Entenda a importância da acessibilidade nas universidades

Entenda a importância da acessibilidade nas universidades

A acessibilidade nas universidades é um assunto importante e precisa ser debatido por todos. De acordo com o Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), menos de 7% da população deficiente possui o ensino superior completo. No entanto, há uma necessidade de se adaptar as universidades brasileiras para receber os alunos com deficiência e, principalmente, aqueles que têm mobilidade reduzida.

Neste sentido, o País ainda tem muito que avançar. Em 2012, foi criada a Lei de Cotas que define um sistema de reservas de vagas para pessoas indígenas, negras, pardas, de baixa renda ou de escolas públicas. Porém, somente cinco anos mais tarde que as pessoas com deficiência foram incluídas na proposta.

Já em 2017, a Lei 12.711/2012 foi regulamentada pelo Decreto 9.034/2017, que prevê que a quantidade de vagas reservadas seja proporcional ao total de vagas igual à de pretos, indígenas, pardos e pessoas com deficiência. No entanto, será que realmente há acessibilidade nas universidades brasileiras para as pessoas com deficiência? Qual é a importância de garantir o direito de ir e vir? As respostas para essas e outras perguntas você verá a seguir. Confira!

[infográfico] Modelos e Aplicações da Plataforma e Elevador de Acessibilidade | Baixe grátis | JE Elevadores

Há acessibilidade nas universidades brasileiras?

Todos nós sabemos que a pessoa com deficiência tem direito a educação e de cursar o ensino superior. Isso está garantido na Lei Brasileira de Inclusão (LBI), criada em 2016. No entanto, não há acessibilidade em muitas universidades brasileiras. Diversas delas têm somente escadas e não possuem rampas ou elevadores de acesso para o aluno com deficiência ou mobilidade reduzida.

As instituições devem ter a obrigação de adaptar os ambientes e garantir a acessibilidade nas universidades. Essa, inclusive, é uma das requisições do Ministério da Educação (MEC) para o credenciamento, recredenciamento, reconhecimento, autorização e renovação de cursos superiores. Segundo a Portaria Nº 20, as universidades devem ser acessíveis à todos.

Qual é a importância de garantir a acessibilidade nas universidades?

Além da instituição superior respeitar a lei, garantir a acessibilidade nas universidades é respeitar o próximo e o direito de ir e vir. A acessibilidade deve ser parte do dia a dia das universidades e abranger não apenas os ambientes físicos, mas os materiais didáticos e a comunicação entre alunos e professores.

No entanto, para garantir a acessibilidade é necessário planejar, pois as universidades não devem pensar apenas na deficiência física, mas na pessoa com deficiência auditiva, cognitiva e visual. Para cada tipo de deficiência, há um planejamento que garante a acessibilidade.

Quais os maiores problemas de acessibilidade nas instituições de ensino superior?

Há várias barreiras que precisam ser quebradas. Uma delas são os próprios sites das universidades que são completamente inacessíveis.

Quem tem deficiência visual precisa de leitores de tela e quando as imagens são exibidas devem apresentar o Atributo Alt (descrição alternativa). Entretanto, muitos sites ainda não contam com esse recurso, o que dificulta o entendimento do deficiente visual.

Já os surdos não compreendem as línguas orais como o português, e dependem da acessibilidade em Libras para se comunicar e obter a informação. Portanto, seria importante ter um professor habilitado em Libras ou um intérprete para auxiliar os alunos.

E agora falamos de outro problema que é para pessoa com mobilidade reduzida. Quantas escadas você terá que vencer até chegar a sua sala de aula? Se não há corrimãos e rampas nas universidades, que sejam então instalados elevadores de acessibilidade. O equipamento auxilia no deslocamento de um lugar para o outro e oferece o acesso aos andares.

Pois, a pessoa com deficiência precisa se sentir acolhida pela instituição de ensino superior, pelos colegas e professores. Afinal de contas, o mundo necessita de gente com mais empatia e que tenha mais amor ao próximo.

 Precisando de um Elevador de Acessibilidade? Solicite-nos um orçamento de um elevador de acessibilidade e conheça as principais vantagens! | JE Elevadores

Por que um elevador de acesso é importante?

O elevador de acessibilidade possibilita a locomoção do estudante. Ele é necessário, principalmente nas universidades que não têm estrutura para construir rampas. O elevador é prático, seguro, fácil de instalar e não custará muito para a universidade que deseja respeitar a lei de acessibilidade.

