Escolha uma Página
Por que considerar a acessibilidade em piscinas?

Por que considerar a acessibilidade em piscinas?

Muitas pessoas gostam de piscinas, mas nem todos podem usá-las com segurança e facilidade — não sem um pouco de ajuda pelo menos. Esse pensamento provavelmente já ocorreu a muitas pessoas que veem em canais de comunicação notícias envolvendo piscinas que saem a cada ano.

Essa é também uma realidade para muitos adultos e idosos com problemas de mobilidade, que muitas vezes têm dificuldade para entrar e sair de uma piscina usando o equipamento padrão. Felizmente, existem muitas maneiras de considerar a acessibilidade em piscinas e fazer um projeto mais seguro e acessível para pessoas de diferentes idades e habilidades.

Você pode começar escolhendo o estilo e as dimensões corretos. A partir daí, considere recursos extras que tornam as coisas mais fáceis para todas as pessoas que usarão sua piscina, seja ela particular ou pública.

Aqui estão algumas ideias sobre a adaptação de sua piscina para atender às necessidades de todos. Observe que a maioria das sugestões mencionadas aqui não são exigidas por lei, a menos que você esteja construindo uma piscina pública. Nesse caso, você deve também se familiarizar com os requisitos de seus códigos de construção locais e da Lei de Acessibilidade.

Segurança para crianças

Há uma abundância de recursos de piscina que podem ajudá-lo a proteger as crianças contra danos, mas nenhum deles pode tomar o lugar de uma boa e antiga supervisão de um adulto. Portanto, no caso de uma piscina em casa, deve ser considerada a instalação perto da casa onde os pais podem manter um olho nas coisas.

Você também pode querer considerar uma piscina rasa que permite que as crianças toquem no fundo na maioria ou em todos os pontos.

Finalmente, é importante isolar a piscina com uma cerca que atenda a certos requisitos mínimos de altura. Você também pode querer instalar alarmes em todos os portões ou portas que dão acesso à piscina. Existem ainda sistemas que detectam distúrbios na água.

Acessibilidade em piscinas para idosos

A questão principal para muitos idosos é a mobilidade. Assim, a piscina perfeita para os idosos incluiria alguma forma de acesso “andável”, como por exemplo uma rampa. Corrimãos também são práticos para se locomover dentro e fora da água.

Contudo, se essa não é uma possibilidade viável para sua piscina, você pode considerar usar um elevador de acessibilidade.

Fácil de usar e de acordo com todas as normas de segurança, esses elevadores são desenvolvidos especialmente para aumentar a acessibilidade em piscinas e facilitar o acesso às piscinas residenciais, de clubes, escolas, ONGs ou mesmo clínicas de fisioterapia.

Para manter as coisas confortáveis ​​para os nadadores mais velhos, planejar aquecimento adicional da piscina. Temperaturas de água mais frias que a maioria das pessoas acham refrescante pode ser desagradavelmente arrepiante para os idosos. Um spa anexado, além de ser terapêutico por direito próprio, pode ajudar as pessoas mais velhas se aquecer depois de nadar.

Finalmente, as pessoas mais velhas podem ter uma variedade de condições médicas a serem levadas em conta. Se é parte do seu projeto de piscina ou não, você deve ter algum tipo de sistema de alerta médico no local para se certificar de que a ajuda pode chegar rapidamente se surgir um problema.

Acessibilidade para pessoas com deficiência

A acessibilidade em piscinas também deve ser pensada para pessoas em cadeira de rodas. Muitas pessoas com deficiência estão familiarizadas com os benefícios da terapia aquática. Você pode desfrutar destes mesmos benefícios em casa, instalando um spa de natação ou algum outro tipo de piscina terapêutica.

Piscinas tradicionais oferecem algo que as piscinas especiais não podem — uma chance de socializar com os outros. Muitas pessoas com deficiência simplesmente querem brincar, competir, e se divertir na água com outras pessoas. E com o equipamento certo, eles podem.

O elevador para acessibilidade também é recomendado para cadeirantes e pessoas com alguma deficiência motora.

Com funcionamento hidráulico ou rosca sem fim (fuso), e com assento giratório, o equipamento além de confortável, propicia também mais independência ao cadeirante ou portador de necessidades especiais. A instalação é fácil e totalmente segura, criando um diferencial para sua casa ou seu negócio.

