Escolha uma Página

Calçadas sem rampas, escadas, acesso ao transporte coletivo são alguns dos desafios enfrentados diariamente por quem tem mobilidade reduzida. Atividades das mais simples podem se tornar um sacrifício, principalmente no Brasil, onde as leis de acessibilidade são recentes e ainda pouco adotadas em espaços públicos.

Contudo, existem algumas alternativas que podem tornar a vida de idosos e portadores de deficiência física melhor. No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais obstáculos enfrentados e o que vêm sendo feito para que eles sejam superados! Acompanhe conosco:

1. Acesso ao transporte público

O direito de ir e vir é garantido a todos na Constituição. Contudo, quando pensamos em portadores de deficiência física e pessoas com dificuldade de locomoção não é bem isso que vemos.

O transporte público é um dos principais desafios enfrentados. Mesmo em cidades onde parte da frota já possui veículos adaptados para receber pessoas em cadeiras de rodas, o sistema ainda apresenta diversos outros problemas.

Além de muitas vezes ter que esperar mais de uma hora pelo ônibus adaptado, os portadores de deficiência ainda precisam lidar com motoristas mal treinados e passageiros impacientes em ter que esperar a subida do cadeirante.

Apesar da acessibilidade já ser lei, ainda é preciso investir em políticas públicas que melhorem o sistema de transporte coletivo. Veículos com piso mais baixo, por exemplo, que dispensem o uso dos elevadores e utilizem rampas de acesso poderiam tornar a vida do motorista e do cadeirante muito mais simples.

2. Movimentação na cidade

Além da dificuldade de ir e vir até os lugares, ainda há os problemas de acesso dos locais em si. Restaurantes e espaços públicos nem sempre são adaptados para receber pessoas com dificuldade de locomoção. Além da falta de rampas, como esses locais querem construir banheiros pequenos para aproveitar melhor o espaço com mesas e cadeiras, é raro encontrar cabines adaptadas para pessoas em cadeiras de rodas.

Alguns aplicativos já existem para que os locais públicos sejam classificados de acordo com sua acessibilidade, facilitando a vida do deficiente, como o O Wheel Map. O app mostra em um mapa todos os estabelecimentos da cidade, classificando-os entre verde (perfeitamente acessível para deficientes), amarelo (acessível mas ainda com alguns problemas) e vermelho (nada acessível).

O grande problema é que, por se tratar de um app colaborativo, muitos estabelecimentos ainda estão na cor cinza, ou seja, ainda não foram classificados e estão aguardando as notas dos usuários.

3. Locomoção dentro de casa

Quem acha que as dificuldades enfrentadas por quem tem dificuldade de locomoção estão só nos locais públicos está bem enganado. Se locomover dentro de casa também pode ser um desafio, principalmente em construções com escadas.

É preciso adaptar os ambientes para tornar a vida de deficientes mais fácil, aumentando a largura das portas e instalando corrimões nos banheiros. Além disso, as novas tecnologias permitiram que essas pessoas pudessem contar com maiores facilidades, como a instalação de um elevador de acessibilidade dentro de casa.

Existem diversos modelos que permitem a adaptação mesmo em residências já construídas, fornecendo uma ótima alternativa aos deficientes.

4. Acesso a piscinas

Mesmo entrar em piscinas pode ser um grande desafio para quem não tem 100% da mobilidade. Normalmente, o acesso a essas é feito por escadas, o que dificulta muito a vida de deficientes e pessoas com dificuldade de locomoção, principalmente no caso de quem não possui força nos braços.

Além do obstáculo em si, ainda é preciso pensar no quesito segurança, visto que nesses casos uma pessoa com deficiência poderia facilmente se afogar. É por isso que hoje muitos locais com piscinas públicas estão passando a investir em elevadores para piscinas, que além de ajudar o cadeirante a entrar sem problemas, ainda aumenta a segurança do mesmo dentro da água.

5. Preconceito e acessibilidade atitudinal

Por último, ainda há o desafio cultural e social enfrentado por quem tem dificuldade de locomoção. Apesar do aumento no número de pessoas que se declararam deficientes no Censo de 2010 do IBGE, o que pode significar uma aceitação maior da população, eles ainda enfrentam muitos preconceitos diários que agravam ainda mais os demais obstáculos.

Enquanto a acessibilidade dos espaços e construções é lei, a atitudinal, que tem a ver com o comportamento das pessoas sem deficiência, ainda é um grande problema. Carros parados em frente às rampas das calçadas ou em vagas destinadas aos deficientes são só alguns deles. Os passageiros do transporte coletivo sem paciência também, e é preciso não só investir em mais políticas que tornem espaços e ônibus mais acessíveis, mas que torne a cabeça das pessoas mais aberta e empática aos problemas do deficiente físico.

E você, o que acha? Quais obstáculos enfrenta diariamente e qual acha que seria a melhor solução para resolvê-lo? Comente abaixo e compartilhe conosco!

Share This