Escolha uma Página
Elevadores residenciais: tire todas as suas dúvidas!

Elevadores residenciais: tire todas as suas dúvidas!

Os elevadores residenciais hoje em dia fazem a vida das pessoas ficarem muito melhor em suas casas. Eles proporcionam facilidade de deslocamento e acessibilidade onde mais importa: no lar.

Mas a decisão de se optar por elevadores residenciais deve ser feita com cuidado, e não deve haver dúvidas sobre o seu funcionamento.

Pensando nisso, neste artigo vamos esclarecer as principais questões sobre os elevadores residenciais. Continue a leitura para ter todas as suas perguntas respondidas!

1 – Qualquer casa pode ter elevadores residenciais?

Com o advento de novas tecnologias, os elevadores residenciais hoje em dia são muito mais práticos de montar e instalar, pois dispensam o fosso e a caixa de máquinas.

Dessa forma, tudo o que você precisa é de um espaço reduzido, com cerca de um metro e meio, e pronto! Você já pode instalar um dos modelos mais populares de elevadores residenciais, que comporta até três pessoas ou um cadeirante com um acompanhante.

O mais interessante dos elevadores residenciais é que eles não precisam ser instalados enquanto a casa é construída. Por possuírem uma estrutura própria, a instalação é fácil e rápida, e pode ser feita na maioria das casas com alterações mínimas.

2 – Elevadores residenciais são caros?

Para responder essa pergunta, precisamos entender o contexto da instalação do elevador. O valor pode assustar inicialmente, mas a abordagem mais recomendada para avaliar os preços dos elevadores residenciais deve levar em consideração o custo benefício.

Se alguém na sua casa precisa do auxílio de elevadores residenciais para se locomover com conforto e segurança, então a instalação de elevadores residenciais é absolutamente necessária.

Portanto, o preço se justifica pela sua utilidade. A pergunta a se fazer não é sobre o quanto você irá gastar com elevadores residenciais, mas sim o quanto você precisa deles para melhorar a vida de quem você ama. Quanto mais ele for usado, melhor será o custo benefício.

3 – Elevadores residenciais consomem muita energia?

Os elevadores residenciais podem ser ligados na sua rede padrão de 230V que funcionarão sem problemas, e não gastam tanta energia quanto pode parecer quando estão em funcionamento.

E o melhor de tudo é que na sua função stand-by, os elevadores residenciais gastam ainda menos energia, chegando a níveis mínimos de consumo, quase imperceptíveis. Ou seja, você praticamente só gasta uma quantidade considerável de energia quando os elevadores residenciais estão funcionando.

Pode ficar tranquilo: o impacto que os elevadores residenciais tem na sua conta de luz é bem menor do que a maioria das pessoas assume que vai ser.

4 – Os elevadores residenciais são seguros?

A segurança deve ser a sua preocupação principal ao instalar elevadores residenciais, já que quem irá se utilizar deles é a sua família e entes queridos.

Mas não precisa se preocupar: os elevadores residenciais são muito seguros, desde que você escolha o fornecedor certo. Existem padrões nacionais que regulam a segurança do elevador, e ele é considerado há anos o meio de transporte mais seguro do mundo.

Os elevadores residenciais de fornecedores idôneos possuem enclausuramento total para evitar quedas, sistemas de freios de emergência e sistemas de válvula de recuo para que ninguém fique preso caso a energia acabe.

Portanto, desde que o seu fornecedor seja confiável, não há com o que se preocupar! Também fique de olho nas peças utilizadas, se são todas novas e certificadas pela fabricante, e não deixe de perguntar para o montador em casos de dúvidas na instalação e no uso dos elevadores residenciais.

5 – Quando devem ser feitas as manutenções?

Para que a segurança dos elevadores residenciais seja preservada, é importante que as manutenções sejam feitas periodicamente, dentro do período estabelecido pelo fabricante.

As manutenções dos elevadores residenciais devem ser feitas no mínimo de 2 em 2 meses, para que nenhum problema possa surgir com o desgaste natural do equipamento.

Também é muito importante que somente uma equipe autorizada trabalhe nessas manutenções, de preferência a recomendada pelo fabricante ou pela distribuidora. Terceiros podem interferir nos mecanismos intrincados de segurança dos elevadores residenciais e torná-los inseguros.