Viu como é importante a acessibilidade nas universidades? Se você estuda em uma instituição que ainda não tem um elevador de acessibilidade, sugira a instalação do equipamento.

Você tem os seus direitos respeitados? Não? Acesse o nosso próximo post e saiba como fazer uma denúncia pela falta de acessibilidade!

Saiba a importância do elevador de acesso em espaços públicos

Saiba a importância do elevador de acesso em espaços públicos

O elevador de acesso em espaços públicos é o equipamento que não pode faltar em qualquer tipo de empreendimento. Se você é um gestor ou administrador público e está planejando uma nova obra, ou até mesmo reformando um local público, deve pensar em ter um elevador de acessibilidade que facilita a vida das pessoas com deficiência, principalmente de quem tem mobilidade reduzida. Pois, você já sabe que a falta de acessibilidade limita a circulação de deficientes físicos em locais públicos.

No entanto, continue lendo o nosso post e entenda outros motivos para incluir um elevador de acessibilidade em espaços públicos.

[infográfico] Modelos e Aplicações da Plataforma e Elevador de Acessibilidade | Baixe grátis | JE Elevadores

O elevador de acesso traz mais independência a quem é deficiente físico

O elevador de acesso dá mais independência a quem é deficiente físico. E isso garante a qualidade de vida das pessoas com mobilidade reduzida. Pois, para quem precisa de mobilidade, é importante saber que os locais públicos que ele frequenta ou quer frequentar, tenham a facilidade de ir e vir com segurança e independência.

Portanto, ter um elevador de acesso é mostrar às pessoas que os gestores públicos ou investidores têm consciência da importância da acessibilidade e o direito de ir e vir de todo cidadão.

Outra vantagem do elevador de acesso é que ele proporciona a pessoa com deficiência a deslocar-se sozinha, pois o elevador é adaptado e pensado para isso. Sendo assim, quem possui mobilidade reduzida ou qualquer outro tipo de deficiência se sente mais livre e incluso na sociedade.

Os elevadores de acessibilidade também garantem uma vida digna às pessoas, pois elas não terão mais limitações e constrangimentos. Quem é cadeirante sabe o quanto é difícil ter acesso aos espaços públicos, portanto pense nisso na hora de construir ou reformar.

O equipamento minimiza acidentes nos espaços

Com o elevador de acesso, você evita acidentes nos espaços públicos. Pois assim, a pessoa com mobilidade reduzida não precisa utilizar outros acessos como rampas, por exemplo, que muitas vezes estão em péssimas condições de uso. Podendo se machucar e muitas vezes até mesmo sofrer um acidente.

O equipamento melhora a auto estima

Quem tem mobilidade reduzida sabe o quanto é importante ter a acessibilidade garantida. Isso melhora a auto estima. Viver com mais independência e total segurança é o sonho de muitas pessoas que têm dificuldade de locomoção. E a sociedade, às vezes, ignora o apoio às demandas das pessoas com deficiência (PCDs), o que limita o exercício da cidadania dessa parcela da população.

O equipamento ocupa menos espaço

Como o elevador de acessibilidade foi projetado de acordo com as normas técnicas brasileiras, ele garante que os espaços públicos sejam melhores aproveitados. Além disso, o elevador é um equipamento moderno, fácil de ser utilizado, que oferece muito conforto para quem precisa utilizá-lo.

O equipamento faz parte da Lei de Acessibilidade

A Lei de Acessibilidade deve ser respeitada por todos. E se você é um gestor público ou investidor, deve pensar em cumprir essa norma que garante as pessoas com deficiência física o direito de aproveitar os espaços públicos.

Portanto, se você deseja estar em dia com a legislação, pense em adquirir um elevador de acesso. A JE Elevadores tem um equipamento moderno e muito seguro. Tudo para você cumprir a lei!

Viu como é importante um elevador de acesso? Agora que você já sabe, vale a pena adquirir um para o seu empreendimento, não é verdade? E você que tem mobilidade reduzida, quando adquirir um imóvel, procure aquele que te atenderá em todas as suas necessidades!

Quer ler mais conteúdos como este? Acesse o próximo post e saiba como denunciar a falta de acessibilidade!