Enquanto você está planejando seu projeto, não se esqueça da área ao redor da piscina, que pode precisar de customizações como corrimãos, decking antiderrapante e acessibilidade para cadeiras de rodas.

Pensar na acessibilidade em piscinas, equipando-as para pessoas de necessidades diversas, não é tão difícil quanto parece e pode trazer inúmeros benefícios. Muitas das sugestões acima apenas exigem um pouco de premeditação. Piscinas são um ótimo lugar para as pessoas se reunirem, então por que não se certificar de que todos podem apreciá-lo igualmente?

Conheça nosso elevador de acessibilidade para piscina e veja como ele pode te ajudar a tornar sua casa ou negócio mais acessível!

Acessibilidade: 5 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida

Acessibilidade: 5 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida

Calçadas sem rampas, escadas, acesso ao transporte coletivo são alguns dos desafios enfrentados diariamente por quem tem mobilidade reduzida. Atividades das mais simples podem se tornar um sacrifício, principalmente no Brasil, onde as leis de acessibilidade são recentes e ainda pouco adotadas em espaços públicos.

Contudo, existem algumas alternativas que podem tornar a vida de idosos e portadores de deficiência física melhor. No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais obstáculos enfrentados e o que vêm sendo feito para que eles sejam superados! Acompanhe conosco:

1. Acesso ao transporte público

O direito de ir e vir é garantido a todos na Constituição. Contudo, quando pensamos em portadores de deficiência física e pessoas com dificuldade de locomoção não é bem isso que vemos.

O transporte público é um dos principais desafios enfrentados. Mesmo em cidades onde parte da frota já possui veículos adaptados para receber pessoas em cadeiras de rodas, o sistema ainda apresenta diversos outros problemas.

Além de muitas vezes ter que esperar mais de uma hora pelo ônibus adaptado, os portadores de deficiência ainda precisam lidar com motoristas mal treinados e passageiros impacientes em ter que esperar a subida do cadeirante.

Apesar da acessibilidade já ser lei, ainda é preciso investir em políticas públicas que melhorem o sistema de transporte coletivo. Veículos com piso mais baixo, por exemplo, que dispensem o uso dos elevadores e utilizem rampas de acesso poderiam tornar a vida do motorista e do cadeirante muito mais simples.

2. Movimentação na cidade

Além da dificuldade de ir e vir até os lugares, ainda há os problemas de acesso dos locais em si. Restaurantes e espaços públicos nem sempre são adaptados para receber pessoas com dificuldade de locomoção. Além da falta de rampas, como esses locais querem construir banheiros pequenos para aproveitar melhor o espaço com mesas e cadeiras, é raro encontrar cabines adaptadas para pessoas em cadeiras de rodas.

Alguns aplicativos já existem para que os locais públicos sejam classificados de acordo com sua acessibilidade, facilitando a vida do deficiente, como o O Wheel Map. O app mostra em um mapa todos os estabelecimentos da cidade, classificando-os entre verde (perfeitamente acessível para deficientes), amarelo (acessível mas ainda com alguns problemas) e vermelho (nada acessível).

O grande problema é que, por se tratar de um app colaborativo, muitos estabelecimentos ainda estão na cor cinza, ou seja, ainda não foram classificados e estão aguardando as notas dos usuários.

3. Locomoção dentro de casa

Quem acha que as dificuldades enfrentadas por quem tem dificuldade de locomoção estão só nos locais públicos está bem enganado. Se locomover dentro de casa também pode ser um desafio, principalmente em construções com escadas.

É preciso adaptar os ambientes para tornar a vida de deficientes mais fácil, aumentando a largura das portas e instalando corrimões nos banheiros. Além disso, as novas tecnologias permitiram que essas pessoas pudessem contar com maiores facilidades, como a instalação de um elevador de acessibilidade dentro de casa.

Existem diversos modelos que permitem a adaptação mesmo em residências já construídas, fornecendo uma ótima alternativa aos deficientes.

4. Acesso a piscinas

Mesmo entrar em piscinas pode ser um grande desafio para quem não tem 100% da mobilidade. Normalmente, o acesso a essas é feito por escadas, o que dificulta muito a vida de deficientes e pessoas com dificuldade de locomoção, principalmente no caso de quem não possui força nos braços.

