, os projetos arquitetônicos que seguem esses princípios, garantem a acessibilidade, segurança e qualidade de vida de todos os cidadãos.

Como o elevador de acessibilidade colabora com essa prática?

Outra maneira de praticar a acessibilidade arquitetônica é através dos elevadores de acessibilidade. Eles são instrumentos essenciais para a garantia da autonomia de locomoção em andares mais altos. 

Eles promovem conforto durante o transporte de pessoas na vertical. Os elevadores permitem fácil acesso à andares superiores, garagem, quintal, ou outras áreas. 

Eles atendem as normas de acessibilidade e segurança, como a NBR 9050, 2015. Ou seja, contam com portas largas, botões de controle em diferentes alturas e a correta sinalização visual e sonora.

Dessa forma, esses elevadores tendem a ser instalados em espaços em que há obstáculos arquitetônicos. Como, por exemplo, em locais com escadas e desníveis capazes de impedir o acesso ou a circulação das pessoas. 

Em resumo, o mesmo poderá ser colocado em ambientes, sejam eles externos ou internos:

  • Comerciais;
  • Residenciais, desde o condomínio até o próprio imóvel;
  • Industriais;
  • Escolares;
  • Hospitalares, e outros.

Sendo assim, esse instrumento é responsável por integrar, socialmente, as pessoas

Afinal, uma pessoa com mobilidade condicionada ou com deficiência será capaz de aproveitar, com autonomia, o conforto de condomínios e clubes, por exemplo. Poderá, também, acessar hóteis e aproveitar suas férias e períodos de descanso. 

Seja qual for o lugar ou o objetivo, o elevador de acessibilidade garante qualidade de vida e a igualdade de experiências.

Para conhecer mais desse elemento, baixe agora o nosso guia completo sobre os elevadores de acessibilidade. 

Guia do elevador de acessibilidade residencial: clique e acesse o e-book!

Mobilidade reduzida: 6 desafios de acessibilidade

Mobilidade reduzida: 6 desafios de acessibilidade

Embora a acessibilidade seja garantida por lei no Brasil, as pessoas com mobilidade reduzida (deficiência locomotiva, gestantes, idosos, obesos) enfrentam diversos desafios.

Problemas com o transporte público, em casa e dificuldade na hora de conseguir um emprego são alguns exemplos de obstáculos.

Portanto, a acessibilidade no Brasil é algo que precisa ser discutido. Assim, essas melhorias podem contribuir para tornar o dia a dia do público mais seguro e confortável. 

Além disso, é uma maneira para proporcionar mais autonomia, bem-estar, qualidade de vida e liberdade para todos.

Para entender mais sobre a acessibilidade, vamos conhecer quais são os principais desafios de pessoas com mobilidade reduzida e discutir algumas melhorias.

Continue conosco e boa leitura!

 

Entenda o que é mobilidade reduzida

Mobilidade reduzida se refere a uma condição em que uma pessoa tem limitações em se movimentar ou se locomover com facilidade e autonomia. 

Assim, essas limitações podem ser causadas por diversos fatores, como doenças, deficiências físicas, lesões, envelhecimento ou outras condições de saúde.

Indivíduos com mobilidade reduzida podem enfrentar desafios para:

  • Caminhar;
  • Subir escadas;
  • Entrar ou sair de veículos;
  • Utilizar transporte público;
  • Acessar edifícios;
  • Participar plenamente de atividades cotidianas. 

Essas limitações têm um impacto significativo na qualidade de vida da pessoa, afetando sua independência, interações sociais e oportunidades de trabalho ou lazer.

 

Conheça 6 desafios de acessibilidade

Conheça os desafios de acessibilidade associados a mobilidade reduzida

Agora que você aprendeu o que é mobilidade reduzida, continue conosco e conheça alguns dos principais desafios de acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida.

 

1. Falta de acessibilidade no transporte público

De acordo com a Constituição Brasileira, todas as pessoas têm direito de ir e vir. Porém, infelizmente, muitas vezes isso acontece apenas na teoria.