Viu só? Os elevadores residenciais são mais fáceis de lidar do que a maioria das pessoas imagina, e trazem muito mais qualidade de vida para os nossos familiares que precisam de uma ajuda a mais para se locomover pela casa.

Esperamos que você tenha conseguido tirar suas maiores dúvidas sobre os elevadores residenciais. Quer saber mais sobre acessibilidade e soluções para melhorar a locomoção em casa e no seu negócio? Venha conhecer nosso blog!

Acessibilidade: onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

Acessibilidade: onde instalar o elevador residencial para facilitar a mobilidade em casa?

Instalar um elevador de acessibilidade em sua casa não apenas gera um diferencial à sua propriedade, mas tem tantas vantagens de acessibilidade e facilidade de uso que um dia os elevadores residenciais poderão tornar as escadas obsoletas.

A instalação simples, combinada com os benefícios que os elevadores residenciais oferecem em termos de mobilidade, impulsionaram um aumento no número de pessoas que querem essa tecnologia inteligente para suas próprias casas.

Mas na hora de instalar o elevador residencial, algumas perguntas precisam ser respondidas, incluindo o lugar ideal para colocar o equipamento. Continue lendo e saiba tudo que precisa saber antes de instalar seu elevador de acessibilidade!

Melhorando a acessibilidade com a instalação de um elevador residencial

Não há dúvidas de que um elevador residencial torna a casa mais acessível para todos os moradores do que uma escada. Se você, uma visita ou um membro da família tem uma deficiência, ou precisa carregar crianças de um andar a outro, o elevador é uma maneira mais simples e segura de se deslocar.

Os elevadores residenciais melhoram particularmente a acessibilidade para pessoas com deficiência que vivem sozinhas, pois ele elimina a dependência de ajuda para se deslocar dentro da própria moradia.

Além disso, para muitas pessoas, chega um momento em que uma casa, de mais de um andar, já não é apropriada por causa dos riscos físicos e problemas que podem estar presentes após uma certa idade. Um elevador residencial poderia significar a diferença entre permanecer por um longo tempo no mesmo imóvel ou ter que se mudar.

Isso porque a instalação de um elevador residencial supera essas questões, proporcionando uma maneira fácil e sem problemas de se mover entre os andares e de eliminar as chances de acidentes.

O que saber para instalar o elevador residencial

A desvantagem do fato de que as escadas já vêm prontas com o imóvel é que você raramente tem alguma opinião sobre o local em que eles estão situadas ou como elas são construídos. Os elevadores residenciais, por outro lado, podem ser instalados em qualquer lugar.

Com uma variedade de tamanhos diferentes, o elevador pode caber em um espaço do mesmo tamanho que um armário e ser instalado como uma unidade autônoma, sem a necessidade de criar um fosso ou fazer mudanças estruturais no imóvel.

Existem duas opções principais na hora de escolher o local de instalação do seu elevador de acessibilidade, que são:

•  Elevador residencial no interior da casa: dentro de casa, o elevador poderá ficar, por exemplo, ao lado das escadas. Outra ideia é aproveitar o vão da escada para fazer a integração da caixa que leva a cabine do elevador. O importante é que haja uma altura mínima de 2,45 m no último piso e um pequeno vão de 10 cm abaixo do equipamento;

•  Elevador residencial no exterior da casa: nos espaços externos à residência, a instalação é feita por meio de alguma das paredes de acesso. Poderão ser utilizadas portas ou varandas superiores para permitir a entrada e saída da moradia. Na instalação, serão contemplados todos os ajustes para este acesso. O elevador poderá ser panorâmico para potencializar a beleza estética e permitir mais visibilidade.

Hoje em dia, os elevadores residenciais, também conhecidos como homelifts, podem ser instalados em quase todos os espaços de uma casa. São diversos tipos de elevadores disponíveis e opções de personalização que vão atender sob medida as necessidades da sua casa e dos moradores.

Instalar um elevador de acessibilidade é incrivelmente simples, independentemente do local escolhido. Uma vez que estão devidamente instalados, os elevadores residenciais aumentam a acessibilidade e fazem as escadas um problema do passado.

E você, está pensando em adquirir um elevador de acessibilidade para sua casa? Conheça os elevadores da JE e consulte nossos preços!

O que é e como é feita a reabilitação de edifício?