Além do obstáculo em si, ainda é preciso pensar no quesito segurança, visto que nesses casos uma pessoa com deficiência poderia facilmente se afogar. É por isso que hoje muitos locais com piscinas públicas estão passando a investir em elevadores para piscinas, que além de ajudar o cadeirante a entrar sem problemas, ainda aumenta a segurança do mesmo dentro da água.

5. Preconceito e acessibilidade atitudinal

Por último, ainda há o desafio cultural e social enfrentado por quem tem dificuldade de locomoção. Apesar do aumento no número de pessoas que se declararam deficientes no Censo de 2010 do IBGE, o que pode significar uma aceitação maior da população, eles ainda enfrentam muitos preconceitos diários que agravam ainda mais os demais obstáculos.

Enquanto a acessibilidade dos espaços e construções é lei, a atitudinal, que tem a ver com o comportamento das pessoas sem deficiência, ainda é um grande problema. Carros parados em frente às rampas das calçadas ou em vagas destinadas aos deficientes são só alguns deles. Os passageiros do transporte coletivo sem paciência também, e é preciso não só investir em mais políticas que tornem espaços e ônibus mais acessíveis, mas que torne a cabeça das pessoas mais aberta e empática aos problemas do deficiente físico.

E você, o que acha? Quais obstáculos enfrenta diariamente e qual acha que seria a melhor solução para resolvê-lo? Comente abaixo e compartilhe conosco!

Por que considerar a acessibilidade no seu projeto?

Por que considerar a acessibilidade no seu projeto?

No Brasil, a grande maioria dos espaços públicos possui uma característica em comum: a falta de acessibilidade. Não é difícil encontrar estações de ônibus, escolas, supermercados, praças e outros locais que acabam segregando os deficientes físicos e tornam sua vida muito mais difícil.

O cenário não é muito diferente no mercado imobiliário: apesar de o Brasil ter 45,6 milhões de pessoas com alguma deficiência física e uma população geral com expectativa de vida atingindo os 71,2 anos para homens e 78,5 anos para mulheres, segundo dados do IBGE, o mercado imobiliário ainda caminha a passos lentos para atender pessoas com dificuldade de locomoção.

Houve um tempo em que acessibilidade não era algo obrigatório, e poucos empresários e engenheiros de obras adicionavam tais melhorias em seus projetos, entretanto as coisas evoluem e nos dias de hoje, acessibilidade é algo indispensável.

Acessibilidade do projeto é lei

Em todo o país, empreendimentos estão sendo construídos a cada momento. Porém, a inclusão dos conceitos de mobilidade nas obras para beneficiar portadores de deficiência física ou idosos ainda são tímidas, mesmo com leis que defendem a acessibilidade.

Há atualmente no país muitas legislações voltadas para o assunto, que estão em vigor há pelo menos uma década. Como a norma federal NBR 9050, de 1994, revisada pela terceira vez em 2015, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção dos portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida.

É possível encontrar construções que abraçaram a causa, mas em outras a acessibilidade não passa do hall da entrada. Rampas, portas maiores e sinalização em braile são alguns dos elementos que respeitam aqueles com limitações, mas ainda é preciso investir em outros itens, como áreas de lazer, banheiros e elevadores acessíveis.

Contudo, mais do que cumprir normas, essa é uma oportunidade para o mercado imobiliário.

Um mercado com potencial inexplorado

Como mostramos, o número de deficientes no país, segundo o último censo do IBGE, é alto. Isso sem contar que a população está envelhecendo e a expectativa de vida aumentando, gerando mais pessoas com possíveis problemas de locomoção.

Para esse público, adaptar uma casa ou um apartamento às suas necessidade tem um custo muito alto, com o qual, muitas vezes, não conseguem arcar. É por isso que investir na acessibilidade de novos projetos também é uma forma de conquistar novos clientes.

Além de ser uma obrigação legal, essa é uma ótima estratégia comercial para atrair uma grande fatia de consumidores, de mais de 45 milhões de brasileiros. Isso porque o custo presente desde a elaboração do projeto é pouco se comparado com o valor das adaptações feitas no imóvel pronto, o que aumenta consideravelmente a procura por imóveis já adaptados.