Isso porque o transporte público é um grande exemplo da falta de acessibilidade nas cidades. 

Veja quais são os principais problemas enfrentados:

  • Poucos ônibus e veículos adaptados para receber esse público;
  • Muito tempo de espera para conseguir pegar um desses ônibus;
  • Falta de treinamento de motoristas e cobradores, que tornam a entrada e a saída do cadeirante realmente frustrante;
  • Passageiros impacientes e mal-educados que querem apressar a entrada do cadeirante.

Portanto, o transporte público ainda precisa de melhorias para conseguir atender bem as pessoas com mobilidade reduzida e criar um ambiente acolhedor e seguro.

 

2. Dificuldade de locomoção em casa

Além da dificuldade da vida social, pessoas com mobilidade reduzida também enfrentam problemas dentro dos seus lares.

Portanto, é fundamental adaptar o ambiente para tornar a vida dessas pessoas mais independente e segura.

Veja alguns exemplos:

  • Instalar corrimãos nos banheiros;
  • Aumentar a largura das portas;
  • Reformar o piso, para que ele se torne regular em toda a casa;
  • Arrumar os móveis para proporcionar liberdade de movimentos;
  • Instalar fitas antiderrapantes para evitar escorregões nas rampas e desníveis;
  • Remover os tapetes da casa (ou fixá-los bem no piso);
  • Instalar elevadores residenciais.

A questão dos elevadores residenciais é bem importante. Afinal, a maioria das pessoas ainda pensa que a tecnologia é exclusiva para empresas ou ambientes maiores — como shoppings, escolas, universidades, entre outros.

Porém, atualmente, é possível instalar um elevador em qualquer residência (tanto em fase de construção quanto nas casas já construídas). 

Para isso, basta investir em uma empresa especializada no assunto, como a JE Elevadores.

Assim, fica mais fácil entender as necessidades e criar um projeto único e personalizado para o lar.

> Você também pode gostar de ler: Elevadores residenciais: tire todas as suas dúvidas!

 

3. Preconceito e desrespeito da população: um dos maiores problemas de acessibilidade

O preconceito é um dos piores obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida. 

Por exemplo, estacionar o carro em uma vaga para deficiente e/ou em frente às rampas de acesso são atitudes que desrespeitam as pessoas com mobilidade reduzida.

Por isso, é importante conscientizar a população sobre a importância do respeito e da empatia com todos — não somente no trânsito, mas em todos os ambientes.

 

4. Mercado de trabalho e a falta de adaptação para pessoas com mobilidade reduzida

Para contratar pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida, é preciso adaptar a infraestrutura.

Afinal, não basta apenas divulgar a vaga e querer mostrar que a empresa trabalha com responsabilidade social para melhorar o posicionamento da marca.

É preciso adaptar a estrutura para que o novo colaborador possa desenvolver o seu potencial de forma tranquila, segura e independente.

É preciso contar com um espaço adequado e ferramentas adaptadas para poder executar o trabalho.

Além disso, é essencial investir em treinamentos para que todos os colaboradores saibam a importância de promover a inclusão social e evitar o capacitismo.

 

5. Dificuldade com a movimentação e acesso

Outro desafio enfrentado pelas pessoas com mobilidade reduzida, com relação às saídas de casa, são as ruas.

Ruas com desníveis, buracos e sem rampas de acesso tornam a experiência de uma pessoa com mobilidade reduzida extremamente desconfortável.

Além disso, é muito comum ver lojas, restaurantes, parques, cinemas (e diversos outros estabelecimentos) sem adaptação na infraestrutura.

Portas pequenas, banheiros sem corrimões e ambientes apertados são alguns exemplos que tornam a experiência do público frustrada.

Por isso, se você tem uma loja, com alguns ajustes você conseguirá atender muito bem esse público. 

Dessa forma, é uma maneira para promover mais empatia, solidariedade e respeito.

 

6. Transporte individual

A mobilidade reduzida pode representar uma série de desafios para pessoas que dependem do transporte individual.

Isso acontece principalmente em áreas onde o transporte público não é suficientemente acessível ou adequado às necessidades específicas.