Precisando de um Elevador de Acessibilidade? Solicite-nos um orçamento de um elevador de acessibilidade e conheça as principais vantagens! | JE Elevadores

Acessibilidade em condomínios: como tratar essa questão

Acessibilidade em condomínios: como tratar essa questão

A acessibilidade em condomínios é um assunto que deve ser sempre debatido. Não importa se você é um investidor, que gosta de comprar imóveis, ou é um empresário, que realiza eventos. Ou se você é quem mais necessita ter acesso aos condomínios. A verdade é uma só: todos devem cumprir com as regras de acessibilidade.

Mas como tratar desta questão? Como ajudar a pessoa com deficiência? Neste post, vamos falar sobre a acessibilidade em condomínios. Se você se interessou pelo assunto, continue com a gente e acompanhe a leitura do nosso artigo!

[infográfico] Modelos e Aplicações da Plataforma e Elevador de Acessibilidade | Baixe grátis | JE Elevadores

 

Como se preparar para as obras de acessibilidade em condomínios?

Adeque o condomínio às regras de acessibilidade

Você deve adequar o condomínio às regras de acessibilidade. Isso é uma questão legal e por esse motivo não precisa da aprovação da assembleia de condôminos. Entretanto, é importante convocar uma reunião com os moradores para explicar as necessidades de oferecer acessibilidade às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, e também analisar os orçamentos.

Explique a importância das obras

É necessário explicar a importância das obras. Isso diminui a resistência por parte de alguns moradores. Esclareça que, embora a lei estabeleça que as instalações sejam acessíveis, ter um condomínio que permite livre acesso por parte dos que tem deficiência ou mobilidade reduzida, garante dignidade e agrega valor ao imóvel.

Fale sobre as questões judiciais

Destaque que o síndico pode ter riscos de não adequar o condomínio às normas de acessibilidade. Há várias ações na Justiça contra condomínios que não obedecem as leis e, elas podem ser custosas, especialmente por causa das indenizações.

Crie um fundo de obras

Uma boa maneira de tratar da acessibilidade em condomínios é criar um fundo de obras para este ponto específico. Assim, não sacrifica orçamento e atende aos moradores e visitantes portadores de deficiência ou mobilidade reduzida.

Como promover a acessibilidade em condomínios?

Pense em um projeto seguro

Para começar, você deve pensar em um projeto mais seguro, que atenda pessoas de todas as idades e habilidades. Pense em fazer as adaptações necessárias para quem anda de cadeira de rodas ou para aquela mãe que tem crianças de colo. Você deve pensar em promover a acessibilidade para quem tem dificuldade com a locomoção.

Fique por dentro da Lei de Acessibilidade

Conheça a constituição federal e fique por dentro da Lei de Acessibilidade.  Ela é bem clara em relação a acessibilidade em condomínios. Quando se fala sobre isso, é importante lembrar que não é apenas uma questão legal, mas sim, os condomínios residenciais precisam oferecer mais conforto e qualidade de vida às pessoas.

Só para lembrar, a Lei de Acessibilidade entrou em vigor em 2004 e mostra o que deve ser feito em relação à acessibilidade das pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida.

Conheça a ABNT

Além da Lei Federal, também existe a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que trata da implementação da acessibilidade em novas construções e adaptação de empreendimentos mais antigos. Hoje, os empreendimentos precisam ter rampas de acesso, vagas de garagem para pessoas com deficiência e acesso ao condomínio para pessoas com deficiência permanente ou temporária.

É bom ressaltar que essa lei contempla as pessoas com deficiência, gestantes, idosos e obesos, ou seja, todas as pessoas que precisam de acessibilidade em condomínios.

Fique de olho nas leis municipais e estaduais

Você deve ficar de olho nas leis municipais e estaduais. Muitas tratam da acessibilidade em relação à realização de obras. Em São Paulo, por exemplo, há a lei Nº 12.907, de 2008, consolida a legislação referente à pessoa com deficiência em todo o Estado. Outras cidades, como Porto Alegre e Rio de Janeiro também têm leis que complementam e suportam a legislação federal. Portanto, na hora de realizar obras em seu condomínio ou em sua casa de shows, veja se na sua cidade há alguma lei de acessibilidade.

