Acessibilidade para condomínios devem atender a adaptações vigentes

Acessibilidade para condomínios devem atender a adaptações vigentes

A acessibilidade para condomínios deve sempre ser respeitada, principalmente porque, além da responsabilidade ética que a construtora possui com as pessoas com mobilidade reduzida, os condôminos estão pagando para ter suas necessidades de locomoção, segurança e bem estar garantidas.

Você conhece a legislação da acessibilidade para condomínios? Gostaria de conhecer? Então você veio ao lugar certo. Neste artigo, vamos explorar os pontos da legislação que tratam da acessibilidade para condomínios e mostrar o que você deve fazer para garantir a mobilidade.

Vamos começar?

Acessibilidade para condomínios é necessária já

A realidade habitacional brasileira está se transformando à medida que nossa população cresce e o custo dos terrenos vai subindo exponencialmente.

Ainda que não seja possível dizer exatamente quantos condomínios existem no Brasil, um senso de 2015 realizado pela AABIC confirmou que, somente no estado de São Paulo, existem 55 mil conjuntos habitacionais. No final dos anos 80 até o meio dos 90, esse número girava em torno dos 15 mil.

Esse número cresceu tanto pela tendência à verticalização da moradia que estamos passando nos tempos atuais, além do aumento do crédito do brasileiro nos anos 2000 e a valorização de terrenos para a construção e de casas já construídas.

A acessibilidade para condomínios, então, passou a ser assunto de pauta por várias reuniões condominiais e adquiriu grande visibilidade com regulamentações federais e estaduais que garantem a mobilidade de todos nesses ambientes, assim como em qualquer estabelecimento.

Infelizmente, a realidade é bem diferente do que a lei estipula: a acessibilidade para condomínios, assim como em vários outros pontos comerciais e estabelecimentos das cidades, muitas vezes é deixado para depois quando deveria ser preocupação fundamental.

Continue lendo o próximo tópico para saber como exatamente a acessibilidade para condomínios se apresenta:

Acessibilidade para condomínios: o que o seu deve ter?

A população de pessoas com a mobilidade reduzida é grande no Brasil, gravitando em torno dos 15% a 20%, segundo pesquisas do IBGE. É de se imaginar, portanto, que em um condomínio onde moram 200 pessoas, pelo menos 30 delas podem apresentar dificuldades de movimentação nos mais diversos níveis.

É a mesma lógica da acessibilidade nas escolas ou em qualquer outro local frequentado rotineiramente por muitas pessoas, e as estatísticas não mentem: onde estiverem pessoas, lá estarão outras que precisam de soluções de mobilidade.

Pensando nisso, é importante que você conheça a legislação e saiba exatamente o que deve ser instalado no seu condomínio. Não deixe de cobrar o síndico: muitos deles dizem que o condomínio não deve ser responsável pela adequação, mas essa informação não procede.

Confira alguns equipamentos indispensáveis:

Piso tátil nas portarias

Segundo a legislação vigente, o piso tátil deve estar presente antes de qualquer desnível nas entradas e nas saídas, para orientar a parcela cega dos moradores do condomínio que ali se encontra um perigo para a sua movimentação.

Isso vale não apenas para desníveis, mas para qualquer alteração não gradual do piso, comumente chamada de mudança de plano.

Rampa e elevador de acesso

Presente em tantos estabelecimentos, a acessibilidade no condomínio requer rampas ou elevadores de acesso para que pessoas com mobilidade reduzida consigam se locomover sem constrangimentos e dificuldades.

Qualquer desnível com mais de 1,5 centímetros já é considerado um degrau, e portanto já requer a instalação da rampa ou elevador de acesso. A largura mínima é de 1,20m e deve haver sinalização tátil de início e fim da rampa.

Portaria sem desníveis

A recomendação é que as portarias tenham piso plano, sem nenhuma inclinação relevante, e que a superfície seja lisa, sem rachaduras.

Isso facilita e muito a vida das pessoas com necessidades especiais de locomoção, e garante a segurança de todos pela acessibilidade no condomínio.

Largura mínima da portaria

Para estar de acordo com a legislação de acessibilidade para condomínios, a portaria do prédio deve ter pelo menos 1,20m de largura, para acomodar uma cadeira de rodas sem desconforto.

A fiscalização é a maior arma da acessibilidade para condomínios

A lei que regula a acessibilidade para condomínios é federal, mas sua fiscalização muitas vezes é feita pela prefeitura do município, já que as próprias cidades também têm em prática suas próprias recomendações a respeito da acessibilidade.

Se você ver algum desses itens não adequado, mostre para o síndico o quanto é importante tratar as questões relacionadas a acessibilidade para condomínios, e cobre mudanças. Se elas não acontecerem, o melhor a se fazer é uma denúncia: assim, quem está falando é a lei em toda a sua autoridade.