Além disso, algumas pessoas com mobilidade reduzida podem preferir ou precisar do uso de transporte individual por questões de comodidade, privacidade ou disponibilidade.

Veja algumas dificuldades enfrentadas por pessoas com mobilidade reduzida no transporte individual!

 

Acesso a veículos adaptados

Muitas pessoas dependem de veículos especialmente adaptados para acomodar cadeiras de rodas, scooters ou outros dispositivos de assistência à mobilidade. 

No entanto, esses veículos são menos comuns e, muitas vezes, mais caros, o que pode dificultar o acesso a eles.

 

Dificuldade em entrar e sair do veículo

Pessoas com mobilidade reduzida podem enfrentar desafios significativos ao entrar e sair de veículos.

Isso acontece principalmente se não houver adaptações ou dispositivos de auxílio disponíveis, como rampas, elevadores ou transferidores.

 

Restrições de espaço

Muitos veículos particulares não oferecem espaço suficiente para acomodar adequadamente cadeiras de rodas ou dispositivos de mobilidade. 

Isso pode limitar a capacidade de viajar com independência e conforto.

 

Custo do transporte adaptado

O custo de adaptação de um veículo, ou aquisição de um veículo adaptado, pode ser alto. Então, isso se torna uma barreira financeira para algumas pessoas com mobilidade reduzida.

Você gostou de conferir os 6 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida? Se sim, que tal continuar aprendendo um pouco mais sobre como contribuir para ter mais mobilidade em casa? Então, leia também: Onde instalar a plataforma residencial para facilitar a mobilidade em casa? 

Como escolher um elevador de acessibilidade residencial?

Como escolher um elevador de acessibilidade residencial?

O elevador de acessibilidade residencial é uma solução prática e eficiente para pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência física. Afinal, ele permite que elas possam desfrutar da independência e conforto em sua própria casa.

Assim, esse tipo de elevador proporciona maior segurança e autonomia para pessoas com dificuldades de locomoção, elimina a necessidade de escadas e reduz os riscos de acidentes.

Além disso, o elevador valoriza o imóvel e pode ser instalado em diversos tipos de residências. Então, se você está pensando em adquirir, continue lendo para conhecer mais sobre seus benefícios e funcionalidades. Vamos lá?

 

Por que investir em um elevador de acessibilidade residencial?

Por que investir em um elevador de acessibilidade residencial?

O elevador de acessibilidade residencial é uma solução ideal para quem busca mais conforto, segurança e independência em sua própria casa. 

Afinal, ele oferece diversas vantagens, tanto para pessoas com mobilidade reduzida quanto para familiares e cuidadores. Conheça os principais benefícios:

 

Acessibilidade

O principal benefício é proporcionar acesso fácil e seguro aos diferentes andares da casa, sem depender de escadas ou rampas. 

Com isso, pessoas com dificuldades de locomoção podem desfrutar da casa inteira e se movimentar livremente entre os cômodos.

 

Segurança

Outra grande vantagem do elevador de acessibilidade é a segurança que ele oferece. 

Esse tipo de elevador é projetado para atender às normas de acessibilidade, com recursos como: portas automáticas, travas, alarmes sonoros e botões de emergência. 

Além disso, é feito de materiais resistentes e duráveis, que garantem a proteção dos usuários.

 

Conforto

O elevador de acessibilidade residencial proporciona um ambiente mais confortável e agradável para as pessoas que o utilizam. 

Dessa forma, as pessoas podem se deslocar entre os diferentes andares da casa sem a necessidade de escadas, o que pode ser especialmente importante para aquelas com dificuldades de locomoção.

 

Valorização do imóvel

Um elevador de acessibilidade pode valorizar o imóvel, já que ele aumenta o potencial de uso da casa e torna o ambiente mais acessível e seguro. 

Isso é especialmente importante para pessoas que pretendem vender ou alugar o imóvel no futuro, já que pode ser um diferencial importante.

 

Facilidade de instalação

A instalação é relativamente simples e rápida, especialmente se comparada à construção de rampas ou elevadores convencionais. 