Custo baixo frente aos retornos

É comum encontrar projetos que não investiram na sua acessibilidade por acharem que as adaptações aumentariam os custos da obra, porém, o que se gasta com a acessibilidade no fim das contas representa apenas uma pequena parcela do orçamento total do projeto, pequena esta que é facilmente paga vendo o total retorno do investimento.

Um investimento pequeno aos ganhos de respeitar uma legislação defendida internacionalmente e um mercado que clama por ser atendido.

A acessibilidade é um dos objetivos do milênio da Organização das Nações Unidas (ONU). Isso significa que cada dia mais e mais a acessibilidade do seu projeto será um item questionado e exigido pelo mercado.

E você não quiser ficar para trás, precisa se mover agora! Entre em contato conosco e conheça nossas opções de elevadores para melhorar a mobilidade dos usuários no seu projeto!

Como pessoas com mobilidade reduzida podem ter um maior conforto?

Como pessoas com mobilidade reduzida podem ter um maior conforto?

O direito de ir e vir está reservado a todo cidadão brasileiro pela Constituição. Mas nós bem sabemos que ele nem sempre é respeitado, principalmente quando pensamos em pessoas com mobilidade reduzida.

Não é difícil encontrar locais públicos que não estão preparados para receber pessoas com deficiência locomotiva ou mesmo senhores e senhoras de idade com dificuldade de locomoção.

Porém, enquanto que para garantir a mobilidade nos espaços públicos é preciso muitas vezes lutar por esse direito, deixar a nossa própria casa adaptada e pronta para trazer mais comidade a quem não anda, é muito mais fácil.

Quer saber como? Continue lendo!

O que é acessibilidade?

Segundo o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei Federal nº 13.146/2015), acessibilidade é:

possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação, inclusive seus sistemas e tecnologias, bem como de outros serviços e instalações abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida;”

No caso dos locais privados, isso significa garantir que escadas e as instalações da sua casa não sejam um problema. Mas como conseguir isso?

Com os elevadores de acessibilidade.

Como funciona um elevador de acessibilidade?

Os elevadores são equipamentos responsáveis por transportar bens e pessoas na vertical ou horizontal. Esse equipamento tem exigências de construção menos rigorosas que os elevadores convencionais pelo fato de ter limitações de percurso e velocidade, sendo mais econômico e seguro, já que possui vedação de todos os lados.

A ABNT, que dita as regras de segurança para esses equipamentos, permite o uso de quatro categorias diferentes de elevadores para acessibilidade, condicionadas ao percurso — desnível que o elevador atende, considerando todos os andares —, sendo que a altura máxima de deslocamento é de até 12 metros.

Os elevadores são uma ótima maneira de ganhar fácil acesso para os andares superiores, garagem, quintal, ou outras área da casa, sem contar que são bem simples de operar.

Além de usar menos espaço do que um elevador tradicional, essa opção é uma solução de acessibilidade rentável, projetada para ser instalada no interior ou no exterior de sua residencia.

Posso ter um elevador dentro da minha casa?

Não só pode como deve! Existem normas específicas para a construção desse tipo de elevador tanto em residências quanto em locais públicos. São as seguintes:

NMB 13.994 – Norma ABNT para elevadores de passageiros. Elevadores para transporte de pessoas portadoras de deficiência em locais públicos ou privados com acesso público.

NM 313 – Elevadores de passageiros. Requisitos de segurança para construção e instalação (particular para a acessibilidade de pessoas, incluindo pessoas com deficiência).

Quais os cuidados devo ter na hora de instalar um elevador de acessibilidade?

Seja qual for o modelo que você escolher, é preciso avaliar bem o local e contar com a ajuda de um profissional para fazer o projeto. Para que isso seja feito de maneira correta, entre em contato com um arquiteto e peça um exame do ambiente. Ele examinará as condições do solo, espaço e energia elétrica.

Adquirir um elevador de acessibilidade pode ser um investimento alto, mas ainda tem a vantagem de valorizar o imóvel em cerca de 25%.

Pense bem antes de adquirir qualquer forma de acessibilidade e procure uma empresa série e competente para realizar o serviço de instalação para você. O mesmo pode durar de duas a três semanas, dependendo do projeto.

E se você também quer ganhar comodidade e conforto, entre em contato conosco e converse com um dos nossos consultores para saber como podemos ajudá-lo!