Ofereça mais conforto às pessoas

Ao falar de acessibilidade em condomínios, as pessoas pensam em cadeirantes, mas também existem os deficientes visuais e as pessoas com mobilidade reduzida como os idosos. Há, ainda, aqueles com doenças que limitam os movimentos. Você, como empresário ou investidor também deve pensar nas mulheres gestantes com gravidez de risco ou outras condições que possuem restrições de locomoção.

Ao fazer as obras no condomínio, procure adaptar não apenas a portaria, mas as áreas de lazer como a piscina, salão de festas e playground. Pense também nos elevadores e estacionamentos. Não se esqueça que acessibilidade é possibilitar as pessoas acesso as áreas comuns.

Veja o que é preciso adaptar

Os locais mais comuns são os que precisam de adaptação como pisos, rampas e escadas, portas de acesso, calçadas, banheiros, estacionamento e elevadores de acessibilidade. O piso precisa ser regular, firme e anti-derrapante. Assim, você oferecerá mais segurança. A rampa e as escadas devem ser sinalizadas, ter corrimão e piso tátil adequado. As portas de acesso devem facilitar a entrada de pessoas com cadeira de rodas, carrinhos de bebê e andadores.

Já os interfones do condomínio, devem ter a marcação em braille, corrimão nas escadas e banheiros sociais adaptados. Também é importante pensar no estacionamento. Ele deve ficar próximo às entradas e elevadores mais espaçosos. Coloque sinalizadores luminosos ou alto- falantes que indicam os andares. Instale botões em Braille, e sensores. Otimize tudo para trazer mais comodidade.

Por que o elevador de piscinas é importante para o seu negócio?

O elevador de piscinas torna o seu clube ou a sua casa de shows mais universal. Desta forma, você faz com que a pessoa com mobilidade reduzida se sinta mais independente, já que o elevador pode ser operado por um passageiro. Além disso, o elevador de piscinas pode ser usado por gestantes ou qualquer pessoa com problemas de mobilidade.

Agora que você aprendeu como tratar a acessibilidade em condomínios poderá adaptar seus empreendimentos, não é verdade? Esteja sempre dentro da lei, ofereça um espaço adequado às pessoas e valorize seus empreendimentos!

Vamos ler um pouco mais sobre acessibilidade? Acesse o nosso próximo post e veja porque considerar a acessibilidade em piscinas!  

Clique aqui e solicite seu orçamento para o Elevador de Acessibilidade | JE Elevadores

Elevadores de acessibilidade: entenda a importância de realizar a manutenção

Elevadores de acessibilidade: entenda a importância de realizar a manutenção

Os elevadores de acessibilidade são equipamentos importantes para quem tem mobilidade reduzida ou gosta de investir em imóveis ou realizar eventos.

No entanto, para manter o equipamento em perfeito estado, você precisa fazer a manutenção de elevadores. Mas qual é a importância disso?

Neste post, você vai aprender um pouco sobre o assunto. Quer conferir tudo com a gente? Então, acompanhe com muita atenção a leitura!

Clique aqui e solicite seu orçamento para o Elevador de Acessibilidade | JE Elevadores

Qual é a importância de fazer a manutenção de elevadores de acessibilidade?

Em primeiro lugar, é que somente com esse cuidado você consegue garantir o bom funcionamento do equipamento e a segurança de quem utiliza o elevador. Além disso, com o acompanhamento da equipe de manutenção de elevadores, você garante a vida útil do aparelho e economiza com reparos mais sérios.

É que ao invés de gastar com manutenções para corrigir os problemas, você previne para que eles não aconteçam.

Por que fazer a manutenção de elevadores de acessibilidade?

Para garantir a segurança dos usuários

Com certeza, garantir a segurança dos usuários é a maior preocupação de quem tem elevadores de acessibilidade.

Esses equipamentos são robustos e seguros por natureza, no entanto, ainda são equipamentos. E você sabe, todo tipo de maquinário, seja frágil ou forte, precisa de manutenção para que funcione bem.

O ponto aqui é que funcionar bem significa o mesmo que funcionar com segurança. Portanto, para garantir essa segurança total é necessário que a manutenção dos elevadores de acessibilidade seja sempre perfeita.

Para garantir o funcionamento ideal

Não há nada pior do que elevadores de acessibilidade que não são confiáveis. Eles podem até ser seguros, se serem bem instalados, mas ainda não estão dando 100% de si.