O que é e como é feita a reabilitação de edifício?

O crescimento vertical das grandes cidades não é de agora. Desde a década de 80, quando a vida em apartamento passou a se popularizar, cada vez mais vemos um horizonte cercado de prédios e edifícios.

Isso significa que, principalmente nas grandes cidades, o número de prédios antigos não é pequeno. Nos grandes centros e em bairros tradicionais, inclusive, eles dominam o cenário.

O grande problema, contudo, é que essas construções foram feitas para demandas antigas, passando não mais a atender as necessidades do homem moderno. É aí, então que surgiu uma demanda no mercado pela reabilitação de edifício.

Continue lendo e descubra como a reabilitação é feita e o que você deve considerar na hora de montar o seu projeto!

Afinal, o que é a reabilitação de edifício?

Reabilitar um edifício é como chegar à sua mesa de escritório que está há dias sem ser organizada e colocar tudo no lugar novamente. Você vai fazer aquela limpa nas gavetas, na mesa, e ainda acrescentar novas ferramentas, como um organizador de papéis, que poderão otimizar a distribuição dos itens e ainda o seu trabalho.

A reabilitação acontece seguindo o mesmo processo, porém aplicado à arquitetura e à engenharia. Isso porque edifícios antigos perdem com o tempo muito de sua usabilidade, e é preciso pensar em como adaptá-los às necessidades atuais.

Isso é válido tanto para edifícios comerciais quanto residenciais. Mais do que uma simples reforma, a reabilitação de edifício envolve uma série de ações que buscam modernizar a construção, corrigir falhas, readequar instalações e deixá-la mais funcional para atender melhor o usuário moderno.

Como é feita a reabilitação de edifício?

Qualquer prédio antigo, como falamos, perde funcionalidades com o passar do tempo e precisa de adaptações. Essas adaptações envolvem não só itens para atender novas demandas do consumidor, mas também adequar o edifício às novas leis e exigências legais que também mudam ao longo dos anos.

O conceito de reabilitação busca revitalizar o prédio, conservando seus aspectos originais, mas adaptando-os para atender novos padrões. Para começar, é feito um estudo verificando a viabilidade econômica do projeto. Em seguida, será feita a elaboração dos estudos preliminares de viabilidade técnica, elaboração do projeto e avaliação da relação entre custo e benefício.

A reabilitação de edifício não só traz benefícios para quem efetivamente usa a edificação, sejam moradores ou funcionários de uma empresa, como também ajuda a reduzir gastos com manutenções e com a conta de energia (aumentando a eficiência energética dos sistemas do edifício).

Por que pensar na acessibilidade durante uma reabilitação de edifício?

Entre as diversas demandas que devem ser cumpridas em um projeto de reabilitação, podemos destacar a necessidade de deixar o edifício acessível para pessoas com deficiência ou dificuldade de locomoção.

Isso porque, em primeiro lugar, a acessibilidade atualmente é lei. Há no país muitas legislações voltadas para o assunto, que estão em vigor há pelo menos uma década. Como a norma federal NBR 9050, de 1994, revisada pela terceira vez em 2015, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção dos portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida.

Outro ponto a se considerar é que além dos 45.6 milhões de brasileiros com alguma deficiência física, a população do país está envelhecendo, com expectativa de vida atingindo os 71,2 anos para homens e 78,5 anos para mulheres, segundo dados do IBGE.

Ou seja, a acessibilidade é uma demanda cada vez maior para atender esse público. Os projetos de reabilitação de edifícios, portanto, devem seguir essa tendência e pensar não só instalação de rampas e elevadores de acessibilidade que facilitem a vida de quem tem dificuldade locomoção.

Gostou de aprender sobre a reabilitação de edifícios? Curta nossa página no Facebook e acompanhe de perto todas as nossas novidades!

Elevador de acessibilidade pode valorizar o seu imóvel?

Elevador de acessibilidade pode valorizar o seu imóvel?

O Brasil está envelhecendo. A projeção é de que até 2040 mais da metade da população brasileira (56%) tenha mais do que 45 anos. Isso significa que o perfil das casas e apartamentos também vão mudar e se adaptar para essa nova realidade. O que é um luxo hoje, por acabar se tornando uma necessidade amanhã.É o caso do elevador de acessibilidade.