Gostou desse artigo? Então venha conhecer o nosso blog. Para nós, a acessibilidade para condomínios, estabelecimentos públicos, comércios e casas é a preocupação maior. Venha continuar essa conversa nos nossos outros artigos.

Até a próxima!

 

Acessibilidade: onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

Acessibilidade: onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

Instalar um elevador de acessibilidade em sua casa não apenas gera um diferencial à sua propriedade, mas tem tantas vantagens de acessibilidade e facilidade de uso que um dia os elevadores residenciais poderão tornar as escadas obsoletas.

A instalação simples, combinada com os benefícios que os elevadores residenciais oferecem em termos de mobilidade, impulsionaram um aumento no número de pessoas que querem essa tecnologia inteligente para suas próprias casas.

Mas na hora de instalar o elevador residencial, algumas perguntas precisam ser respondidas, incluindo o lugar ideal para colocar o equipamento. Continue lendo e saiba tudo que precisa saber antes de instalar seu elevador de acessibilidade!

Melhorando a acessibilidade com a instalação de um elevador residencial

Não há dúvidas de que um elevador residencial torna a casa mais acessível para todos os moradores do que uma escada. Se você, uma visita ou um membro da família tem uma deficiência, ou precisa carregar crianças de um andar a outro, o elevador é uma maneira mais simples e segura de se deslocar.

Os elevadores residenciais melhoram particularmente a acessibilidade para pessoas com deficiência que vivem sozinhas, pois ele elimina a dependência de ajuda para se deslocar dentro da própria moradia.

Além disso, para muitas pessoas, chega um momento em que uma casa, de mais de um andar, já não é apropriada por causa dos riscos físicos e problemas que podem estar presentes após uma certa idade. Um elevador residencial poderia significar a diferença entre permanecer por um longo tempo no mesmo imóvel ou ter que se mudar.

Isso porque a instalação de um elevador residencial supera essas questões, proporcionando uma maneira fácil e sem problemas de se mover entre os andares e de eliminar as chances de acidentes.

O que saber para instalar o elevador residencial

A desvantagem do fato de que as escadas já vêm prontas com o imóvel é que você raramente tem alguma opinião sobre o local em que eles estão situadas ou como elas são construídos. Os elevadores residenciais, por outro lado, podem ser instalados em qualquer lugar.

Com uma variedade de tamanhos diferentes, o elevador pode caber em um espaço do mesmo tamanho que um armário e ser instalado como uma unidade autônoma, sem a necessidade de criar um fosso ou fazer mudanças estruturais no imóvel.

Existem duas opções principais na hora de escolher o local de instalação do seu elevador de acessibilidade, que são:

•  Elevador residencial no interior da casa: dentro de casa, o elevador poderá ficar, por exemplo, ao lado das escadas. Outra ideia é aproveitar o vão da escada para fazer a integração da caixa que leva a cabine do elevador. O importante é que haja uma altura mínima de 2,45 m no último piso e um pequeno vão de 10 cm abaixo do equipamento;

•  Elevador residencial no exterior da casa: nos espaços externos à residência, a instalação é feita por meio de alguma das paredes de acesso. Poderão ser utilizadas portas ou varandas superiores para permitir a entrada e saída da moradia. Na instalação, serão contemplados todos os ajustes para este acesso. O elevador poderá ser panorâmico para potencializar a beleza estética e permitir mais visibilidade.

Hoje em dia, os elevadores residenciais, também conhecidos como homelifts, podem ser instalados em quase todos os espaços de uma casa. São diversos tipos de elevadores disponíveis e opções de personalização que vão atender sob medida as necessidades da sua casa e dos moradores.

Instalar um elevador de acessibilidade é incrivelmente simples, independentemente do local escolhido. Uma vez que estão devidamente instalados, os elevadores residenciais aumentam a acessibilidade e fazem as escadas um problema do passado.

E você, está pensando em adquirir um elevador de acessibilidade para sua casa? Conheça os elevadores da JE e consulte nossos preços!

Elevador de acessibilidade pode valorizar o seu imóvel?

Elevador de acessibilidade pode valorizar o seu imóvel?

O Brasil está envelhecendo. A projeção é de que até 2040 mais da metade da população brasileira (56%) tenha mais do que 45 anos. Isso significa que o perfil das casas e apartamentos também vão mudar e se adaptar para essa nova realidade. O que é um luxo hoje, por acabar se tornando uma necessidade amanhã.É o caso do elevador de acessibilidade.

As pessoas sempre procuraram por formas de continuar em suas casa na medida que envelhecem, e a mobilidade dentro de casa pode se tornar um problema em imóveis com mais de um andar. É por isso que o elevador residencial tem sido um item cada vez mais procurado para aumentar a acessibilidade.

Mas como é feita a instalação de um elevador de acessibilidade e quais benefícios ele pode trazer ao dono do imóvel? Acompanhe conosco e descubra!