Além disso, o elevador de acessibilidade pode ser personalizado conforme as necessidades e preferências do usuário, tornando-o ainda mais prático e conveniente.

 

Como escolher um elevador residencial?

Como escolher um elevador residencial?

Escolher um elevador residencial pode parecer uma tarefa desafiadora, mas com algumas dicas simples é possível encontrar a opção mais adequada para as suas necessidades. Confira!

 

Analise o espaço disponível

O primeiro passo é avaliar o espaço disponível na casa para a instalação do elevador. 

É importante considerar não apenas o espaço necessário para o elevador em si, mas, também, para a construção da casa de máquinas e a abertura das portas. 

Então, certifique-se de que o espaço disponível é suficiente para a instalação do elevador.

>> Você também pode gostar de ler: Onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

 

Avalie a segurança do elevador de acessibilidade

A segurança é um fator fundamental na escolha do elevador residencial. Então, tenha certeza que o elevador atende às normas de segurança, com recursos como travas de segurança, botões de emergência e alarmes sonoros. 

Além disso, verifique se o elevador é feito de materiais resistentes e duráveis, que garantem a segurança dos usuários.

 

Confira o design

O design do elevador também pode ser um fator importante na escolha do equipamento. 

Existem diversas opções de acabamento, como aço inoxidável, vidro e ACM, que podem ser escolhidas conforme as preferências do usuário. 

É possível, também, personalizar o elevador com cores, iluminação e outros recursos que tornem o ambiente mais agradável.

 

Avalie o custo-benefício

Por fim, é importante considerar o custo-benefício do elevador residencial. Avalie não apenas o valor do equipamento em si, mas, também, os custos de instalação, manutenção e operação. 

Assim, verifique se o investimento no elevador é viável e se os benefícios oferecidos compensam os custos envolvidos.

 

Compre os melhores elevadores de acessibilidade residencial na JE Elevadores

Compre os melhores elevadores de acessibilidade residencial na JE Elevadores

A JE Elevadores oferece os melhores elevadores de acessibilidade residenciais do mercado, com tecnologia avançada, segurança e conforto para os usuários. 

Nossos elevadores são projetados para atender às necessidades específicas de cada cliente, garantindo acessibilidade e mobilidade com praticidade e elegância. 

Não perca mais tempo e confira nossas opções de elevadores de acessibilidade residencial agora mesmo!

Elevador de acessibilidade ou plataforma de acessibilidade: saiba qual a melhor opção para a sua necessidade

Elevador de acessibilidade ou plataforma de acessibilidade: saiba qual a melhor opção para a sua necessidade

Será que o mais recomendado é a instalação de um elevador de acessibilidade ou uma plataforma? Você sabe qual é o melhor para a sua casa ou empresa

Vejamos: a acessibilidade é um tema cada vez mais relevante na sociedade. Afinal, garantir a locomoção de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida é fundamental para promover a inclusão e a igualdade de oportunidades. 

Nesse contexto, a escolha do equipamento de transporte adequado é essencial para permitir o acesso a diferentes níveis de um edifício ou espaço público. 

Neste conteúdo, abordaremos as diferenças entre o elevador e a plataforma de acessibilidade, apresentando as características de cada opção para que você possa escolher a melhor alternativa conforme as suas necessidades.

Vamos lá? Boa leitura!

 

O que é um elevador de acessibilidade?

O que é um elevador de acessibilidade?

Um elevador de acessibilidade é um equipamento de transporte vertical. Assim, ele é projetado para permitir que pessoas com mobilidade reduzida (como cadeirantes, idosos ou com deficiência) possam se deslocar entre diferentes níveis de um edifício ou espaço público. 

Geralmente, esses elevadores são instalados em áreas onde há obstáculos arquitetônicos, como escadas ou desníveis, que impedem o acesso ou a circulação dessas pessoas. 

Portanto, eles são projetados para atender às normas de acessibilidade e segurança, com recursos como portas largas, botões de controle em diferentes alturas e sinalização visual e sonora. 