As pessoas sempre procuraram por formas de continuar em suas casa na medida que envelhecem, e a mobilidade dentro de casa pode se tornar um problema em imóveis com mais de um andar. É por isso que o elevador residencial tem sido um item cada vez mais procurado para aumentar a acessibilidade.

Mas como é feita a instalação de um elevador de acessibilidade e quais benefícios ele pode trazer ao dono do imóvel? Acompanhe conosco e descubra!

A instalação de um elevador residencial

Atualmente, fazer a instalação de um elevador de acessibilidade é algo bem mais simples e rápido graças à utilização de novas tecnologias. Esse tipo de equipamento não exige mais a instalação de uma casa de máquinas ou a criação de um fosso para funcionar, sendo necessário, no máximo, apenas 10 cm de distância do equipamento para o chão.

Isso tornou o investimento em elevador de acessibilidade bem mais barato do que era antigamente. O proprietário ainda conta com duas opções principais, o elevador elétrico e o hidráulico. Qualquer uma pode ser projetada em qualquer tipo de residência, seja ela antiga ou nova.

Seja qual for a opção que você escolher, é preciso avaliar bem o local e contar com a ajuda de um profissional para fazer o projeto. Para que isso seja feito de maneira correta, entre em contato com um arquiteto e peça um exame do ambiente. Ele examinará as condições do solo, espaço e energia elétrica, assim indicará o modelo ideal para sua casa.

Para fazer a instalação do seu elevador de acessibilidade, basta que você escolha o local ideal. Pode ser na entrada, ao lado das escadarias ou na parte externa. O importante é a funcionalidade que o elevador trará a todos que moram no local, ajudando a evitar o esforço físico e também possíveis acidentes.

Os benefícios de ter um elevador residencial no seu imóvel

Como falamos, a população está envelhecendo e, cada dia mais, é preciso pensar na mobilidade de pessoas com dificuldade de locomoção dentro de casa. O elevador de acessibilidade, então, surge como a melhor solução para garantir o perfeito deslocamento em imóveis com dois ou mais andares. E com a demanda por esse tipo de equipamento aumentando, ganham aqueles proprietários que se anteciparem e instalarem o elevador em suas residências.

Em média, um elevador de acessibilidade pode valorizar um imóvel de 20% a 25%, e a tendência é que essa valorização aumente na medida que a idade média da população também sobe. Os elevadores são uma ótima maneira de ganhar fácil acesso para os andares superiores, garagem, quintal, ou outras área da casa, sem contar que são bem simples de operar.

Vale dizer também que o elevador de acessibilidade pode combinar perfeitamente com qualquer ambiente de uma residência. Isso porque são diversos modelos disponíveis e um deles, certamente, se adequará ao seu estilo e da sua casa.

Quer valorizar seu imóvel e ganhar conforto dentro de casa? Entre em contato conosco e converse com nossos consultores para saber como podemos ajudá-lo!

Por que considerar a acessibilidade em piscinas?

Por que considerar a acessibilidade em piscinas?

Muitas pessoas gostam de piscinas, mas nem todos podem usá-las com segurança e facilidade — não sem um pouco de ajuda pelo menos. Esse pensamento provavelmente já ocorreu a muitas pessoas que veem em canais de comunicação notícias envolvendo piscinas que saem a cada ano.

Essa é também uma realidade para muitos adultos e idosos com problemas de mobilidade, que muitas vezes têm dificuldade para entrar e sair de uma piscina usando o equipamento padrão. Felizmente, existem muitas maneiras de considerar a acessibilidade em piscinas e fazer um projeto mais seguro e acessível para pessoas de diferentes idades e habilidades.

Você pode começar escolhendo o estilo e as dimensões corretos. A partir daí, considere recursos extras que tornam as coisas mais fáceis para todas as pessoas que usarão sua piscina, seja ela particular ou pública.

Aqui estão algumas ideias sobre a adaptação de sua piscina para atender às necessidades de todos. Observe que a maioria das sugestões mencionadas aqui não são exigidas por lei, a menos que você esteja construindo uma piscina pública. Nesse caso, você deve também se familiarizar com os requisitos de seus códigos de construção locais e da Lei de Acessibilidade.

