Escolha uma Página
Acessibilidade: onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

Acessibilidade: onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

Instalar um elevador de acessibilidade em sua casa não apenas gera um diferencial à sua propriedade, mas tem tantas vantagens de acessibilidade e facilidade de uso que um dia os elevadores residenciais poderão tornar as escadas obsoletas.

A instalação simples, combinada com os benefícios que os elevadores residenciais oferecem em termos de mobilidade, impulsionaram um aumento no número de pessoas que querem essa tecnologia inteligente para suas próprias casas.

Mas na hora de instalar o elevador residencial, algumas perguntas precisam ser respondidas, incluindo o lugar ideal para colocar o equipamento. Continue lendo e saiba tudo que precisa saber antes de instalar seu elevador de acessibilidade!

Melhorando a acessibilidade com a instalação de um elevador residencial

Não há dúvidas de que um elevador residencial torna a casa mais acessível para todos os moradores do que uma escada. Se você, uma visita ou um membro da família tem uma deficiência, ou precisa carregar crianças de um andar a outro, o elevador é uma maneira mais simples e segura de se deslocar.

Os elevadores residenciais melhoram particularmente a acessibilidade para pessoas com deficiência que vivem sozinhas, pois ele elimina a dependência de ajuda para se deslocar dentro da própria moradia.

Além disso, para muitas pessoas, chega um momento em que uma casa, de mais de um andar, já não é apropriada por causa dos riscos físicos e problemas que podem estar presentes após uma certa idade. Um elevador residencial poderia significar a diferença entre permanecer por um longo tempo no mesmo imóvel ou ter que se mudar.

Isso porque a instalação de um elevador residencial supera essas questões, proporcionando uma maneira fácil e sem problemas de se mover entre os andares e de eliminar as chances de acidentes.

O que saber para instalar o elevador residencial

A desvantagem do fato de que as escadas já vêm prontas com o imóvel é que você raramente tem alguma opinião sobre o local em que eles estão situadas ou como elas são construídos. Os elevadores residenciais, por outro lado, podem ser instalados em qualquer lugar.

Com uma variedade de tamanhos diferentes, o elevador pode caber em um espaço do mesmo tamanho que um armário e ser instalado como uma unidade autônoma, sem a necessidade de criar um fosso ou fazer mudanças estruturais no imóvel.

Existem duas opções principais na hora de escolher o local de instalação do seu elevador de acessibilidade, que são:

•  Elevador residencial no interior da casa: dentro de casa, o elevador poderá ficar, por exemplo, ao lado das escadas. Outra ideia é aproveitar o vão da escada para fazer a integração da caixa que leva a cabine do elevador. O importante é que haja uma altura mínima de 2,45 m no último piso e um pequeno vão de 10 cm abaixo do equipamento;

•  Elevador residencial no exterior da casa: nos espaços externos à residência, a instalação é feita por meio de alguma das paredes de acesso. Poderão ser utilizadas portas ou varandas superiores para permitir a entrada e saída da moradia. Na instalação, serão contemplados todos os ajustes para este acesso. O elevador poderá ser panorâmico para potencializar a beleza estética e permitir mais visibilidade.

Hoje em dia, os elevadores residenciais, também conhecidos como homelifts, podem ser instalados em quase todos os espaços de uma casa. São diversos tipos de elevadores disponíveis e opções de personalização que vão atender sob medida as necessidades da sua casa e dos moradores.

Instalar um elevador de acessibilidade é incrivelmente simples, independentemente do local escolhido. Uma vez que estão devidamente instalados, os elevadores residenciais aumentam a acessibilidade e fazem as escadas um problema do passado.

E você, está pensando em adquirir um elevador de acessibilidade para sua casa? Conheça os elevadores da JE e consulte nossos preços!

O que é e como é feita a reabilitação de edifício?

O que é e como é feita a reabilitação de edifício?

O crescimento vertical das grandes cidades não é de agora. Desde a década de 80, quando a vida em apartamento passou a se popularizar, cada vez mais vemos um horizonte cercado de prédios e edifícios.

Isso significa que, principalmente nas grandes cidades, o número de prédios antigos não é pequeno. Nos grandes centros e em bairros tradicionais, inclusive, eles dominam o cenário.

O grande problema, contudo, é que essas construções foram feitas para demandas antigas, passando não mais a atender as necessidades do homem moderno. É aí, então que surgiu uma demanda no mercado pela reabilitação de edifício.

Continue lendo e descubra como a reabilitação é feita e o que você deve considerar na hora de montar o seu projeto!

Afinal, o que é a reabilitação de edifício?

Reabilitar um edifício é como chegar à sua mesa de escritório que está há dias sem ser organizada e colocar tudo no lugar novamente. Você vai fazer aquela limpa nas gavetas, na mesa, e ainda acrescentar novas ferramentas, como um organizador de papéis, que poderão otimizar a distribuição dos itens e ainda o seu trabalho.

A reabilitação acontece seguindo o mesmo processo, porém aplicado à arquitetura e à engenharia. Isso porque edifícios antigos perdem com o tempo muito de sua usabilidade, e é preciso pensar em como adaptá-los às necessidades atuais.

Isso é válido tanto para edifícios comerciais quanto residenciais. Mais do que uma simples reforma, a reabilitação de edifício envolve uma série de ações que buscam modernizar a construção, corrigir falhas, readequar instalações e deixá-la mais funcional para atender melhor o usuário moderno.

Como é feita a reabilitação de edifício?

Qualquer prédio antigo, como falamos, perde funcionalidades com o passar do tempo e precisa de adaptações. Essas adaptações envolvem não só itens para atender novas demandas do consumidor, mas também adequar o edifício às novas leis e exigências legais que também mudam ao longo dos anos.

O conceito de reabilitação busca revitalizar o prédio, conservando seus aspectos originais, mas adaptando-os para atender novos padrões. Para começar, é feito um estudo verificando a viabilidade econômica do projeto. Em seguida, será feita a elaboração dos estudos preliminares de viabilidade técnica, elaboração do projeto e avaliação da relação entre custo e benefício.

A reabilitação de edifício não só traz benefícios para quem efetivamente usa a edificação, sejam moradores ou funcionários de uma empresa, como também ajuda a reduzir gastos com manutenções e com a conta de energia (aumentando a eficiência energética dos sistemas do edifício).

Por que pensar na acessibilidade durante uma reabilitação de edifício?

Entre as diversas demandas que devem ser cumpridas em um projeto de reabilitação, podemos destacar a necessidade de deixar o edifício acessível para pessoas com deficiência ou dificuldade de locomoção.

Isso porque, em primeiro lugar, a acessibilidade atualmente é lei. Há no país muitas legislações voltadas para o assunto, que estão em vigor há pelo menos uma década. Como a norma federal NBR 9050, de 1994, revisada pela terceira vez em 2015, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção dos portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida.

Outro ponto a se considerar é que além dos 45.6 milhões de brasileiros com alguma deficiência física, a população do país está envelhecendo, com expectativa de vida atingindo os 71,2 anos para homens e 78,5 anos para mulheres, segundo dados do IBGE.

Ou seja, a acessibilidade é uma demanda cada vez maior para atender esse público. Os projetos de reabilitação de edifícios, portanto, devem seguir essa tendência e pensar não só instalação de rampas e elevadores de acessibilidade que facilitem a vida de quem tem dificuldade locomoção.

Gostou de aprender sobre a reabilitação de edifícios? Curta nossa página no Facebook e acompanhe de perto todas as nossas novidades!