Além disso, os elevadores de acessibilidade podem ser instalados tanto em ambientes internos quanto externos e estão disponíveis em diferentes modelos, tamanhos e capacidades para atender a diversas necessidades e condições de instalação.

 

O que é uma plataforma de acessibilidade?

Uma plataforma de acessibilidade, conhecida como plataforma elevatória, é um equipamento de elevação vertical. Assim, é projetada para permitir que pessoas com mobilidade reduzida possam se deslocar entre diferentes níveis de um edifício ou espaço público. 

Então, ela é uma solução para a acessibilidade de pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida que não possuem condições de usar escadas, rampas ou elevadores convencionais. 

Da mesma maneira, as plataformas de acessibilidade são geralmente instaladas em áreas externas ou internas onde há obstáculos arquitetônicos, tais como desníveis ou escadas.

Uma das grandes vantagens da plataforma é que ela é uma alternativa para facilitar o deslocamento entre dois níveis distintos. Porém, a altura máxima de deslocamento é de até 7 metros. Além disso, ocupa menos espaço do que um elevador de acessibilidade tradicional. 

A JE possui opções em fuso e hidráulicas, com estruturas em aço carbono, aço galvanizado e aço inox. Assim como modelos de revestimento em ACM vidro, alumínio e chapa de aço. 

Confira agora quais são as características técnicas das plataformas de acessibilidade da JE Elevadores. 

  • Capacidade de carga: 250 kg;
  • Sistema de tração: hidráulico ou rosca sem fim (fuso);
  • Alimentação: monofásica ou trifásica;
  • Controle de baixa tensão: Comando interno e externo 12 volts;
  • Velocidade de elevação por rosca sem fim (fuso): 6m/min;
  • Percurso máximo: rosca sem fim 3,5 m de elevação e hidráulico 7 m de elevação;
  • Velocidade de elevação por unidade hidráulica: 5m/min;
  • Sistema de emergência: válvula recuo para ser utilizado em casos de queda de energia (apenas elevadores hidráulicos) e sistema de freio antiqueda.

 

Qual é a diferença entre o elevador e a plataforma de acessibilidade?

Qual é a diferença entre o elevador e a plataforma de acessibilidade?

A principal diferença entre o elevador e a plataforma de acessibilidade está na sua finalidade. 

O elevador de acessibilidade é projetado para transportar pessoas e cargas entre diferentes níveis, principalmente utilizados em edifícios comerciais, residenciais, industriais, escolares e hospitalares. 

Já a plataforma de acessibilidade é projetada para permitir que pessoas com mobilidade reduzida possam se deslocar entre diferentes níveis de um edifício ou espaço público.

Então, o elevador é adequado para ambientes com alturas maiores e para o transporte de cargas e pessoas simultaneamente. 

E, a plataforma de acessibilidade, é mais adequada para espaços com desníveis menores e onde não é necessário transportar cargas.

 

Elevador ou plataforma de acessibilidade é na JE Elevadores

A JE Elevadores oferece soluções de mobilidade vertical, com opções de elevadores e plataformas de acessibilidade. 

Ambos são projetados para atender às normas de acessibilidade e segurança e a escolha dependerá das necessidades específicas de cada cliente. 

Além disso, oferecemos consultoria especializada para auxiliar na escolha do equipamento adequado.

Você gostou de aprender mais sobre os elevadores de acessibilidade e as plataformas?

Então, aproveite e entre em contato com a nossa equipe para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto agora mesmo!

[Catálogo] Elevadores de acessibilidade JE, segurança e inclusão no seu projeto!

Acessibilidade: adaptação em hotéis e lugares turísticos

Acessibilidade: adaptação em hotéis e lugares turísticos

Por lei, pessoas com mobilidade reduzida (ou que possuem algum tipo de deficiência) devem ter o direito à acessibilidade garantido. 

Entretanto, infelizmente, ainda faltam investimentos em hotéis e locais turísticos, assim como políticas públicas e adaptações que possam atender bem esse público.

Por isso, vamos aprender mais sobre a acessibilidade e adaptação em hotéis e lugares turísticos? Continue conosco!