Segurança para crianças

Há uma abundância de recursos de piscina que podem ajudá-lo a proteger as crianças contra danos, mas nenhum deles pode tomar o lugar de uma boa e antiga supervisão de um adulto. Portanto, no caso de uma piscina em casa, deve ser considerada a instalação perto da casa onde os pais podem manter um olho nas coisas.

Você também pode querer considerar uma piscina rasa que permite que as crianças toquem no fundo na maioria ou em todos os pontos.

Finalmente, é importante isolar a piscina com uma cerca que atenda a certos requisitos mínimos de altura. Você também pode querer instalar alarmes em todos os portões ou portas que dão acesso à piscina. Existem ainda sistemas que detectam distúrbios na água.

Acessibilidade em piscinas para idosos

A questão principal para muitos idosos é a mobilidade. Assim, a piscina perfeita para os idosos incluiria alguma forma de acesso “andável”, como por exemplo uma rampa. Corrimãos também são práticos para se locomover dentro e fora da água.

Contudo, se essa não é uma possibilidade viável para sua piscina, você pode considerar usar um elevador de acessibilidade.

Fácil de usar e de acordo com todas as normas de segurança, esses elevadores são desenvolvidos especialmente para aumentar a acessibilidade em piscinas e facilitar o acesso às piscinas residenciais, de clubes, escolas, ONGs ou mesmo clínicas de fisioterapia.

Para manter as coisas confortáveis ​​para os nadadores mais velhos, planejar aquecimento adicional da piscina. Temperaturas de água mais frias que a maioria das pessoas acham refrescante pode ser desagradavelmente arrepiante para os idosos. Um spa anexado, além de ser terapêutico por direito próprio, pode ajudar as pessoas mais velhas se aquecer depois de nadar.

Finalmente, as pessoas mais velhas podem ter uma variedade de condições médicas a serem levadas em conta. Se é parte do seu projeto de piscina ou não, você deve ter algum tipo de sistema de alerta médico no local para se certificar de que a ajuda pode chegar rapidamente se surgir um problema.

Acessibilidade para pessoas com deficiência

A acessibilidade em piscinas também deve ser pensada para pessoas em cadeira de rodas. Muitas pessoas com deficiência estão familiarizadas com os benefícios da terapia aquática. Você pode desfrutar destes mesmos benefícios em casa, instalando um spa de natação ou algum outro tipo de piscina terapêutica.

Piscinas tradicionais oferecem algo que as piscinas especiais não podem — uma chance de socializar com os outros. Muitas pessoas com deficiência simplesmente querem brincar, competir, e se divertir na água com outras pessoas. E com o equipamento certo, eles podem.

O elevador para acessibilidade também é recomendado para cadeirantes e pessoas com alguma deficiência motora.

Com funcionamento hidráulico ou rosca sem fim (fuso), e com assento giratório, o equipamento além de confortável, propicia também mais independência ao cadeirante ou portador de necessidades especiais. A instalação é fácil e totalmente segura, criando um diferencial para sua casa ou seu negócio.

Enquanto você está planejando seu projeto, não se esqueça da área ao redor da piscina, que pode precisar de customizações como corrimãos, decking antiderrapante e acessibilidade para cadeiras de rodas.

Pensar na acessibilidade em piscinas, equipando-as para pessoas de necessidades diversas, não é tão difícil quanto parece e pode trazer inúmeros benefícios. Muitas das sugestões acima apenas exigem um pouco de premeditação. Piscinas são um ótimo lugar para as pessoas se reunirem, então por que não se certificar de que todos podem apreciá-lo igualmente?

Conheça nosso elevador de acessibilidade para piscina e veja como ele pode te ajudar a tornar sua casa ou negócio mais acessível!

Acessibilidade: 5 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida

Acessibilidade: 5 obstáculos enfrentados por quem tem mobilidade reduzida

Calçadas sem rampas, escadas, acesso ao transporte coletivo são alguns dos desafios enfrentados diariamente por quem tem mobilidade reduzida. Atividades das mais simples podem se tornar um sacrifício, principalmente no Brasil, onde as leis de acessibilidade são recentes e ainda pouco adotadas em espaços públicos.

Contudo, existem algumas alternativas que podem tornar a vida de idosos e portadores de deficiência física melhor. No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais obstáculos enfrentados e o que vêm sendo feito para que eles sejam superados! Acompanhe conosco:

1. Acesso ao transporte público

O direito de ir e vir é garantido a todos na Constituição. Contudo, quando pensamos em portadores de deficiência física e pessoas com dificuldade de locomoção não é bem isso que vemos.