A instalação de um elevador residencial

Atualmente, fazer a instalação de um elevador de acessibilidade é algo bem mais simples e rápido graças à utilização de novas tecnologias. Esse tipo de equipamento não exige mais a instalação de uma casa de máquinas ou a criação de um fosso para funcionar, sendo necessário, no máximo, apenas 10 cm de distância do equipamento para o chão.

Isso tornou o investimento em elevador de acessibilidade bem mais barato do que era antigamente. O proprietário ainda conta com duas opções principais, o elevador elétrico e o hidráulico. Qualquer uma pode ser projetada em qualquer tipo de residência, seja ela antiga ou nova.

Seja qual for a opção que você escolher, é preciso avaliar bem o local e contar com a ajuda de um profissional para fazer o projeto. Para que isso seja feito de maneira correta, entre em contato com um arquiteto e peça um exame do ambiente. Ele examinará as condições do solo, espaço e energia elétrica, assim indicará o modelo ideal para sua casa.

Para fazer a instalação do seu elevador de acessibilidade, basta que você escolha o local ideal. Pode ser na entrada, ao lado das escadarias ou na parte externa. O importante é a funcionalidade que o elevador trará a todos que moram no local, ajudando a evitar o esforço físico e também possíveis acidentes.

Os benefícios de ter um elevador residencial no seu imóvel

Como falamos, a população está envelhecendo e, cada dia mais, é preciso pensar na mobilidade de pessoas com dificuldade de locomoção dentro de casa. O elevador de acessibilidade, então, surge como a melhor solução para garantir o perfeito deslocamento em imóveis com dois ou mais andares. E com a demanda por esse tipo de equipamento aumentando, ganham aqueles proprietários que se anteciparem e instalarem o elevador em suas residências.

Em média, um elevador de acessibilidade pode valorizar um imóvel de 20% a 25%, e a tendência é que essa valorização aumente na medida que a idade média da população também sobe. Os elevadores são uma ótima maneira de ganhar fácil acesso para os andares superiores, garagem, quintal, ou outras área da casa, sem contar que são bem simples de operar.

Vale dizer também que o elevador de acessibilidade pode combinar perfeitamente com qualquer ambiente de uma residência. Isso porque são diversos modelos disponíveis e um deles, certamente, se adequará ao seu estilo e da sua casa.

Quer valorizar seu imóvel e ganhar conforto dentro de casa? Entre em contato conosco e converse com nossos consultores para saber como podemos ajudá-lo!

Por que considerar a acessibilidade no seu projeto?

Por que considerar a acessibilidade no seu projeto?

No Brasil, a grande maioria dos espaços públicos possui uma característica em comum: a falta de acessibilidade. Não é difícil encontrar estações de ônibus, escolas, supermercados, praças e outros locais que acabam segregando os deficientes físicos e tornam sua vida muito mais difícil.

O cenário não é muito diferente no mercado imobiliário: apesar de o Brasil ter 45,6 milhões de pessoas com alguma deficiência física e uma população geral com expectativa de vida atingindo os 71,2 anos para homens e 78,5 anos para mulheres, segundo dados do IBGE, o mercado imobiliário ainda caminha a passos lentos para atender pessoas com dificuldade de locomoção.

Houve um tempo em que acessibilidade não era algo obrigatório, e poucos empresários e engenheiros de obras adicionavam tais melhorias em seus projetos, entretanto as coisas evoluem e nos dias de hoje, acessibilidade é algo indispensável.

Acessibilidade do projeto é lei

Em todo o país, empreendimentos estão sendo construídos a cada momento. Porém, a inclusão dos conceitos de mobilidade nas obras para beneficiar portadores de deficiência física ou idosos ainda são tímidas, mesmo com leis que defendem a acessibilidade.

Há atualmente no país muitas legislações voltadas para o assunto, que estão em vigor há pelo menos uma década. Como a norma federal NBR 9050, de 1994, revisada pela terceira vez em 2015, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção dos portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida.

É possível encontrar construções que abraçaram a causa, mas em outras a acessibilidade não passa do hall da entrada. Rampas, portas maiores e sinalização em braile são alguns dos elementos que respeitam aqueles com limitações, mas ainda é preciso investir em outros itens, como áreas de lazer, banheiros e elevadores acessíveis.

Contudo, mais do que cumprir normas, essa é uma oportunidade para o mercado imobiliário.

Um mercado com potencial inexplorado

Como mostramos, o número de deficientes no país, segundo o último censo do IBGE, é alto. Isso sem contar que a população está envelhecendo e a expectativa de vida aumentando, gerando mais pessoas com possíveis problemas de locomoção.

Para esse público, adaptar uma casa ou um apartamento às suas necessidade tem um custo muito alto, com o qual, muitas vezes, não conseguem arcar. É por isso que investir na acessibilidade de novos projetos também é uma forma de conquistar novos clientes.