 

Por que é importante promover a acessibilidade em hotéis e ambientes turísticos?

Primeiramente, porque é uma forma de cumprir a legislação. Afinal, todas as pessoas portadoras de deficiência devem ter a possibilidade de acessar qualquer ambiente que desejam.

Portanto, implementar boas estratégias para promover a acessibilidade em hotéis e ambientes turísticos é essencial para propagar o bem-comum. 

Isso porque, a acessibilidade garante a inclusão das pessoas na sociedade. Então, ao investir nela, você oferece autonomia e mobilidade para todos.

Além disso, é uma forma para destacar o seu empreendimento, mostrando que ele tem responsabilidade social e, também, preocupa-se em promover um ambiente agradável para todas as pessoas.

 

Conheça alguns lugares turísticos que possuem acessibilidade

Que tal conferir alguns exemplos para se inspirar?

Venha conosco e conheça alguns estados brasileiros que possuem lugares turísticos que são exemplos de acessibilidade. Vamos lá?

 

Rio de Janeiro 

Desde as Olimpíadas de 2016, o projeto de acessibilidade carioca incluiu 4 mil metros quadrados de calçadas acessíveis. Além disso, são mais de 5 mil metros quadrados de pavimento em concreto nos acessos aos pontos turísticos — como o Pão de Açúcar, a Praça XV, o Corcovado, entre outros. 

 

São Paulo

Em São Paulo, o destaque vai para a Biblioteca Mário de Andrade, que possui intérpretes de Libras. Além disso, também há um acervo em braile e áudio. Sem contar que o Teatro Municipal oferece materiais táteis e olfativos sobre a história do teatro, além de acesso para cadeirantes.

 

Santa Catarina

A Ilha da Magia tem um transporte público que garante a acessibilidade na capital de Santa Catarina. Muitos coletivos têm cadeiras especiais, botões de parada com alcance fácil e corredores largos. 

Os ônibus também contam com elevadores de acessibilidade para facilitar o transporte de quem utiliza cadeira de rodas, andadores ou muletas. 

Nas famosas praias da cidade, há diversos locais adaptados para deficientes. Além disso, possui travessias, passarelas e banheiros de fácil acesso para esse público. Há, ainda, cadeiras para banho e supervisão de guarda-vidas. 

Outro detalhe que merece destaque em SC é a rede hoteleira. Afinal, ela oferece estruturas adaptadas para deficientes, com quartos e banheiros apropriados. Também há elevadores e rampas que dão acesso aos hotéis e às principais entradas. 

> Você também pode gostar de ler: Cidades com maior acessibilidade no Brasil.

 

4 dicas para implementar a acessibilidade em hotéis e locais turísticos

Se você tem um empreendimento na rede hoteleira e quer algumas dicas para promover mais acessibilidade, continue conosco!

 

1. Atenda à legislação

Como você sabe, a acessibilidade é garantida por lei. Então, é essencial conhecer as principais normas e legislações do setor para estar sempre em conformidade com os órgãos vigentes.

Por exemplo, conforme a NBR 9050, os hotéis devem reservar, pelo menos, 2% dos quartos para pessoas com mobilidade reduzida. Sem contar que esses dormitórios devem ter banheiros com barras de sustentação, piso tátil, sanitários adaptados e uma cama baixa. 

Porém, não é só isso. Confira aqui as principais leis de acessibilidade no Brasil e fique por dentro do assunto.

 

2. Instale elevadores de acesso

Convenhamos: atualmente, ninguém mais deseja ficar refém de rampas de concreto, não é verdade? Afinal, essas rampas são caras e demoram semanas (ou até meses) para ficarem prontas. 

Por isso, os elevadores de acessibilidade são uma ótima ideia para o seu empreendimento. Isso porque, eles são instalados em menos tempo e atendem muito bem os portadores de necessidades especiais ou mobilidade reduzida. 

Além disso, é uma forma de modernizar o ambiente, visto que eles possuem um design muito elegante. Então, além de promover a acessibilidade para os turistas, o seu empreendimento é bem-visto por todos.