Se você não presta atenção à manutenção dos elevadores de acessibilidade, você pode ter problemas com lentidão, barulho nas portas ou até dificuldades com a carga média suportada, pois os elevadores de acessibilidade podem não suportar todo o peso.

Portanto, para garantir o funcionamento ideal, você deve investir em manutenção de elevadores. Assim, o seu elevador vai sempre operar na sua máxima performance.

Para economizar com o equipamento

Os elevadores de acessibilidade precisam de manutenção para funcionar bem. Isso você já sabe, não é verdade? Mesmo que ele esteja perfeitamente em ordem, ainda é necessário fazer algumas checagens de rotina.

Aí você observa que tudo parece estar ótimo, o elevador funciona bem, então você pula uma rotina de manutenção de elevadores por achar que não precisa.

Passa mais um mês e tudo ainda permanece perfeito. O problema está em quando algo acontecer. Sem a manutenção, você pode gastar mais caro com um problema inesperado.

O melhor então é estar atento às rotinas trimestrais ou semestrais para ter a certeza de que nada irá te surpreender e te fazer gastar em algum momento inoportuno.

Para ter satisfação com o equipamento

A satisfação com os elevadores de acessibilidade também tem a ver com a quantidade de manutenções realizadas. Não é só instalar e deixar funcionando de qualquer maneira. A manutenção é parte do elevador.

Portanto, para aproveitar tudo que os elevadores de acessibilidade podem te oferecer, a manutenção é fundamental. O funcionamento do equipamento é garantido e não há nenhum risco de se frustrar no futuro e acabar por não encontrar a sua maior utilidade: a facilidade de se movimentar nos locais que precisa.

Viu como é importante a manutenção de elevadores de acessibilidade? Agora que você já sabe, terá mais cuidado com as próximas manutenções preventivas, não é verdade? Lembre-se que a JE Elevadores, empresa fabricante de elevadores para acessibilidade, possui seu próprio time de instalação e manutenção que fazem o serviço em todos os elevadores de acessibilidade JE.

Converse com os especialistas e consultores da empresa e entenda mais. A JE Elevadores está disposta em resolver todas as suas dúvidas e atender as suas demandas.

E aí, quer ler um pouco mais sobre elevadores de acessibilidade? Acesse o nosso próximo post e confira o Guia para escolher o elevador de acessibilidade para sua casa!

[ Infográfico ] Quer saber mais sobre os modelos de elevadores de acessibilidade? Preencha com seus dados abaixo para receber o infográfico.

Acessibilidade para deficientes na área da saúde

Acessibilidade para deficientes na área da saúde

A acessibilidade para deficientes deve estar presente em qualquer lugar, desde a rua até os prédios, públicos ou privados. Ter boa acessibilidade diz respeito à cidadania, e todos os esforços devem ser direcionados para a inclusão total de todas as pessoas.

Isso é lei. Desde 2004, todos os empreendimentos devem levar a ABNT NBR 9050 em consideração na hora de construir ou reformar ambientes abertos ao público. Isso é ainda mais importante quando tratamos da área da saúde, com estruturas como hospitais e unidades básicas de atendimento, como os postinhos e as UBS.

Neste artigo, vamos elaborar um pouco mais sobre a acessibilidade para deficientes e mobilidade reduzida na área da saúde, mostrando o que precisa ser feito para que os direitos de todos os cidadãos sejam respeitados. Vamos ver?

Acessibilidade para deficientes no caminho à unidade de saúde

Antes de efetivamente chegar à unidade de saúde, a pessoa com deficiência precisa de equipamentos urbanos específicos para conseguir se locomover com segurança e independência. Nos arredores da unidade de saúde, a recomendação é que, em conjunto com o Departamento de Trânsito da cidade, seja criada uma rota acessível.

Acessibilidade para deficientes no caminho à unidade de saúde

Essa rota é definida por um caminho único, desobstruído e sinalizado que leva até a unidade de saúde. Nisso, podemos destacar o piso tátil, calçadas sem buracos e até mesmo uma convergência das ruas e avenidas para uma principal, que conecta a cidade à unidade.

Também recomenda-se a instalação de semáforos com avisos sonoros ao invés de apenas visuais. Com isso, a acessibilidade para pessoas com deficiência se torna ainda mais abrangente. Também é importante adaptar pelo menos um acesso ao transporte público – aliás, um para cada modalidade.