O transporte público é um dos principais desafios enfrentados. Mesmo em cidades onde parte da frota já possui veículos adaptados para receber pessoas em cadeiras de rodas, o sistema ainda apresenta diversos outros problemas.

Além de muitas vezes ter que esperar mais de uma hora pelo ônibus adaptado, os portadores de deficiência ainda precisam lidar com motoristas mal treinados e passageiros impacientes em ter que esperar a subida do cadeirante.

Apesar da acessibilidade já ser lei, ainda é preciso investir em políticas públicas que melhorem o sistema de transporte coletivo. Veículos com piso mais baixo, por exemplo, que dispensem o uso dos elevadores e utilizem rampas de acesso poderiam tornar a vida do motorista e do cadeirante muito mais simples.

2. Movimentação na cidade

Além da dificuldade de ir e vir até os lugares, ainda há os problemas de acesso dos locais em si. Restaurantes e espaços públicos nem sempre são adaptados para receber pessoas com dificuldade de locomoção. Além da falta de rampas, como esses locais querem construir banheiros pequenos para aproveitar melhor o espaço com mesas e cadeiras, é raro encontrar cabines adaptadas para pessoas em cadeiras de rodas.

Alguns aplicativos já existem para que os locais públicos sejam classificados de acordo com sua acessibilidade, facilitando a vida do deficiente, como o O Wheel Map. O app mostra em um mapa todos os estabelecimentos da cidade, classificando-os entre verde (perfeitamente acessível para deficientes), amarelo (acessível mas ainda com alguns problemas) e vermelho (nada acessível).

O grande problema é que, por se tratar de um app colaborativo, muitos estabelecimentos ainda estão na cor cinza, ou seja, ainda não foram classificados e estão aguardando as notas dos usuários.

3. Locomoção dentro de casa

Quem acha que as dificuldades enfrentadas por quem tem dificuldade de locomoção estão só nos locais públicos está bem enganado. Se locomover dentro de casa também pode ser um desafio, principalmente em construções com escadas.

É preciso adaptar os ambientes para tornar a vida de deficientes mais fácil, aumentando a largura das portas e instalando corrimões nos banheiros. Além disso, as novas tecnologias permitiram que essas pessoas pudessem contar com maiores facilidades, como a instalação de um elevador de acessibilidade dentro de casa.

Existem diversos modelos que permitem a adaptação mesmo em residências já construídas, fornecendo uma ótima alternativa aos deficientes.

4. Acesso a piscinas

Mesmo entrar em piscinas pode ser um grande desafio para quem não tem 100% da mobilidade. Normalmente, o acesso a essas é feito por escadas, o que dificulta muito a vida de deficientes e pessoas com dificuldade de locomoção, principalmente no caso de quem não possui força nos braços.

Além do obstáculo em si, ainda é preciso pensar no quesito segurança, visto que nesses casos uma pessoa com deficiência poderia facilmente se afogar. É por isso que hoje muitos locais com piscinas públicas estão passando a investir em elevadores para piscinas, que além de ajudar o cadeirante a entrar sem problemas, ainda aumenta a segurança do mesmo dentro da água.

5. Preconceito e acessibilidade atitudinal

Por último, ainda há o desafio cultural e social enfrentado por quem tem dificuldade de locomoção. Apesar do aumento no número de pessoas que se declararam deficientes no Censo de 2010 do IBGE, o que pode significar uma aceitação maior da população, eles ainda enfrentam muitos preconceitos diários que agravam ainda mais os demais obstáculos.

Enquanto a acessibilidade dos espaços e construções é lei, a atitudinal, que tem a ver com o comportamento das pessoas sem deficiência, ainda é um grande problema. Carros parados em frente às rampas das calçadas ou em vagas destinadas aos deficientes são só alguns deles. Os passageiros do transporte coletivo sem paciência também, e é preciso não só investir em mais políticas que tornem espaços e ônibus mais acessíveis, mas que torne a cabeça das pessoas mais aberta e empática aos problemas do deficiente físico.

E você, o que acha? Quais obstáculos enfrenta diariamente e qual acha que seria a melhor solução para resolvê-lo? Comente abaixo e compartilhe conosco!