> Você também pode gostar de ler: Elevadores de acessibilidade: conheça suas vantagens.

 

3. Melhore a acessibilidade e a infraestrutura de todo o ambiente

Organizar a infraestrutura e treinar os seus colaboradores para receber bem todos os clientes é sempre uma ideia interessante. 

Por isso, confira algumas dicas para implementar:

  • altere o layout dos ambientes, garantindo o espaço ideal para as pessoas que precisam utilizar cadeira de rodas e andadores;
  • garanta uma boa sinalização em braile;
  • invista em um piso tátil para o empreendimento;
  • instale avisos sonoros nos principais locais de acesso;
  • treine a sua equipe para compreender e se comunicar pela linguagem de sinais.

 

4. Ofereça um ambiente confortável

Investir em acessibilidade é adaptar os espaços para oferecer conforto aos hóspedes e turistas. Dessa forma, quando uma pessoa procura por um hotel ou quer visitar os pontos mais atrativos da cidade, certamente terá preferência pelos locais seguros. 

Portanto, encontre boas alternativas para oferecer a esse público uma ótima experiência. Assim, eles se sentem seguros e felizes, além disso, ajudam a indicar o estabelecimento aos seus amigos e familiares — que também poderão se tornar clientes.

Você gostou de aprender mais sobre a acessibilidade em hotéis e lugares turísticos? 

Se sim, aproveite e complemente o seu estudo no assunto conferindo também: Como escolher empresas fabricantes de elevadores de acessibilidade de qualidade? Boa leitura!

Acessibilidade na empresa: Plataforma elevatória para cadeirantes

Acessibilidade na empresa: Plataforma elevatória para cadeirantes

A plataforma elevatória para cadeirantes pode se tornar um grande diferencial para o seu negócio. Afinal, ela traz diversos benefícios e impactos positivos para a estrutura organizacional.

Além disso, ter uma plataforma é algo que se tornou uma necessidade para quem deseja respeitar a Lei nº 10.098 — também conhecida como lei de acessibilidade.

Agora vamos aprender mais sobre a importância da acessibilidade nas empresas e como a plataforma elevatória para cadeirantes pode ajudar. Continue conosco!

 

Por que investir em uma plataforma elevatória para cadeirante?

Em primeiro lugar, você deve investir para promover a inclusão das Pessoas com Deficiência (PCDs). 

Para você ter uma ideia, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem 45,6 milhões de pessoas deficientes ou com mobilidade reduzida. Assim, isso representa quase 25% da população.

Portanto, são muitas pessoas, não é mesmo?

Por isso, as empresas precisam se preocupar em implementar ações que possam atender bem esse público.

Veja outros motivos importantes que mostram que você deve investir em uma plataforma elevatória para cadeirantes e promover a acessibilidade na empresa:

  • promover o direito de ir e vir para todas as pessoas;
  • contribuir com a igualdade;
  • tornar o dia a dia do cadeirante muito melhor;
  • promover mais segurança no ambiente de trabalho;
  • melhorar a reputação e o posicionamento da empresa no mercado;
  • atrair mais talentos.

 

Qual é a importância de respeitar as normas de acessibilidade?

Respeitar as normas de acessibilidade deve ser uma obrigação de todos. Porém, mais do que isso, é necessário conhecer as leis de acessibilidade para conferir se não está infringindo nenhuma delas.

Afinal, elas podem gerar multas e trazer diversos prejuízos (tanto financeiros quanto de reputação e imagem) para a organização.

Por exemplo, a Lei nº 8.213/91, conhecida como a lei de cotas, determina:

“A empresa com 100 (ou mais) empregados está obrigada a preencher de 2 a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas, na seguinte proporção:

  • até 200 empregados: 2%;
  • de 201 a 500: 3%;
  • 501 a 1.000: 4%;
  • de 1.001 em diante: 5%”.

Vale lembrar que, segundo a Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência:

“Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas”.

Também é importante conferir a norma brasileira ABNT 9050, pois ela estabelece os critérios que devem ser adotados para alcançar todas as condições de acessibilidade nas empresas. 