Para quem vem de carro, a vaga exclusiva já é padrão quando falamos de acessibilidade para pessoas com deficiência. 2% do número total de vagas deve ser exclusivo, assim como 5% para pessoas idosas.

Equipamentos urbanos para permitir maior mobilidade

E se o que a gente disse parece muito, ainda tem muito o que uma unidade de saúde deveria oferecer em termos de acessibilidade para pessoas com deficiência. Em conjunto com a prefeitura e o departamento de trânsito, adaptações devem ser criadas para o mobiliário urbano: postes, orelhões, lixeiras, etc.

A largura mínima para a transposição de um poste é de 0,80 metros. Isso significa que o poste deve estar em uma posição em que 0,80 metros devem ser necessários para circulá-lo e prosseguir o caminho. Isso garante a rota acessível de que estávamos falando.

As lixeiras também precisam estar suspensas ao longo do percurso e nos arredores da unidade de saúde, evitando acidentes e trombos.

Mas até agora só estamos falando do acesso à unidade de saúde. Que tal falarmos mais sobre a acessibilidade para deficientes dentro da própria estrutura?

Acessibilidade para deficientes dentro da unidade de saúde

As rotas acessíveis não param quando a unidade de saúde começa. Na verdade, elas circulam seu interior e saem mais uma vez para a rua, e seguem até o ponto de acesso mais próximo ao transporte público. Às vezes ela segue até avenidas de ligação, garantindo que pessoas com deficiência possam fazer o trajeto de volta pra casa sozinhas e com independência.

Ao entrar na unidade de saúde, é importante pensar nos desníveis. Eles devem ser vencidos com rampas ou com os elevadores de acessibilidade, soluções mais seguras e modernas.

Nas catracas para o acesso, deve haver pelo menos um portão para que pessoas com deficiência possam passar sem dificuldades. A catraca limita a movimentação e é uma inimiga da acessibilidade para deficientes.

Acessibilidade para deficientes dentro da unidade de saúde

Entrando na unidade de saúde, as portas devem conter vão livre de pelo menos 0,80 m, espaço suficiente para que cadeirantes e pessoas portadoras de outras deficiências consigam manuseá-las. A altura mínima é de 2,10 m. Isso vale tanto para portas de acesso quanto para elevadores.

Na parte inferior, é recomendado que essas portas possuam guardas inferiores e nos batentes para absorver o impacto de bengalas, cadeiras e andadores. Acionamentos manuais devem estar a 0,90 m ou 1,10 m do piso acabado no mínimo.

Escadas e corrimãos

As escadas no interior da unidade de saúde devem conter corrimãos nos dois lados sempre. Se houver degraus, deve haver corrimão. Eles precisam estar a duas alturas, 0.92 m e 0,70 m do piso, medidos da face superior dos corrimãos.

A largura dos corrimãos deve ser de 3,5 a 4 centímetros, sendo feitos preferencialmente sem arestas vivas para não machucar os usuários.

Todos os degraus devem possuir sinalização tátil nas suas extremidades também para evitar acidentes. Elas devem ser em cores contrastantes com o piso e possuírem largura entre 0,25 m e 0,60 m.

Os sanitários

Como todos os sanitários em espaços públicos ou com grande concentração de pessoas, os da unidade de saúde precisam estar adaptados.

A razão é de uma cabine para cada gênero, sendo que eles precisam conter barras de apoio, sanitário adaptado e porta que separa o resto do ambiente da própria cabine de acessibilidade para deficientes.

Essas são apenas poucas recomendações, um compilado de informações de várias leis, normas técnicas e estatutos. Você consegue conferir o documento base, criado pela Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência e a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, seguindo este link.

Agora que já ilustramos um pouco mais sobre a situação da acessibilidade para deficientes na área da saúde, que tal falarmos um pouco sobre o lazer? Vamos continuar a conversa no próximo artigo!

E-book: Acessibilidade na construção civil: importância dos projetos e a responsabilidade

Guia para escolher o elevador de acessibilidade para sua casa

Guia para escolher o elevador de acessibilidade para sua casa

Agora é a hora de instalar um elevador de acessibilidade na sua casa. Você começa pesquisando alguns preços, entendendo como funciona o sistema de manutenção da maioria das empresas e pronto, já se decidiu. Tudo pronto? Bem, nem tanto. Agora é que surgem as perguntas mais importantes.