Além de ser uma obrigação legal, essa é uma ótima estratégia comercial para atrair uma grande fatia de consumidores, de mais de 45 milhões de brasileiros. Isso porque o custo presente desde a elaboração do projeto é pouco se comparado com o valor das adaptações feitas no imóvel pronto, o que aumenta consideravelmente a procura por imóveis já adaptados.

Custo baixo frente aos retornos

É comum encontrar projetos que não investiram na sua acessibilidade por acharem que as adaptações aumentariam os custos da obra, porém, o que se gasta com a acessibilidade no fim das contas representa apenas uma pequena parcela do orçamento total do projeto, pequena esta que é facilmente paga vendo o total retorno do investimento.

Um investimento pequeno aos ganhos de respeitar uma legislação defendida internacionalmente e um mercado que clama por ser atendido.

A acessibilidade é um dos objetivos do milênio da Organização das Nações Unidas (ONU). Isso significa que cada dia mais e mais a acessibilidade do seu projeto será um item questionado e exigido pelo mercado.

E você não quiser ficar para trás, precisa se mover agora! Entre em contato conosco e conheça nossas opções de elevadores para melhorar a mobilidade dos usuários no seu projeto!

Como pessoas com mobilidade reduzida podem ter um maior conforto?

Como pessoas com mobilidade reduzida podem ter um maior conforto?

O direito de ir e vir está reservado a todo cidadão brasileiro pela Constituição. Mas nós bem sabemos que ele nem sempre é respeitado, principalmente quando pensamos em pessoas com mobilidade reduzida.

Não é difícil encontrar locais públicos que não estão preparados para receber pessoas com deficiência locomotiva ou mesmo senhores e senhoras de idade com dificuldade de locomoção.

Porém, enquanto que para garantir a mobilidade nos espaços públicos é preciso muitas vezes lutar por esse direito, deixar a nossa própria casa adaptada e pronta para trazer mais comidade a quem não anda, é muito mais fácil.

Quer saber como? Continue lendo!

O que é acessibilidade?

Segundo o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei Federal nº 13.146/2015), acessibilidade é:

possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação, inclusive seus sistemas e tecnologias, bem como de outros serviços e instalações abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida;”

No caso dos locais privados, isso significa garantir que escadas e as instalações da sua casa não sejam um problema. Mas como conseguir isso?

Com os elevadores de acessibilidade.

Como funciona um elevador de acessibilidade?

Os elevadores são equipamentos responsáveis por transportar bens e pessoas na vertical ou horizontal. Esse equipamento tem exigências de construção menos rigorosas que os elevadores convencionais pelo fato de ter limitações de percurso e velocidade, sendo mais econômico e seguro, já que possui vedação de todos os lados.

A ABNT, que dita as regras de segurança para esses equipamentos, permite o uso de quatro categorias diferentes de elevadores para acessibilidade, condicionadas ao percurso — desnível que o elevador atende, considerando todos os andares —, sendo que a altura máxima de deslocamento é de até 12 metros.

Os elevadores são uma ótima maneira de ganhar fácil acesso para os andares superiores, garagem, quintal, ou outras área da casa, sem contar que são bem simples de operar.

Além de usar menos espaço do que um elevador tradicional, essa opção é uma solução de acessibilidade rentável, projetada para ser instalada no interior ou no exterior de sua residencia.

Posso ter um elevador dentro da minha casa?

Não só pode como deve! Existem normas específicas para a construção desse tipo de elevador tanto em residências quanto em locais públicos. São as seguintes:

NMB 13.994 – Norma ABNT para elevadores de passageiros. Elevadores para transporte de pessoas portadoras de deficiência em locais públicos ou privados com acesso público.

NM 313 – Elevadores de passageiros. Requisitos de segurança para construção e instalação (particular para a acessibilidade de pessoas, incluindo pessoas com deficiência).

Quais os cuidados devo ter na hora de instalar um elevador de acessibilidade?

Seja qual for o modelo que você escolher, é preciso avaliar bem o local e contar com a ajuda de um profissional para fazer o projeto. Para que isso seja feito de maneira correta, entre em contato com um arquiteto e peça um exame do ambiente. Ele examinará as condições do solo, espaço e energia elétrica.

Adquirir um elevador de acessibilidade pode ser um investimento alto, mas ainda tem a vantagem de valorizar o imóvel em cerca de 25%.

Pense bem antes de adquirir qualquer forma de acessibilidade e procure uma empresa série e competente para realizar o serviço de instalação para você. O mesmo pode durar de duas a três semanas, dependendo do projeto.

E se você também quer ganhar comodidade e conforto, entre em contato conosco e converse com um dos nossos consultores para saber como podemos ajudá-lo!