Se antes da pandemia do novo coronavírus era difícil a acessibilidade de pessoas com deficiência, imagina agora? Com todas as regras de isolamento social impostas nas cidades, principalmente nos grandes centros, é preciso se adaptar. Outro problema enfrentado por quem é deficiente, como quem tem mobilidade reduzida, é a falta de atendimento médico especializado. Vale ressaltar que há pessoas com deficiência que precisam dar continuidade ao tratamento médico ou fisioterápico.

Para você ter ideia, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há no Brasil 46 milhões de pessoas com deficiência. Isso representa 24% da população que sofre com a falta de acessibilidade. Mas os problemas não param por aí. Neste post, você vai saber qual é o impacto da pandemia na acessibilidade das pessoas com deficiência. Ficou interessado? Acompanhe a leitura!

Como se orientar e evitar o impacto provocado pela Covid-19?

Você que se preocupa com a acessibilidade de pessoas com deficiência, precisa ficar atento não só as orientações do Ministério da Saúde. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou uma cartilha com orientações importantes.

No documento, é reforçada a importância dos cuidados com a higiene, pois muitas vezes, quem tem mobilidade reduzida precisa de ajuda para se locomover. Portanto, estar com as mãos higienizadas, unhas cortadas, ter sempre álcool gel a disposição, andar de máscara, são alguns cuidados necessários para não ficar doente.

Qual é o impacto da pandemia na acessibilidade de pessoas com deficiência?

A pessoa com deficiência sofre com o confinamento, pois muitas vezes se sente sozinha. E isso não é bom, pois a solidão pode causar estresse e até depressão. Além de ter a saúde mental prejudicada, a pandemia pode causar os seguintes problemas:

Saídas interrompidas

Com o isolamento social e a necessidade de ficar em casa, as saídas até o mercado, o passeio na praia ou a conversa na praça com os amigos foram interrompidos.

O confinamento trouxe a tona as barreiras da acessibilidade e o medo de se contaminar com o novo coronavírus, algo que ainda é desconhecido pelos cientistas.

Além disso, quem realmente precisa sair, deve ter preocupação em higienizar a cadeira de rodas ou o meio que usa para se locomover. Um trabalho que necessita de apoio de familiares ou amigos.

Rotas inacessíveis para quem tem mobilidade reduzida

As rotas inacessíveis também é outro impacto da pandemia na acessibilidade de pessoas com deficiência. Muitas cidades não têm rampas de acesso nas calçadas e faltam elevadores de acessibilidade. E os locais que existem esses recursos podem estar a quarteirões de distância de onde você mora.

Barreiras de comunicação

E é preciso pensar em todas as pessoas com deficiência. Quem tem perda auditiva também sofre com os impactos da pandemia, pois nem todos compreendem a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Há pessoas que fazem leitura labial para compreender o que as outras falam. E com o uso de máscaras fica impossível se comunicar.

Falta de informações para este tipo de público

Outro impacto que a pandemia causa na acessibilidade de pessoas com deficiência é a falta de informações. Quem precisa trabalhar, pode ter dificuldades com as reuniões online muito usadas neste período. Nem todo mundo tem acesso à tecnologia ou domina os aplicativos e sites que disponibilizam o recurso de reuniões à distância.

Distanciamento

E outro impacto relacionado à acessibilidade das pessoas com deficiência é o distanciamento social. E aqui, precisamos falar dos deficientes visuais. Quem necessita de acompanhamento periódico e medicamentos para conter glaucoma, doença que impossibilita ver anotações, sofre as consequências por não contar com alguém que pode ajudar.

Dificuldades para manter o isolamento social

Pessoas com deficiência, que precisam de cuidadores, têm dificuldades para manter o distanciamento social. Ficam dependentes de outras pessoas. Sem falar que muitos deficientes são considerados de grupo de risco, como os diabéticos.

Por isso, a Covid-19 se torna ainda mais perigosa. Pois, além dos sintomas graves como febre e falta de ar, que podem levar à morte, também há problemas do paciente que precisa de apoio, cair e se machucar.

O que fazer para reduzir o impacto da pandemia na acessibilidade de pessoas com deficiência?

A melhor maneira de reduzir o impacto da pandemia na acessibilidade de pessoas com deficiência é se informar. Fique atento ao que os órgãos municipais, estaduais e federais divulgam. Também é importante observar páginas de entidades que dão apoio às pessoas com deficiência.

Preste atenção ao que é recomendado para os cuidadores e atendentes pessoais, e para as pessoas com baixa imunidade e tipos de deficiência.

Se você tem lesões medulares, saiba que está no grupo de risco e por isso pode ter dificuldade respiratória. Se deseja sair para algum lugar, limpe o aro da sua cadeira de rodas quando chegar em casa. Não se esqueça de dar a mesma atenção para o joystick, as órteses e próteses, e os meios de locomoção como muletas, andadores e bengalas.

Agora você já sabe como é importante ser bem informado e ter a consciência sobre os impactos na acessibilidade de pessoas com deficiência, não é verdade? Se informe e fique em casa se puder! Evite a Covid-19!

Gostou do conteúdo? Acesse o nosso próximo post e saiba como higienizar os elevadores de acessibilidade!

[infográfico] Modelos e Aplicações da Plataforma e Elevador de Acessibilidade | Baixe grátis | JE Elevadores

Share This