Assim, se você deseja investir em acessibilidade, aprenda mais sobre a legislação e observe todos os itens que devem ser seguidos.

Além da obrigatoriedade, é importante ressaltar que as empresas que trabalham a acessibilidade e investem em um elevador para cadeirante mostram que acolhem as pessoas, proporcionando bem-estar a todos. 

Você também pode gostar de ler: O que a falta de acessibilidade nas empresas pode ocasionar?

Quais são as empresas que já investem em acessibilidade?

As grandes organizações têm se preocupado com o social e investido em acessibilidade. 

Veja alguns exemplos de marcas que você conhece e que são reconhecidas pelos trabalhos que fazem.

 

Natura

natura

A Natura é uma marca muito reconhecida pelo seu respeito e cuidado com o meio ambiente, mas, também, com a relação de cuidado que tem com seus colaboradores.

Portanto, a marca valoriza os talentos do seu time e promove a inclusão de verdade. 

Para você ter uma ideia, ela está sempre acima da cota legal de contratação de PCDs. Além disso, se preocupa em desenvolver a carreira dessas pessoas contratadas.

Sem dúvida, é um modelo de diversidade e inclusão que serve de inspiração para todas as empresas.

 

Grupo Pão de Açúcar

grupo pão de açúcar

Em 2016, o Grupo Pão de Açúcar assinou um acordo pela inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Esse documento estabelece diretrizes e metas para a promoção de uma cultura interna e de um ambiente de inclusão e acessibilidade nas empresas.

Desde então, oferece diversas vagas para PCDs e, mais do que isso, também se preocupa em desenvolver a sua carreira.

Tudo isso faz o Pão de Açúcar ser mais que uma organização. 

Afinal, mostra realmente qual é o seu papel como empresa na sociedade, oferecendo boas oportunidades de trabalho e respeitando a acessibilidade das pessoas.

 

Qual é a importância da plataforma elevatória para cadeirantes nas empresas?

Se você está pensando em abrir mais vagas para cadeirantes ou pessoas com mobilidade reduzida na sua empresa, saiba que é preciso ter um bom planejamento.

Afinal, é preciso pensar em todos os detalhes para criar um clima organizacional realmente inclusivo e que apoie às diversidades.

A primeira coisa que é preciso fazer é criar uma cultura inclusiva, onde há o respeito mútuo e uma integração interna que favoreça a solidariedade e o espírito de equipe.

Além disso, é necessário aperfeiçoar a infraestrutura para receber bem os novos colaboradores.

Assim, antes mesmo de realizar o processo seletivo PCD, é preciso adequar as instalações da empresa para atender às necessidades de acessibilidade.

Um ótimo exemplo é o investimento em uma plataforma elevatória para cadeirantes.

A plataforma de acessibilidade para cadeirantes é uma grande oportunidade para demonstrar o quanto todas as pessoas são importantes além de promover acessibilidade a quem precisa.

Com ele, a empresa irá garantir o direito de ir e vir de todos os colaboradores e, inclusive, dos clientes e demais pessoas que visitarem o empreendimento.

 

Onde comprar plataforma de acessibilidade?

A JE Elevadores atua no mercado de acessibilidade desde 2011, oferecendo aos seus clientes soluções personalizadas e completas.

Os elevadores de acessibilidade são projetados conforme as necessidades de cada cliente.

Além disso, há um engenheiro técnico responsável por garantir a segurança e a funcionalidade dos equipamentos. 

Você também não precisa se preocupar com a legislação: as plataformas são fabricadas em conformidade com todas as normas e regulamentações da área. Portanto, pode confiar.

As plataformas elevatórias de acessibilidade podem ser instalados em:

 

A JE Elevadores trabalha apenas com o que há de mais moderno e funcional na área de acessibilidade. Assim, garante a satisfação dos seus clientes com muita segurança, qualidade e conforto.

Você gostou de aprender mais sobre a acessibilidade nas empresas, assim como conhecer mais sobre a plataforma para cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida?

Se sim, aproveite e conheça agora mesmo os projetos da JE Elevadores.

Acessibilidade direito de todos