Onde instalar o elevador de acessibilidade? Qual é o modelo mais recomendado? Será que no ambiente há lugar para a casa de máquinas? Será que essa é a parede mais recomendada?

Se essas são as suas maiores perguntas, não precisa se desesperar: é nesse artigo que suas dúvidas vão ser sanadas. Está duvidando? Então vamos prosseguir para a leitura agora mesmo!

Projetar o elevador de acessibilidade antes ou depois da obra?

Bom, tudo depende de você mesmo. É possível já projetar o edifício antes e inserir o elevador de acessibilidade no projeto ou deixar para depois. A maior diferença mesmo é no seu transtorno por conta da reforma, que mesmo não sendo muito extensa, ainda é uma pequena obra.

Orçamento de um elevador de acessibilidade | JE Elevadores

Se você decidir por instalar o elevador de acessibilidade durante a obra, deve encontrar um ponto onde seja possível embuti-lo na parede ou um local sem obstruções verticais para o seu trajeto. Não há pré requisitos além do pé direito, que pede um mínimo de 2,70 metros. O poço é bem pequeno, e vários modelos dispensam a casa de máquinas, mais necessária em elevadores comerciais, de grande carga.

Agora, se você optar por instalar o elevador de acessibilidade depois da casa já estar pronta, também não há nenhum impedimento. Nesse caso, sua maior preocupação deve ser com o espaço livre para a instalação. Dependendo do modelo que você escolher, será necessário fazer uma pequena escavação, mas nada muito complicado. O poço, em muitos casos, funciona até para a sua própria segurança.

Então não importa se você quer incluir o produto no projeto ou não: ele ainda vai se encaixar perfeitamente na sua casa. Mas onde?

Instalar o elevador de acessibilidade dentro de casa

O que queremos dizer aqui é que, no modelo de instalação no interior da casa, todo o equipamento fica por dentro da residência. Não há nenhuma parte dele que fica de fora, e todo o trajeto do passageiro é feito debaixo do mesmo teto!

Nesse caso, o que a maioria das pessoas fazem é instalar em uma posição mais próxima da escada. Mas ao mesmo tempo, desde que você tenha pelo menos o pé direito mínimo e o espaço para a instalação do seu modelo de preferência, é possível colocá-lo em qualquer lugar.

Se há espaço de sobra e você está projetando o elevador junto com a casa, um ótimo toque para o design de interiores é erguer algumas paredes ao seu redor e criar um elevador “embutido”.

Se o espaço está muito reduzido e o desnível nem é tão grande assim, talvez o melhor a se fazer é optar por uma plataforma de acessibilidade, mais simples e de dimensões muito mais reduzidas. Nesse caso, não há necessidade de reformas, escavações e instalações muito demoradas.

Colocando o elevador “pra fora”

Se não há nenhuma maneira de colocar o elevador de acessibilidade inteiro dentro de casa, também não há problema. A maior parte da sua estrutura também pode ser instalada do lado de fora, e se você for alguém que gosta da sua vista, pode inclusive pedir um elevador panorâmico.

Nesses casos, normalmente só a porta do elevador é visível do lado de dentro. Quando você entra, tecnicamente está do lado de fora. Isso é muito vantajoso para quem não está encontrando aquele espaço dentro de casa, ou acha que um elevador de acessibilidade, equipamento pesado, não cabe no meio da sala de estar.

Vencendo os desníveis do exterior

Tudo bem, até agora falamos basicamente de elevadores de acessibilidade que vão dentro de casa ou que são usados para vencer desníveis no interior, mesmo que sua estrutura esteja do lado de fora. Mas e para vencer escadas no jardim, garagem ou varanda?

Nesses casos, o elevador de acessibilidade não é a melhor recomendação. O melhor é trabalhar com a plataforma elevatória, equipamento mais simples que mencionamos anteriormente. Elas são simples de montar e, no caso das que já vem pré-montadas – produto que a JE Elevadores já oferece – você mesmo consegue fazer a instalação.

Então, desníveis pequenos e do lado de fora precisam não de um elevador de acessibilidade, mas de uma plataforma. Conheça a diferença para não errar!

Ficou um pouco confuso com os modelos que apresentamos? Quer saber mais sobre como instalar um elevador de acessibilidade? Não tem problema. Temos as respostas pra você nesse artigo mais aprofundado. Vamos ver?